Medicina

Veias Varicosas e Varizes

vascular.pro - Thu, 01/17/2019 - 19:54

Veias varicosas afetam a vida de milhões de pessoas. E por causa dessa frequência e divulgação, a maioria das pessoas reconhece facilmente as veias varicosas como veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nu e que saltam por sobre a pele. O diagnóstico muitas vezes é feito pelo próprio paciente.
Mas você sabia que você pode ter veias varicosas não tão aparentes e nem ficar sabendo?
Muitas dessas veias estão abaixo da superfície da pele e não são visíveis. As teleangectasias visíveis e as veias varicosas às vezes são apenas a ponta do iceberg. Embora a maioria dos pacientes procure ajuda médica porque esta descontente com a parte estética das teleangectasias e das veias varicosas, isso pode esconder, de fato, um problema venoso muito maior.
As teleangectasias e veias varicosas podem ser um sinal externo, ou um aviso, de que há um problema interno que é conhecido como insuficiência venosa. Pacientes que têm dor crônica, desconforto, sensação de peso ou câimbras, são pacientes que têm mais chance de possuir insuficiência venosa.
As veias varicosas normalmente aparecem em adultos e podem ser causadas por uma variedade de fatores genéticos, ambientais e ocupacionais. O histórico familiar de veias varicosas, múltiplas gravidezes, exposição ao hormônio estrogênio com medicamentos, um estilo de vida sedentário, trauma de tecidos moles e algumas profissões que requerem muito tempo sentado ou de pé. Histórico de trombose e idade avançada, podem todos contribuir para o desenvolvimento da doença venosa, como veias varicosas e insuficiência venosa.
As pessoas frequentemente pensam “O que causa a veia varicosa?”
Enquanto veias normais do nosso corpo trazem o sangue de volta para cima, trazem o sangue das pernas de volta para o coração, as veias varicosas permitem o fluxo sanguíneo nas duas direções, tanto para cima, para o coração, quanto para baixo, para os pés. Isso porque as veias perderam sua habilidade de vencer a gravidade, que está constantemente fazendo força para trazer o sangue para baixo.
Se a gravidade vencesse e todo o nosso sangue parasse em nossos pés, nós iríamos desmaiar. Para evitar que isso aconteça, nós temos válvulas na maior parte de nossas veias, que somente permitem o fluxo em um sentido.
Mas enquanto as veias começam o processo de se tornar varicosas, as paredes vão ficando mais fracas e dilatando. Enquanto elas dilatam, as paredes das veias ficam mais distantes, afastando as válvulas e permitindo que a gravidade vença, empurrando um pouquinho de sangue em direção aos nossos pés, que seria o refluxo.

O que são varizes?
Veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nú. Essa é a definição mais imples e prática que existe.

O que causa esse enfraquecimento das paredes venosas?
Pesquisas recentes mostram que esse é um processo complicado que envolve a inflamação do corpo, que resulta no dano da parede da veia. Até o momento, não se sabe definitivamente o que desencadeia essa inflamação ou o que pode preveni-la, mas temos alguns indícios.
Os flebologistas têm a esperança de que um dia haverá uma maneira de impedir essa inflamação ou impedir o dano na parede venosa e prevenir a formação das veias varicosas completamente, mas até o momento ainda não há.
Além dos problemas estéticos que as veias dilatadas criam, elas também apresentam uma variedade de outros problemas para as pessoas que as possuem. Sempre que algo em nosso corpo começa a se esticar, ele começa a doer. Essa é a razão pela qual as pessoas que têm veias varicosas frequentemente experimentam sintomas desagradáveis nas pernas, incluindo dor, latejamento, queimação, peso ou fadiga nas pernas, além de uma coceira intensa sobre as veias dilatadas.
Algumas pessoas acordam com dor nas pernas, tipo câimbra, em decorrência das veias varicosas. Esses sintomas normalmente aparecem quando a pessoa tem que ficar muito tempo de pé ou sentada. Por esta razão as pessoas com profissões que não permitem uma movimentação frequente, notam que suas pernas podem ficar desconfortáveis durante, ou no final, do dia de trabalho e é por isso que deitar e elevar as pernas pode fazer se sentir melhor.
Algumas vezes em alguma área da perna que tenha veia varicosa e que sofre um pequeno trauma, como uma batida, ou após um longo período parado no carro ou no avião ou um período prolongado de descanso, um trombo pode se formar dentro de uma veia varicosa. Isto é chamado de trombose, e, se ocorre em uma veia da superfície, tromboflebite superficial
A veia se torna dura, vermelha e dolorosa. Nesses casos o cirurgião vascular ou flebologista pode indicar o uso de meia elástica de compressão, associado ao uso de medicamentos anti-inflamatórios, anti-coagulantes e movimentação frequente. Raramente pode ser necessário cirurgia.
Outras vezes, a formação de um trombo em uma veia do sistema venoso profundo também pode estar presente. Essa é uma situação muito mais séria e que tem um potencial risco de morte, pois a trombose venosa profunda pode desencadear a fatal embolia pulmonar.
Sempre que ocorrer a situação de suas veias ficarem vermelhas, quentes doloridas ou inchaço nas pernas, você deve procurar atendimento médico.
Em algumas pessoas as veias varicosas podem levar ao dano à pele na área do tornozelo. Devido ao refluxo e ao aumento de pressão nas veias da perna, a pressão no tornozelo, venosa, fica maior ainda. Após muito tempo dessa situação isso desencadeia uma reação em cadeia de eventos que podem resultar em uma mancha na pele, chamada dermatite ocre ou mesmo uma úlcera na parte interna ou externa do tornozelo. Essa inflamação duradoura pode também com o tempo endurecer a pele, causando a chamada dermatofibrose.
Tratando as veias varicosas e prevenindo o fluxo do sangue para baixo, esse processo pode ser interrompido e a úlcera pode ser prevenida, razão pela qual o tratamento cirúrgico da insuficiência venosa previne as complicações futuras. Muitas vezes o aparecimento da macha dermatite ocre é o primeiro sintoma, e o dermatologista vai encaminhar para o cirurgião vascular, pois, para ter êxito no tratamento da mancha é necessário primeiro o tratamento da sua causa, a insuficiência venosa.
 
 
Veja mais:

 
Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato
* Imagens do banco de imagens: © roblan | Dreamstime.com - Varicose veins

Tags: varizesvenosoveias Select ratingGive Veias Varicosas e Varizes 1/5Give Veias Varicosas e Varizes 2/5Give Veias Varicosas e Varizes 3/5Give Veias Varicosas e Varizes 4/5Give Veias Varicosas e Varizes 5/5 Average: 4.7 (3 votes)
Categories: Medicina

Microvarizes

vascular.pro - Thu, 01/17/2019 - 12:21

Microvarizes é mais um termo utilizado para classificar as varizes. São varizes pequenas, portanto, veias dilatadas e tortuosas visíveis a olho nú. Os vasinhos são as teleangiectasias, e as varicoses as veias varicosas. Entre elas existe as veias reticulares.

Tipos de Veias

Teleangiectasias e vasinhos: veias quase na superfície da pele e de calibre diminuto, (aproximadamente 2-3 mm ) cujo nome correto é telangectasia; 

Varizes: veias de calibre igual ou superior porém um pouco mais profundas, geralmente abaixo da pele, podendo fazer saliência na pele ou serem sinuosas; 

Veias reticulares e microvarizes: veias abaixo da pele porém de estrutura preservada porém visíveis devido a sua cor e devido a cor da pele; 

Veias perfurantes insuficientes: são vasos de comunicação dos sistema venoso superficial para o profundo, quando insuficientes levam o sangue venoso do sistema profundo (principal) para o superficial com isto dilatando-o e causando varizes e varicoses nos ramos adjacentes, às vezes causando dor localizada.

Tags: venosovarizes Select ratingGive Microvarizes 1/5Give Microvarizes 2/5Give Microvarizes 3/5Give Microvarizes 4/5Give Microvarizes 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Microvarizes

vascular.pro - Thu, 01/17/2019 - 12:21

Microvarizes é mais um termo utilizado para classificar as varizes. São varizes pequenas, portanto, veias dilatadas e tortuosas visíveis a olho nú. Os vasinhos são as teleangiectasias, e as varicoses as veias varicosas. Entre elas existe as veias reticulares.

Tipos de Veias

Teleangiectasias e vasinhos: veias quase na superfície da pele e de calibre diminuto, (aproximadamente 2-3 mm ) cujo nome correto é telangectasia; 

Varizes: veias de calibre igual ou superior porém um pouco mais profundas, geralmente abaixo da pele, podendo fazer saliência na pele ou serem sinuosas; 

Veias reticulares e microvarizes: veias abaixo da pele porém de estrutura preservada porém visíveis devido a sua cor e devido a cor da pele; 

Veias perfurantes insuficientes: são vasos de comunicação dos sistema venoso superficial para o profundo, quando insuficientes levam o sangue venoso do sistema profundo (principal) para o superficial com isto dilatando-o e causando varizes e varicoses nos ramos adjacentes, às vezes causando dor localizada.

Tags: venosovarizes Select ratingGive Microvarizes 1/5Give Microvarizes 2/5Give Microvarizes 3/5Give Microvarizes 4/5Give Microvarizes 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 20:17
Cirurgia Arterial

Sistema arterial:

O sistema arterial é frequentemente acometido por aterosclerose, que é uma doença evolutiva (surge com a idade) e progressiva. As artérias que apresentam aterosclerose tornam-se estreitas e endurecidas, podendo haver bloqueio da passagem do sangue, levando à isquemia dos tecidos. Isto pode acontecer no coração (infarto do miocárdio), nas pernas (doença arterial obstrutiva periférica) e também nas artérias do pescoço, as carótidas, acarretando isquemia cerebral, que pode ser transitória (AIT - ataque isquemico transitório) ou definitiva (AVC - acidente vascular cerebral). As artérias também podem se dilatar, formando aneurismas, que são potencialmente graves, pois a dilatação do vaso enfraquece a parede com a possibilidade de rompimento do vaso e consequente hemorragia, o chamado aneurisma roto. O aneurisma mais comum é o da aorta abdominal.

- Aterosclerose, Arteriosclerose, Ateriolosclerose
- úlceras arteriais
- AVC (Acidente Vascular Cerebral) decorrente de estenose de carótida (isquemia cerebral de origem extracraniana)
- Pé Diabético
- Claudicação (dor ao caminhar, decorrente da isquemia, diminuição da circulação sangínea periférica)
- Aneurismas Arteriais, tanto da Aorta abdominal quanto de outras localizações
- tromboses arteriais
- isquemia de membros inferiores
- obstrução arterial aguda
- desbridamentos e amputações (cirurgia mutilantes mas potencialmente salvadora de vidas)
- fasciotomias
- arterites e vasculites

 

 

artériaarterialtratamentocirurgia Select ratingGive Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 1/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 2/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 3/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 4/5Give Cirurgia Arterial: Tratamento das artérias que irrigam 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Cirurgia Arterial

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 20:17
Cirurgia Arterial

Sistema arterial:

O sistema arterial é frequentemente acometido por aterosclerose, que é uma doença evolutiva (surge com a idade) e progressiva. As artérias que apresentam aterosclerose tornam-se estreitas e endurecidas, podendo haver bloqueio da passagem do sangue, levando à isquemia dos tecidos. Isto pode acontecer no coração (infarto do miocárdio), nas pernas (doença arterial obstrutiva periférica) e também nas artérias do pescoço, as carótidas, acarretando isquemia cerebral, que pode ser transitória (AIT - ataque isquemico transitório) ou definitiva (AVC - acidente vascular cerebral). As artérias também podem se dilatar, formando aneurismas, que são potencialmente graves, pois a dilatação do vaso enfraquece a parede com a possibilidade de rompimento do vaso e consequente hemorragia, o chamado aneurisma roto. O aneurisma mais comum é o da aorta abdominal.

- Aterosclerose, Arteriosclerose, Ateriolosclerose
- úlceras arteriais
- AVC (Acidente Vascular Cerebral) decorrente de estenose de carótida (isquemia cerebral de origem extracraniana)
- Pé Diabético
- Claudicação (dor ao caminhar, decorrente da isquemia, diminuição da circulação sangínea periférica)
- Aneurismas Arteriais, tanto da Aorta abdominal quanto de outras localizações
- tromboses arteriais
- isquemia de membros inferiores
- obstrução arterial aguda
- desbridamentos e amputações (cirurgia mutilantes mas potencialmente salvadora de vidas)
- fasciotomias
- arterites e vasculites

 

 

artériaarterialtratamentocirurgia Select ratingGive Cirurgia Arterial 1/5Give Cirurgia Arterial 2/5Give Cirurgia Arterial 3/5Give Cirurgia Arterial 4/5Give Cirurgia Arterial 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 20:14
Tratamento de vasinhos e doenças venosas

Sistema venoso:

As doenças venosas são as mais frequentes, sendo as varizes e as tromboses venosas as de maior incidência. As varizes são veias em membros inferiores que se apresentam dilatadas e tortuosas, podendo levar a sintomas como dor, peso e cansaço. A trombose venosa é a formação de coágulos dentro das veias, que podem se desprender e ir para o pulmão, causando embolia pulmonar.

- varizes, vasinhos, microvarizes, teleangiectasias, varicorragia, rotura de varizes
- úlceras venosas
- tromboflebites e tromboses venosas
- trombofilias (doenças do sangue que causam coagulação aumentada)
- acessos venosos profundos e difíceis
- fístulas arteriovenosas para hemodiálise
- acesso vascular para quimioterapia

Anatomia: 

Veias

Causa: 

Alterações estruturais da parede das veias

Select ratingGive Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 1/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 2/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 3/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 4/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 5/5 Average: 5 (1 vote) varizesveiaspernasestéticavasinhos
Categories: Medicina

Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 20:14
Tratamento de vasinhos e doenças venosas

Sistema venoso:

As doenças venosas são as mais frequentes, sendo as varizes e as tromboses venosas as de maior incidência. As varizes são veias em membros inferiores que se apresentam dilatadas e tortuosas, podendo levar a sintomas como dor, peso e cansaço. A trombose venosa é a formação de coágulos dentro das veias, que podem se desprender e ir para o pulmão, causando embolia pulmonar.

- varizes, vasinhos, microvarizes, teleangiectasias, varicorragia, rotura de varizes
- úlceras venosas
- tromboflebites e tromboses venosas
- trombofilias (doenças do sangue que causam coagulação aumentada)
- acessos venosos profundos e difíceis
- fístulas arteriovenosas para hemodiálise
- acesso vascular para quimioterapia

Select ratingGive Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 1/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 2/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 3/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 4/5Give Doenças venosas: varizes, vasinhos e insuficiência venosa 5/5 Average: 5 (1 vote) varizesveiaspernasestéticavasinhos
Categories: Medicina

O tratamento a laser para as varizes

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 20:13
vascular: cirurgia de varizes com laser

O tratamento para as varizes a laser é um procedimento minimamente invasivo que utiliza a energia térmica da luz para desidratar e inutilizar somente as veias que não funcionam. Esse tratamento é realizado preferencialmente nas veias mais superficiais como as safenas -- magna e parva -- ou outras veias acessórias e possivelmente perfurantes. Como todo tratamento, possui indicações e cuidados que devem ser tomados.
As indicações para uso do laser são as mesmas para outras técnicas, como radiofrequência, escleroterapia ou cirurgia aberta. É indicado, portanto, para pessoas que apresentam os “vasinhos” tortuosos salientes, com dor ao ficar muito tempo em pé, cansaço peso nas pernas ou outros sintomas que não melhoram com tratamento clínico. Deve haver indicações de que o fluxo de sangue realmente não flui corretamente, seja por meio de exames de imagem ou pela avaliação médica. Esse procedimento não deve ser realizado em gestantes e em pessoas que tiveram uma trombose recente (quando o sangue coagula dentro do vaso, o que leva a uma obstrução da passagem do sangue).
Há algumas condições em que os benefícios e riscos são avaliados pelo médico-cirurgião vascular, como  tortuosidades em excesso, que impedem a passagem do dispositivo, diâmetro muito grande das veias que se deseja retirar, entre outras. Essa cirurgia pode ser realizada somente com anestesia locorregional (raqui) e sedação ou com anestesia geral no centro cirúrgico. No momento do procedimento, o cirurgião também pode associar outras técnicas para melhorar os resultados.
Na primeira semana, o paciente realiza um ultrassom com doppler (que possibilita ver o fluxo vascular) para avaliar se não há anormalidades precoces. Se não há grandes desconfortos, o paciente só necessita retornar ao médico após um mês para avaliar se há necessidade de mais algum procedimento.
A dor e o desconforto após o procedimento, que são mínimas, vão se resolvendo gradativamente, devendo ser utilizadas as meias compressivas como auxílio. Quando comparada a outras técnicas mais invasivas, o tempo de retorno ao trabalho e atividades diárias é menor, bem como a satisfação dos pacientes.
O uso da técnica a laser para corrigir varizes é bastante complexa e exige conhecimento teórico e domínio prático. Por isso, a indicação e o tratamento devem ser feitos por um médico-cirurgião vascular devidamente habilitado. 

 

vascularvarizeslaser Select ratingGive O tratamento a laser para as varizes 1/5Give O tratamento a laser para as varizes 2/5Give O tratamento a laser para as varizes 3/5Give O tratamento a laser para as varizes 4/5Give O tratamento a laser para as varizes 5/5 Average: 4 (1 vote)
Categories: Medicina

O tratamento a laser para as varizes

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 20:13
vascular: cirurgia de varizes com laser

O tratamento para as varizes a laser é um procedimento minimamente invasivo que utiliza a energia térmica da luz para desidratar e inutilizar somente as veias que não funcionam. Esse tratamento é realizado preferencialmente nas veias mais superficiais como as safenas -- magna e parva -- ou outras veias acessórias e possivelmente perfurantes. Como todo tratamento, possui indicações e cuidados que devem ser tomados.
As indicações para uso do laser são as mesmas para outras técnicas, como radiofrequência, escleroterapia ou cirurgia aberta. É indicado, portanto, para pessoas que apresentam os “vasinhos” tortuosos salientes, com dor ao ficar muito tempo em pé, cansaço peso nas pernas ou outros sintomas que não melhoram com tratamento clínico. Deve haver indicações de que o fluxo de sangue realmente não flui corretamente, seja por meio de exames de imagem ou pela avaliação médica. Esse procedimento não deve ser realizado em gestantes e em pessoas que tiveram uma trombose recente (quando o sangue coagula dentro do vaso, o que leva a uma obstrução da passagem do sangue).
Há algumas condições em que os benefícios e riscos são avaliados pelo médico-cirurgião vascular, como  tortuosidades em excesso, que impedem a passagem do dispositivo, diâmetro muito grande das veias que se deseja retirar, entre outras. Essa cirurgia pode ser realizada somente com anestesia locorregional (raqui) e sedação ou com anestesia geral no centro cirúrgico. No momento do procedimento, o cirurgião também pode associar outras técnicas para melhorar os resultados.
Na primeira semana, o paciente realiza um ultrassom com doppler (que possibilita ver o fluxo vascular) para avaliar se não há anormalidades precoces. Se não há grandes desconfortos, o paciente só necessita retornar ao médico após um mês para avaliar se há necessidade de mais algum procedimento.
A dor e o desconforto após o procedimento, que são mínimas, vão se resolvendo gradativamente, devendo ser utilizadas as meias compressivas como auxílio. Quando comparada a outras técnicas mais invasivas, o tempo de retorno ao trabalho e atividades diárias é menor, bem como a satisfação dos pacientes.
O uso da técnica a laser para corrigir varizes é bastante complexa e exige conhecimento teórico e domínio prático. Por isso, a indicação e o tratamento devem ser feitos por um médico-cirurgião vascular devidamente habilitado. 

 

vascularvarizeslaser Select ratingGive O tratamento a laser para as varizes 1/5Give O tratamento a laser para as varizes 2/5Give O tratamento a laser para as varizes 3/5Give O tratamento a laser para as varizes 4/5Give O tratamento a laser para as varizes 5/5 Average: 4 (1 vote)
Categories: Medicina

Fibromialgia: dor por todo corpo

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 17:17
dor por todo corpo

Fatos Rápidos

  • Fibromialgia afeta entre 2-4% das pessoas, mais frequentemente as mulheres do que os homens.
  • Fibromialgia não é uma doença autoimune ou uma doença com base em inflamação, mas a pesquisa sugere que o sistema nervoso esteja envolvido.
  • Os médicos diagnosticam fibromialgia com base em todos os sintomas relevantes do paciente (o que você sente), não mais com base apenas no número de lugares sensíveis durante um exame.
  • Não há nenhum teste para detectar esta doença mas você pode precisar fazer exames laboratoriais ou raios-x para descartar outros problemas de saúde.
  • Embora não haja nenhuma cura, medicamentos podem reduzir os sintomas em alguns pacientes.
  • Os pacientes também podem se sentir melhores com cuidados pessoais adequado, tais como exercícios e dormir o suficiente.

Fibromialgia é um problema de saúde neurológica comum que causa dor generalizada e sensibilidade à dor (sensibilidade ao toque). A dor e a sensibilidade tendem a ir e vir e mover-se pelo corpo. Na maioria das vezes, as pessoas com esta doença crônica (a longo prazo) são fatigadas (muito cansadas) e tem problemas de sono. O diagnóstico pode ser feito com um exame cuidadoso.

O que é fibromialgia?
Fibromialgia é uma condição de saúde crônica neurológica que causa dor por todo o corpo e outros sintomas. Outros sintomas da fibromialgia em pacientes com mais frequência são:

  • Sensibilidade ao toque ou pressão afetando os músculos e, algumas vezes, articulações ou até mesmo a pele
  • Fadiga severa
  • Problemas de sono (acordar não revigorado)
  • Problemas de memória ou de pensar claramente

Alguns pacientes também podem ter:

  • Depressão ou ansiedade
  • Dores de cabeça de enxaqueca ou tensão
  • Problemas digestivos: Síndrome do intestino irritável (comumente chamado de SII) ou doença do refluxo gastresofágico (muitas vezes referida como DRGE)
  • Bexiga hiperativa ou irritável
  • Dor pélvica
  • Desordem da articulação temporomandibular - muitas vezes chamado de ATM (um conjunto de sintomas, incluindo dor facial ou mandíbula, clique no maxilar e zumbido nos ouvidos)

 

O papel do reumatologista e do cirurgião vascular
Fibromialgia não é uma forma de artrite (doença de articulação). Não causa inflamação ou danos para as articulações, músculos ou outros tecidos. No entanto, pela fibromialgia poder causar cansaço semelhante à artrite e dor crônica, algumas pessoas podem aconselhá-lo a ver um reumatologista. Outras pessoas buscam o cirurgião vascular pelas queixas dolorosas. Como resultado, muitas vezes um reumatologista detecta essa doença (e exclui as doenças reumáticas) e o vascular exclui as doenças vasculares. Para cuidados a longo prazo, você não precisa continuar com o reumatologista ou cirurgião vascular. Seu especialista de atenção primária, o clínico geral, pode fornecer todos os cuidados e tratamento que você precisa para fibromialgia.

 

Anatomia: 

sistema nervoso central

Causa: 

As causas da fibromialgia não são claras. Elas podem ser diferentes em pessoas diferentes. A pesquisa atual sugere envolvimento do sistema nervoso, particularmente o sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal). Fibromialgia não é uma doença autoimune, inflamatória ou transtornos articulares ou musculares. Fibromialgia pode ocorrer nas famílias. Provavelmente existem certos genes que podem tornar as pessoas mais propensas a ter fibromialgia e os outros problemas de saúde que podem ocorrer por causa dela. Apesar disso, os genes, sozinhos, não causam fibromialgia.
Na maioria das vezes, alguns fatores que desencadeiam a fibromialgia. Pode ser problemas de coluna, artrite, lesões ou outro tipo de estresse físico. Estresse emocional também pode desencadear essa doença. O resultado é uma mudança na forma como o corpo "fala" com a medula espinhal e o cérebro. Podem alterar os níveis de proteínas e substâncias químicas do cérebro. Mais recentemente, a fibromialgia tem sido descrita como transtorno de amplificação de dor central, ou seja, que o volume de sensação de dor no cérebro se torna muito alto.
Embora a fibromialgia possa afetar a qualidade de vida, ainda é considerado clinicamente benigna. Não provoca qualquer ataques cardíacos, acidente vascular cerebral (derrame), câncer, deformidades físicas ou perda da vida.

Diagnóstico Diferencial: 

A síndrome da fibromialgia possui manifestações clínicas bem características e critérios diagnósticos estabelecidos. Entretanto, tem sido confundida com diversos outros distúrbios. O motivo é que diversas doenças reumáticas e não reumáticas podem se manifestar por dor difusa e fadiga crônica.
O paciente com hipotireoidismo pode apresentar um quadro clínico que aparenta fibromialgia. Outro distúrbio hormonal que pode causar confusão diagnóstica com a fibromialgia é o hiperparatireoidismo primário. Este distúrbio é causado, na maioria das vezes, por um adenoma de paratireoide (80 a 90% dos casos). Deficiência de vitamina D com hiperpatiroidismo secundário pode causar dores ósseas e musculares, que podem ser interpretadas como fibromialgia. Em certas situações, a osteomalácia pode fazer parte do diagnóstico diferencial, pois alguns pacientes iniciam o quadro com sensação de fraqueza, dor muscular e sensibilidade óssea, antes das manifestações radiográficas e metabólicas da doença.
A polimialgia reumática é uma condição que deve ser sempre lembrada no diagnóstico diferencial da fibromialgia. Às vezes, a polimiosite (assim como outras miosites) pode ser confundida com fibromialgia. Algumas doenças autoimunes do colágeno, particularmente a artrite reumatoide e o lúpus eritematoso sistêmico, podem inicialmente se manifestar com dor difusa e fadiga, conduzindo ao diagnóstico equivocado de fibromialgia. Em outras situações, pacientes com uma artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico estabelecido, com as variadas manifestações clínicas e laboratoriais dessas moléstias, podem apresentar, simultaneamente, um quadro de fibromialgia. Não raramente, a síndrome de Sjögren pode ter como manifestação inicial sintomas de dor muscular difusa e inespecífica, acompanhada de cansaço, podendo causar dificuldade diagnóstica até que parâmetros laboratoriais e outras características clínicas se façam presentes.
Certas reações adversas a determinados medicamentos podem causar mialgias difusas e atrapalhar o médico desinformado. Entre essas medicações, destacam-se os bloqueadores de receptores H2 (utilizados para doença péptica), os fibratos e as estatinas (empregados para o tratamento das dislipidemias) e comumente utilizados pelos pacientes vasculares.
Uso de drogas causa reações que se assemelham a um quadro de fibromialgia, particularmente nos pacientes viciados em cocaína e canabis.
Pacientes etilistas também podem apresentar quadros de dores musculares, seja durante o período do abuso do álcool ou do período de abstinência ao mesmo.
Certas infecções, em particular a hepatite C, o HIV e a doença de Lyme, podem provocar dores musculares difusas e impor dificuldade diagnóstica, principalmente quando não há febre ou outros sintomas típicos. As análises laboratoriais sorológicas podem contribuir para elucidar alguns casos.
Pacientes que realizaram corticoterapia por longos períodos, independentemente do motivo, podem sofrer de uma crise de abstinência ao corticoide, particularmente se a retirada do medicamento for feita de maneira abrupta e inadequada. Esses pacientes podem passar a experimentar dores musculares difusas, que respondem rapidamente à reutilização do medicamento.
Outra condição que deve ser considerada no diagnóstico diferencial da síndrome da fibromialgia é a síndrome paraneoplásica (paraneoplasia). Em raras situações, uma paraneoplasia pode se manifestar com quadro similar ao da fibromialgia e lançar um importante desafio diagnóstico, particularmente no caso do carcinoma broncogênico.
A síndrome da fadiga crônica também deve ser lembrada no diagnóstico diferencial. O antecedente de febre baixa ou de faringite recorrente, além da presença de linfadenopatia, pode contribuir para clarificar o diagnóstico. Nesta síndrome predomina o cansaço, enquanto na fibromialgia predomina a dor difusa.
Talvez a dificuldade diagnóstica maior seja diferenciar a fibromialgia de um reumatismo psicogênico. Em certas situações, o quadro clínico do paciente é expressão de um distúrbio psiquiátrico, particularmente de depressão.
LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) são acrônimos para incorporar um grupo de distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho. 

Epidemiologia: 

Fibromialgia é mais comum em mulheres, mas pode ocorrer em homens. Na maioria das vezes começa no meio da idade adulta, mas pode ocorrer na adolescência e na velhice. Você está em maior risco para a fibromialgia se você tem uma doença reumática (problema de saúde que afeta as articulações, músculos e ossos). Estes incluem osteoartrite, lúpus, artrite reumatoide, ou espondilite anquilosante.

Evolução Natural: 

Viver com fibromialgia
Mesmo com muitas opções de tratamento, o autocuidado do paciente é vital para melhorar os sintomas e o funcionamento diário. Em conjunto com o tratamento médico, comportamentos de um estilo de vida saudável podem reduzir a dor, aumentar a qualidade do sono, diminuir a fadiga e ajudar você a lidar melhor com a fibromialgia. Com o tratamento adequado e o autocuidado você pode ficar melhor e viver uma vida mais normal. Aqui estão algumas dicas de autocuidado para viver com fibromialgia:

  • Arranje tempo para relaxar diariamente. Exercícios de respiração profunda e meditação ajudará a reduzir o estresse que os sintomas podem trazer.
  • Defina um padrão de sono regular. Vá para a cama e acorde todo dia no mesmo horário. Dormir o suficiente permite que seu corpo se repare fisicamente e mentalmente. Além disso, evite dormir durante o dia e limite a ingestão de cafeína, que pode interromper o sono. A nicotina é um estimulante, então os pacientes de fibromialgia com problemas de sono devem parar de fumar.
  • Se exercite frequentemente. Esta é uma parte muito importante do tratamento da fibromialgia. Embora difícil a princípio, exercício regular muitas vezes reduz os sintomas de dor e fadiga. Os pacientes devem seguir o ditado, "começar de leve, ir de boa". Lentamente adicione ginástica diária em sua rotina. Por exemplo, escolha as escadas em vez do elevador ou estacione ainda mais longe da loja. Com os sintomas diminuindo com o tratamentos com remédios, comece a aumentar sua atividade. Adicione algumas caminhadas, natação, hidroginástica e/ou exercícios de alongamento e comece a fazer coisas que você parou de fazer por causa de sua dor e dos outros sintomas. Leva tempo para criar uma rotina confortável. Mas continue se movendo, mantenha-se ativo e não desista!
  • Eduque-se. Organizações reconhecidas como a  ABRAFIBRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS são grandes fontes para obter informações. Compartilhe essas informações com familiares, amigos e colegas de trabalho.
  • Olhe para a frente, não para trás. Foque no que você precisa fazer para melhorar, não o que causou a doença.

 

Sinais ou Sintomas: 

Um médico vai suspeitar de fibromialgia baseado nos seus sintomas. Os médicos podem exigir que você tenha sensibilidade à pressão ou pontos dolorosos em um número específico de determinados pontos antes de dizer que você tem fibromialgia, mas eles não são obrigados a fazer o diagnóstico (veja a tabela). Um exame físico pode ser útil para detectar a sensibilidade e para excluir outras causas de dor muscular. Existem testes diagnósticos (como radiografias ou exames de sangue) para este problema. Mesmo assim, você pode precisar de exames para descartar um outro problema de saúde que pode ser confundido com fibromialgia.
Como a dor generalizada do corpo é a principal característica da fibromialgia, prestadores de cuidados à saúde irão pedir para descrever a sua dor. Isso pode ajudar a distinguir entre fibromialgia e outras doenças com sintomas semelhantes. Outras condições, tais como hipotireoidismo (hipoatividade da glândula tireoide) e polimialgia reumática algumas vezes imitam a fibromialgia. Exames de sangue podem dizer se você tem qualquer um destes problemas. Às vezes, a fibromialgia é confundida com artrite reumatoide ou lúpus. Mas, novamente, há uma diferença nos sintomas e testes físicos e exames de sangue vão ajudar seu médico a detectar esses problemas de saúde. Ao contrário da fibromialgia, essas doenças reumáticas causam a inflamação nas articulações e tecidos.
 
Critérios necessários para um diagnóstico de fibromialgia

1. Dor e sintomas durante a semana passada com base no número total de áreas dolorosas de 19 partes do corpo mais o nível de gravidade destes sintomas:
a. fadiga
b. acordar não revigorado - sono não repousante
c. problemas cognitivos (de memória ou pensamento).
Somado o número de outros sintomas físicos gerais

2. sintomas durando pelo menos três meses em um nível semelhante

3. nenhum outro problema de saúde que explique a dor e outros sintomas

 

Fonte: Colégio Americano de Reumatologia, 2010

Tratamentos Possíveis: 

Não existe cura para a fibromialgia. Entretanto, sintomas podem ser tratados com base em tratamentos não-farmacológico ou com medicação. Muitas vezes os melhores resultados são alcançados por meio de vários tipos de tratamentos.
Terapias não-farmacológicas: Pessoas com fibromialgia devem usar tratamentos não-farmacológicos, assim como quaisquer medicamentos que os médicos sugerem. Pesquisa mostra que o tratamento mais eficaz para a fibromialgia é exercício físico. Exercício físico deve ser usado além de qualquer tratamento farmacológico. Os pacientes beneficiam-se mais dos exercícios aeróbicos regulares. Outras terapias baseadas no corpo, incluindo o Tai Chi e yoga, podem aliviar os sintomas da fibromialgia. Embora você possa estar sofrendo, exercício físico de baixo impacto não será prejudicial.
Terapia cognitiva comportamental é um tipo de terapia focada na compreensão de como pensamentos e comportamentos afetam a dor e outros sintomas. TCC e tratamentos relacionados, tais como atenção plena (Mindfulness), podem ajudar pacientes a aprender habilidades de redução de sintoma que diminui a dor. Atenção plena é uma prática de meditação não-espiritual que cultiva a consciência do momento presente. Redução do estresse baseado em atenção plena demonstrou melhorar significativamente os sintomas da fibromialgia.
Outras terapias complementares e alternativas (às vezes chamadas de TCA ou medicina integrativa), tais como acupuntura, quiropraxia e massagem terapêutica, podem ser úteis para controlar os sintomas da fibromialgia. Muitos destes tratamentos, no entanto, não foram bem testados em pacientes com fibromialgia.
É importante notar fatores de risco e gatilhos para a fibromialgia, incluindo distúrbios do sono, como apneia do sono e problemas de humor, tais como stress, ansiedade, transtorno do pânico e depressão. Isso pode exigir o envolvimento de outros especialistas tais como um doutor em medicina do sono, psiquiatra e terapeuta.
Medicamentos: O FDA aprovou três medicamentos para o tratamento da fibromialgia. Eles incluem dois medicamentos que mudam algumas das químicas cerebrais (serotonina e noradrenalina) que ajudam a controlar os níveis de dor: duloxetina (Cymbalta) e milnacipran (Savella). Medicamentos mais antigos que afetam esses mesmos produtos químicos cerebrais também podem ser utilizados para tratar a fibromialgia. Estes incluem a amitriptilina (Elavil) e ciclobenzaprina (Flexeril). Outras remédios antidepressivos podem ser úteis em alguns pacientes. Efeitos colaterais variam de acordo com o remédio. Pergunte ao seu médico sobre os riscos e benefícios de sua medicação.
A outras drogas aprovadas para fibromialgia é a pregabalina (Lyrica). Pregabalina e outra droga, gabapentina (Neurontin), trabalham bloqueando a atividade das células nervosas envolvidas na transmissão da dor. Estes medicamentos podem causar tonturas, sonolência, inchaço e ganho de peso.
É altamente recomendável evitar medicamentos opioides entorpecentes no tratamento da fibromialgia. A razão para isto é que a evidência da pesquisa mostra que essas drogas não são úteis para a maioria das pessoas com fibromialgia e irão causar maior sensibilidade a dor ou fazer a dor persistir. Tramadol (Ultram) pode ser usado para tratar a dor da fibromialgia se houver necessidade de uso a curto prazo de um narcótico de opioide. Medicamentos sem receita como o paracetamol (Tylenol) ou antiinflamatórios não esteroidais (comumente chamado de AINEs) como o ibuprofeno (Advil, Motrin) ou o naproxeno (Aleve, Anaprox) não são eficazes para dor da fibromialgia. No entanto, esses remédios podem ser úteis para tratar os gatilhos da dor da fibromialgia. Sendo assim, eles são mais úteis em pessoas que têm outras causas para a dor como a artrite, além de fibromialgia.
Para problemas com sono, alguns dos medicamentos que tratam a dor também melhoram o sono. Estes incluem ciclobenzaprina (Flexeril), amitriptilina (Elavil), gabapentina (Neurontin) ou pregabalina (Lyrica). Não se recomenda que os pacientes com fibromialgia tomem medicamentos para dormir como zolpidem (Ambien) ou medicamentos benzodiazepínicos.
Sempre procure seu médico para indicar o melhor tratamento. Não faça auto medicação.

Código: M79.7 Select ratingGive Fibromialgia: dor por todo corpo 1/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 2/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 3/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 4/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 5/5 Average: 5 (2 votes) reumatologiadorneurologiaFibromialgia
Categories: Medicina

Fibromialgia: dor por todo corpo

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 17:17
dor por todo corpo

Fatos Rápidos

  • Fibromialgia afeta entre 2-4% das pessoas, mais frequentemente as mulheres do que os homens.
  • Fibromialgia não é uma doença autoimune ou uma doença com base em inflamação, mas a pesquisa sugere que o sistema nervoso esteja envolvido.
  • Os médicos diagnosticam fibromialgia com base em todos os sintomas relevantes do paciente (o que você sente), não mais com base apenas no número de lugares sensíveis durante um exame.
  • Não há nenhum teste para detectar esta doença mas você pode precisar fazer exames laboratoriais ou raios-x para descartar outros problemas de saúde.
  • Embora não haja nenhuma cura, medicamentos podem reduzir os sintomas em alguns pacientes.
  • Os pacientes também podem se sentir melhores com cuidados pessoais adequado, tais como exercícios e dormir o suficiente.

Fibromialgia é um problema de saúde neurológica comum que causa dor generalizada e sensibilidade à dor (sensibilidade ao toque). A dor e a sensibilidade tendem a ir e vir e mover-se pelo corpo. Na maioria das vezes, as pessoas com esta doença crônica (a longo prazo) são fatigadas (muito cansadas) e tem problemas de sono. O diagnóstico pode ser feito com um exame cuidadoso.

O que é fibromialgia?
Fibromialgia é uma condição de saúde crônica neurológica que causa dor por todo o corpo e outros sintomas. Outros sintomas da fibromialgia em pacientes com mais frequência são:

  • Sensibilidade ao toque ou pressão afetando os músculos e, algumas vezes, articulações ou até mesmo a pele
  • Fadiga severa
  • Problemas de sono (acordar não revigorado)
  • Problemas de memória ou de pensar claramente

Alguns pacientes também podem ter:

  • Depressão ou ansiedade
  • Dores de cabeça de enxaqueca ou tensão
  • Problemas digestivos: Síndrome do intestino irritável (comumente chamado de SII) ou doença do refluxo gastresofágico (muitas vezes referida como DRGE)
  • Bexiga hiperativa ou irritável
  • Dor pélvica
  • Desordem da articulação temporomandibular - muitas vezes chamado de ATM (um conjunto de sintomas, incluindo dor facial ou mandíbula, clique no maxilar e zumbido nos ouvidos)

 

O papel do reumatologista e do cirurgião vascular
Fibromialgia não é uma forma de artrite (doença de articulação). Não causa inflamação ou danos para as articulações, músculos ou outros tecidos. No entanto, pela fibromialgia poder causar cansaço semelhante à artrite e dor crônica, algumas pessoas podem aconselhá-lo a ver um reumatologista. Outras pessoas buscam o cirurgião vascular pelas queixas dolorosas. Como resultado, muitas vezes um reumatologista detecta essa doença (e exclui as doenças reumáticas) e o vascular exclui as doenças vasculares. Para cuidados a longo prazo, você não precisa continuar com o reumatologista ou cirurgião vascular. Seu especialista de atenção primária, o clínico geral, pode fornecer todos os cuidados e tratamento que você precisa para fibromialgia.

 

Anatomia: 

sistema nervoso central

Causa: 

As causas da fibromialgia não são claras. Elas podem ser diferentes em pessoas diferentes. A pesquisa atual sugere envolvimento do sistema nervoso, particularmente o sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal). Fibromialgia não é uma doença autoimune, inflamatória ou transtornos articulares ou musculares. Fibromialgia pode ocorrer nas famílias. Provavelmente existem certos genes que podem tornar as pessoas mais propensas a ter fibromialgia e os outros problemas de saúde que podem ocorrer por causa dela. Apesar disso, os genes, sozinhos, não causam fibromialgia.
Na maioria das vezes, alguns fatores que desencadeiam a fibromialgia. Pode ser problemas de coluna, artrite, lesões ou outro tipo de estresse físico. Estresse emocional também pode desencadear essa doença. O resultado é uma mudança na forma como o corpo "fala" com a medula espinhal e o cérebro. Podem alterar os níveis de proteínas e substâncias químicas do cérebro. Mais recentemente, a fibromialgia tem sido descrita como transtorno de amplificação de dor central, ou seja, que o volume de sensação de dor no cérebro se torna muito alto.
Embora a fibromialgia possa afetar a qualidade de vida, ainda é considerado clinicamente benigna. Não provoca qualquer ataques cardíacos, acidente vascular cerebral (derrame), câncer, deformidades físicas ou perda da vida.

Diagnóstico Diferencial: 

A síndrome da fibromialgia possui manifestações clínicas bem características e critérios diagnósticos estabelecidos. Entretanto, tem sido confundida com diversos outros distúrbios. O motivo é que diversas doenças reumáticas e não reumáticas podem se manifestar por dor difusa e fadiga crônica.
O paciente com hipotireoidismo pode apresentar um quadro clínico que aparenta fibromialgia. Outro distúrbio hormonal que pode causar confusão diagnóstica com a fibromialgia é o hiperparatireoidismo primário. Este distúrbio é causado, na maioria das vezes, por um adenoma de paratireoide (80 a 90% dos casos). Deficiência de vitamina D com hiperpatiroidismo secundário pode causar dores ósseas e musculares, que podem ser interpretadas como fibromialgia. Em certas situações, a osteomalácia pode fazer parte do diagnóstico diferencial, pois alguns pacientes iniciam o quadro com sensação de fraqueza, dor muscular e sensibilidade óssea, antes das manifestações radiográficas e metabólicas da doença.
A polimialgia reumática é uma condição que deve ser sempre lembrada no diagnóstico diferencial da fibromialgia. Às vezes, a polimiosite (assim como outras miosites) pode ser confundida com fibromialgia. Algumas doenças autoimunes do colágeno, particularmente a artrite reumatoide e o lúpus eritematoso sistêmico, podem inicialmente se manifestar com dor difusa e fadiga, conduzindo ao diagnóstico equivocado de fibromialgia. Em outras situações, pacientes com uma artrite reumatoide ou lúpus eritematoso sistêmico estabelecido, com as variadas manifestações clínicas e laboratoriais dessas moléstias, podem apresentar, simultaneamente, um quadro de fibromialgia. Não raramente, a síndrome de Sjögren pode ter como manifestação inicial sintomas de dor muscular difusa e inespecífica, acompanhada de cansaço, podendo causar dificuldade diagnóstica até que parâmetros laboratoriais e outras características clínicas se façam presentes.
Certas reações adversas a determinados medicamentos podem causar mialgias difusas e atrapalhar o médico desinformado. Entre essas medicações, destacam-se os bloqueadores de receptores H2 (utilizados para doença péptica), os fibratos e as estatinas (empregados para o tratamento das dislipidemias) e comumente utilizados pelos pacientes vasculares.
Uso de drogas causa reações que se assemelham a um quadro de fibromialgia, particularmente nos pacientes viciados em cocaína e canabis.
Pacientes etilistas também podem apresentar quadros de dores musculares, seja durante o período do abuso do álcool ou do período de abstinência ao mesmo.
Certas infecções, em particular a hepatite C, o HIV e a doença de Lyme, podem provocar dores musculares difusas e impor dificuldade diagnóstica, principalmente quando não há febre ou outros sintomas típicos. As análises laboratoriais sorológicas podem contribuir para elucidar alguns casos.
Pacientes que realizaram corticoterapia por longos períodos, independentemente do motivo, podem sofrer de uma crise de abstinência ao corticoide, particularmente se a retirada do medicamento for feita de maneira abrupta e inadequada. Esses pacientes podem passar a experimentar dores musculares difusas, que respondem rapidamente à reutilização do medicamento.
Outra condição que deve ser considerada no diagnóstico diferencial da síndrome da fibromialgia é a síndrome paraneoplásica (paraneoplasia). Em raras situações, uma paraneoplasia pode se manifestar com quadro similar ao da fibromialgia e lançar um importante desafio diagnóstico, particularmente no caso do carcinoma broncogênico.
A síndrome da fadiga crônica também deve ser lembrada no diagnóstico diferencial. O antecedente de febre baixa ou de faringite recorrente, além da presença de linfadenopatia, pode contribuir para clarificar o diagnóstico. Nesta síndrome predomina o cansaço, enquanto na fibromialgia predomina a dor difusa.
Talvez a dificuldade diagnóstica maior seja diferenciar a fibromialgia de um reumatismo psicogênico. Em certas situações, o quadro clínico do paciente é expressão de um distúrbio psiquiátrico, particularmente de depressão.
LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) são acrônimos para incorporar um grupo de distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho. 

Epidemiologia: 

Fibromialgia é mais comum em mulheres, mas pode ocorrer em homens. Na maioria das vezes começa no meio da idade adulta, mas pode ocorrer na adolescência e na velhice. Você está em maior risco para a fibromialgia se você tem uma doença reumática (problema de saúde que afeta as articulações, músculos e ossos). Estes incluem osteoartrite, lúpus, artrite reumatoide, ou espondilite anquilosante.

Evolução Natural: 

Viver com fibromialgia
Mesmo com muitas opções de tratamento, o autocuidado do paciente é vital para melhorar os sintomas e o funcionamento diário. Em conjunto com o tratamento médico, comportamentos de um estilo de vida saudável podem reduzir a dor, aumentar a qualidade do sono, diminuir a fadiga e ajudar você a lidar melhor com a fibromialgia. Com o tratamento adequado e o autocuidado você pode ficar melhor e viver uma vida mais normal. Aqui estão algumas dicas de autocuidado para viver com fibromialgia:

  • Arranje tempo para relaxar diariamente. Exercícios de respiração profunda e meditação ajudará a reduzir o estresse que os sintomas podem trazer.
  • Defina um padrão de sono regular. Vá para a cama e acorde todo dia no mesmo horário. Dormir o suficiente permite que seu corpo se repare fisicamente e mentalmente. Além disso, evite dormir durante o dia e limite a ingestão de cafeína, que pode interromper o sono. A nicotina é um estimulante, então os pacientes de fibromialgia com problemas de sono devem parar de fumar.
  • Se exercite frequentemente. Esta é uma parte muito importante do tratamento da fibromialgia. Embora difícil a princípio, exercício regular muitas vezes reduz os sintomas de dor e fadiga. Os pacientes devem seguir o ditado, "começar de leve, ir de boa". Lentamente adicione ginástica diária em sua rotina. Por exemplo, escolha as escadas em vez do elevador ou estacione ainda mais longe da loja. Com os sintomas diminuindo com o tratamentos com remédios, comece a aumentar sua atividade. Adicione algumas caminhadas, natação, hidroginástica e/ou exercícios de alongamento e comece a fazer coisas que você parou de fazer por causa de sua dor e dos outros sintomas. Leva tempo para criar uma rotina confortável. Mas continue se movendo, mantenha-se ativo e não desista!
  • Eduque-se. Organizações reconhecidas como a  ABRAFIBRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS são grandes fontes para obter informações. Compartilhe essas informações com familiares, amigos e colegas de trabalho.
  • Olhe para a frente, não para trás. Foque no que você precisa fazer para melhorar, não o que causou a doença.

 

Sinais ou Sintomas: 

Um médico vai suspeitar de fibromialgia baseado nos seus sintomas. Os médicos podem exigir que você tenha sensibilidade à pressão ou pontos dolorosos em um número específico de determinados pontos antes de dizer que você tem fibromialgia, mas eles não são obrigados a fazer o diagnóstico (veja a tabela). Um exame físico pode ser útil para detectar a sensibilidade e para excluir outras causas de dor muscular. Existem testes diagnósticos (como radiografias ou exames de sangue) para este problema. Mesmo assim, você pode precisar de exames para descartar um outro problema de saúde que pode ser confundido com fibromialgia.
Como a dor generalizada do corpo é a principal característica da fibromialgia, prestadores de cuidados à saúde irão pedir para descrever a sua dor. Isso pode ajudar a distinguir entre fibromialgia e outras doenças com sintomas semelhantes. Outras condições, tais como hipotireoidismo (hipoatividade da glândula tireoide) e polimialgia reumática algumas vezes imitam a fibromialgia. Exames de sangue podem dizer se você tem qualquer um destes problemas. Às vezes, a fibromialgia é confundida com artrite reumatoide ou lúpus. Mas, novamente, há uma diferença nos sintomas e testes físicos e exames de sangue vão ajudar seu médico a detectar esses problemas de saúde. Ao contrário da fibromialgia, essas doenças reumáticas causam a inflamação nas articulações e tecidos.
 
Critérios necessários para um diagnóstico de fibromialgia

1. Dor e sintomas durante a semana passada com base no número total de áreas dolorosas de 19 partes do corpo mais o nível de gravidade destes sintomas:
a. fadiga
b. acordar não revigorado - sono não repousante
c. problemas cognitivos (de memória ou pensamento).
Somado o número de outros sintomas físicos gerais

2. sintomas durando pelo menos três meses em um nível semelhante

3. nenhum outro problema de saúde que explique a dor e outros sintomas

 

Fonte: Colégio Americano de Reumatologia, 2010

Tratamentos Possíveis: 

Não existe cura para a fibromialgia. Entretanto, sintomas podem ser tratados com base em tratamentos não-farmacológico ou com medicação. Muitas vezes os melhores resultados são alcançados por meio de vários tipos de tratamentos.
Terapias não-farmacológicas: Pessoas com fibromialgia devem usar tratamentos não-farmacológicos, assim como quaisquer medicamentos que os médicos sugerem. Pesquisa mostra que o tratamento mais eficaz para a fibromialgia é exercício físico. Exercício físico deve ser usado além de qualquer tratamento farmacológico. Os pacientes beneficiam-se mais dos exercícios aeróbicos regulares. Outras terapias baseadas no corpo, incluindo o Tai Chi e yoga, podem aliviar os sintomas da fibromialgia. Embora você possa estar sofrendo, exercício físico de baixo impacto não será prejudicial.
Terapia cognitiva comportamental é um tipo de terapia focada na compreensão de como pensamentos e comportamentos afetam a dor e outros sintomas. TCC e tratamentos relacionados, tais como atenção plena (Mindfulness), podem ajudar pacientes a aprender habilidades de redução de sintoma que diminui a dor. Atenção plena é uma prática de meditação não-espiritual que cultiva a consciência do momento presente. Redução do estresse baseado em atenção plena demonstrou melhorar significativamente os sintomas da fibromialgia.
Outras terapias complementares e alternativas (às vezes chamadas de TCA ou medicina integrativa), tais como acupuntura, quiropraxia e massagem terapêutica, podem ser úteis para controlar os sintomas da fibromialgia. Muitos destes tratamentos, no entanto, não foram bem testados em pacientes com fibromialgia.
É importante notar fatores de risco e gatilhos para a fibromialgia, incluindo distúrbios do sono, como apneia do sono e problemas de humor, tais como stress, ansiedade, transtorno do pânico e depressão. Isso pode exigir o envolvimento de outros especialistas tais como um doutor em medicina do sono, psiquiatra e terapeuta.
Medicamentos: O FDA aprovou três medicamentos para o tratamento da fibromialgia. Eles incluem dois medicamentos que mudam algumas das químicas cerebrais (serotonina e noradrenalina) que ajudam a controlar os níveis de dor: duloxetina (Cymbalta) e milnacipran (Savella). Medicamentos mais antigos que afetam esses mesmos produtos químicos cerebrais também podem ser utilizados para tratar a fibromialgia. Estes incluem a amitriptilina (Elavil) e ciclobenzaprina (Flexeril). Outras remédios antidepressivos podem ser úteis em alguns pacientes. Efeitos colaterais variam de acordo com o remédio. Pergunte ao seu médico sobre os riscos e benefícios de sua medicação.
A outras drogas aprovadas para fibromialgia é a pregabalina (Lyrica). Pregabalina e outra droga, gabapentina (Neurontin), trabalham bloqueando a atividade das células nervosas envolvidas na transmissão da dor. Estes medicamentos podem causar tonturas, sonolência, inchaço e ganho de peso.
É altamente recomendável evitar medicamentos opioides entorpecentes no tratamento da fibromialgia. A razão para isto é que a evidência da pesquisa mostra que essas drogas não são úteis para a maioria das pessoas com fibromialgia e irão causar maior sensibilidade a dor ou fazer a dor persistir. Tramadol (Ultram) pode ser usado para tratar a dor da fibromialgia se houver necessidade de uso a curto prazo de um narcótico de opioide. Medicamentos sem receita como o paracetamol (Tylenol) ou antiinflamatórios não esteroidais (comumente chamado de AINEs) como o ibuprofeno (Advil, Motrin) ou o naproxeno (Aleve, Anaprox) não são eficazes para dor da fibromialgia. No entanto, esses remédios podem ser úteis para tratar os gatilhos da dor da fibromialgia. Sendo assim, eles são mais úteis em pessoas que têm outras causas para a dor como a artrite, além de fibromialgia.
Para problemas com sono, alguns dos medicamentos que tratam a dor também melhoram o sono. Estes incluem ciclobenzaprina (Flexeril), amitriptilina (Elavil), gabapentina (Neurontin) ou pregabalina (Lyrica). Não se recomenda que os pacientes com fibromialgia tomem medicamentos para dormir como zolpidem (Ambien) ou medicamentos benzodiazepínicos.
Sempre procure seu médico para indicar o melhor tratamento. Não faça auto medicação.

Código: M79.7 Select ratingGive Fibromialgia: dor por todo corpo 1/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 2/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 3/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 4/5Give Fibromialgia: dor por todo corpo 5/5 Average: 5 (2 votes) reumatologiadorneurologiaFibromialgia
Categories: Medicina

Escleroterapia: aplicação nos vasinhos

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 17:03

Escleroterapia: guiada ou não pelo ultrassom.

Um dos tratamentos das veias varicosas é a escleroterapia, que significa literalmente terapia do endurecimento da veia. Aqui no Brasil é conhecida como aplicação de vasinhos, e secagem de vasinhos, mas é uma técnica que pode também ser aplicada em veias maiores. Na veia doente é injetada uma substancia chamada esclerosante, que irrita a parede da veia, fazendo-a endurecer e eventualmente desaparecer, muitas vezes com o objetivo estético. A escleroterapia foi descrita inicialmente lá pelos idos de 1800 e desde lá houve muita evolução e melhoras para transformá-la no tratamento seguro e útil de hoje em dia. Enquanto os primeiros esclerosantes causavam muitos efeitos colaterais graves e os esclerosantes de 20 a 30 anos atrás eram desconfortáveis para a paciente, as medicações atuais são mais seguras e raramente causam efeitos colaterais. São bem confortáveis e geralmente produzem um excelente resultado estético.

Por muitos anos os cirurgiões vasculares puderam apenas usar a escleroterapia para tratar veias que poderiam ser vistas na superfície da pele, entretanto em 1989 tentou-se pela primeira vez utilizar o ultrassom para guiar a escleroterapia. E essa tecnologia avançou e tornou possível a identificação de todas as veias anormais, mesmo aquelas não visíveis na superfície da pele. Atualmente além do ultrassom utiliza-se a fleboscopia com a projeção de realidade aumentada na pele do paciente.

Alguns dos esclerosantes mais comuns incluem:

  • o oxypolyethoxydodecane, originalmente foi desenvolvido como anestésico e é provavelmente o esclerosante mais utilizado no mundo, ele é confortável para o paciente, tem uma incidência baixa de reação alérgica e geralmente produz bons resultados estéticos, ele também pode ser diluído para produzir concentrações adaptáveis a qualquer diâmetro de veia, mas sendo um detergente ele também pode ser usado para criar uma espuma que é muito efetiva para ao tratamento de veias grandes varicosas
  • a glicerina é considerada off label, ela é bem espessa e normalmente é diluída com anestésico para ficar mais fina e fácil de injetar, a glicerina é confortável e efetiva para o tratamento de telangectasias com bons resultados.
  • a glicose hipertônica é muito utilizada no Brasil e funciona pela sua alta osmolaridade, causando o fechamento das veias após lesão do endotélio venoso. É a substância esclerosante mais segura, mas com um poder esclerosante baixo. Por isso sua associação com outras técnicas, como o laser transdérmico (CLaCs) e radiofrequência é bem interessante, aumentando efetividade sem aumentar riscos.
  • a espuma pode ser feita a partir de diversos esclerosantes, como  oxypolyethoxydodecane e o sódio tetradecil sulfato. Muitos médicos começaram a produzir a espuma para aumentar a potência ou diminuir a quantidade de medicação necessária, quando o liquido esclerosante é injetado, ele automaticamente se mistura com o sangue na veia, ficando diluído. Isso resulta em uma concentração menor do que ele tem a oferecer. Então, mais medicação é necessária para conseguir a irritação necessária da parede da veia. Quando o esclerosante é injetado na forma de espuma ele não se dilui tão fácil e tão rápido, e é capaz de irritar a parede da veia mais efetivamente e com uma menor quantidade de esclerosante atinge o mesmo efeito. Sendo assim as veias fecham mais rápido e mais facilmente. 

Em adição aos melhores medicamentos e técnicas e avanços na escleroterapia com o objetivo de melhorar a sua efetividade, o mais importante desses avanços recentes foi o o uso do ultrassom para visualizar a veia durante a injeção da substância esclerosante. Essa técnica altamente especializada está sendo cada vez mais utilizada no mundo, permitindo que o cirurgião vascular trate precisamente qualquer veia, mesmo aquelas que não são visíveis na superfície da pele, ao verificar a imagem ultrassonográfica durante o procedimento, o médico pode se assegurar que  agulha está dentro da veia para injeção e também observar a medicação caminhar dentro da veia, monitorando a reação venosa ao tratamento. Quando as imagens do ultrassom são usadas para escleroterapia direta o procedimento é conhecido como escleroterapia guiada por ultrassom ou ablação química endovenosa.

A escleroterapia é frequentemente realizada ambulatorialmente sem a necessidade de internação ou anestesia. Após o tratamento escleroterápico a maioria dos pacientes veste meia de compressão graduada ou um enfaixamento compressivo por um período de tempo que depende do tamanho, número e localização das veias que foram tratadas. É importante caminhar regularmente e logo após a realização da escleroterapia você pode sentir que as suas pernas ficam melhores ao caminhar. A maioria dos pacientes volta ao trabalho ou imediatamente ou no dia seguinte. Repetir a escleroterapia é geralmente necessário para tratar numerosas veias doentes.

A percepção visual do desaparecimento das veias normalmente começa algumas semanas após o procedimento ou podem levar alguns meses para se completar. A quantidade de sessões de escleroterapia que você pode precisar deve ser avaliada e determinada de modo aproximado pelo o seu cirurgião vascular em consulta médica, com os dados clínicos e exames subsidiários. Embora a escleroterapia seja um tratamento excelente para telangectasias e veias varicosas, ela não vai prevenir a formação e dilatação de novas veias. Apesar disso, como é um procedimento simples, a maioria dos pacientes não se incomoda de repetir o tratamento sempre que as veias aparecem e voltam a incomodar.

A escleroterapia é um excelente exemplo da combinação da ciência e arte da medicina, pois ela é baseada em fundamentos científicos sólidos, mas sua prática não deixa de ser uma arte. Hoje em dia, os cirurgiões vasculares são artistas médicos que escolhem uma ampla gama de medicamentos e técnicas para alcançar o melhor resultado para cada paciente. A escleroterapia deve ser indicada e realizada por médico profissional e competente

 



Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato

Tags: venosoveiaescleroterapiadr. alexandre amatolaser Select ratingGive Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 1/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 2/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 3/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 4/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Escleroterapia: aplicação nos vasinhos

vascular.pro - Tue, 01/15/2019 - 17:03

Escleroterapia: guiada ou não pelo ultrassom.

Um dos tratamentos das veias varicosas é a escleroterapia, que significa literalmente terapia do endurecimento da veia. Aqui no Brasil é conhecida como aplicação de vasinhos, e secagem de vasinhos, mas é uma técnica que pode também ser aplicada em veias maiores. Na veia doente é injetada uma substancia chamada esclerosante, que irrita a parede da veia, fazendo-a endurecer e eventualmente desaparecer, muitas vezes com o objetivo estético. A escleroterapia foi descrita inicialmente lá pelos idos de 1800 e desde lá houve muita evolução e melhoras para transformá-la no tratamento seguro e útil de hoje em dia. Enquanto os primeiros esclerosantes causavam muitos efeitos colaterais graves e os esclerosantes de 20 a 30 anos atrás eram desconfortáveis para a paciente, as medicações atuais são mais seguras e raramente causam efeitos colaterais. São bem confortáveis e geralmente produzem um excelente resultado estético.

Por muitos anos os cirurgiões vasculares puderam apenas usar a escleroterapia para tratar veias que poderiam ser vistas na superfície da pele, entretanto em 1989 tentou-se pela primeira vez utilizar o ultrassom para guiar a escleroterapia. E essa tecnologia avançou e tornou possível a identificação de todas as veias anormais, mesmo aquelas não visíveis na superfície da pele. Atualmente além do ultrassom utiliza-se a fleboscopia com a projeção de realidade aumentada na pele do paciente.

Alguns dos esclerosantes mais comuns incluem:

  • o polidocanol, originalmente foi desenvolvido como anestésico e é provavelmente o esclerosante mais utilizado no mundo, ele é confortável para o paciente, tem uma incidência baixa de reação alérgica e geralmente produz bons resultados estéticos, ele também pode ser diluído para produzir concentrações adaptáveis a qualquer diâmetro de veia, mas sendo um detergente ele também pode ser usado para criar uma espuma que é muito efetiva para ao tratamento de veias grandes varicosas
  • a glicerina é considerada off label, ela é bem espessa e normalmente é diluída com anestésico para ficar mais fina e fácil de injetar, a glicerina é confortável e efetiva para o tratamento de telangectasias com bons resultados.
  • a glicose hipertônica é muito utilizada no Brasil e funciona pela sua alta osmolaridade, causando o fechamento das veias após lesão do endotélio venoso. É a substância esclerosante mais segura, mas com um poder esclerosante baixo. Por isso sua associação com outras técnicas, como o laser transdérmico (CLaCs) e radiofrequência é bem interessante, aumentando efetividade sem aumentar riscos.
  • a espuma pode ser feita a partir de diversos esclerosantes, como  polidocanol e o sódio tetradecil sulfato. Muitos médicos começaram a produzir a espuma para aumentar a potência ou diminuir a quantidade de medicação necessária, quando o liquido esclerosante é injetado, ele automaticamente se mistura com o sangue na veia, ficando diluído. Isso resulta em uma concentração menor do que ele tem a oferecer. Então, mais medicação é necessária para conseguir a irritação necessária da parede da veia. Quando o esclerosante é injetado na forma de espuma ele não se dilui tão fácil e tão rápido, e é capaz de irritar a parede da veia mais efetivamente e com uma menor quantidade de esclerosante atinge o mesmo efeito. Sendo assim as veias fecham mais rápido e mais facilmente. 

Em adição aos melhores medicamentos e técnicas e avanços na escleroterapia com o objetivo de melhorar a sua efetividade, o mais importante desses avanços recentes foi o o uso do ultrassom para visualizar a veia durante a injeção da substância esclerosante. Essa técnica altamente especializada está sendo cada vez mais utilizada no mundo, permitindo que o cirurgião vascular trate precisamente qualquer veia, mesmo aquelas que não são visíveis na superfície da pele, ao verificar a imagem ultrassonográfica durante o procedimento, o médico pode se assegurar que  agulha está dentro da veia para injeção e também observar a medicação caminhar dentro da veia, monitorando a reação venosa ao tratamento. Quando as imagens do ultrassom são usadas para escleroterapia direta o procedimento é conhecido como escleroterapia guiada por ultrassom ou ablação química endovenosa.

A escleroterapia é frequentemente realizada ambulatorialmente sem a necessidade de internação ou anestesia. Após o tratamento escleroterápico a maioria dos pacientes veste meia de compressão graduada ou um enfaixamento compressivo por um período de tempo que depende do tamanho, número e localização das veias que foram tratadas. É importante caminhar regularmente e logo após a realização da escleroterapia você pode sentir que as suas pernas ficam melhores ao caminhar. A maioria dos pacientes volta ao trabalho ou imediatamente ou no dia seguinte. Repetir a escleroterapia é geralmente necessário para tratar numerosas veias doentes.

A percepção visual do desaparecimento das veias normalmente começa algumas semanas após o procedimento ou podem levar alguns meses para se completar. A quantidade de sessões de escleroterapia que você pode precisar deve ser avaliada e determinada de modo aproximado pelo o seu cirurgião vascular em consulta médica, com os dados clínicos e exames subsidiários. Embora a escleroterapia seja um tratamento excelente para telangectasias e veias varicosas, ela não vai prevenir a formação e dilatação de novas veias. Apesar disso, como é um procedimento simples, a maioria dos pacientes não se incomoda de repetir o tratamento sempre que as veias aparecem e voltam a incomodar.

A escleroterapia é um excelente exemplo da combinação da ciência e arte da medicina, pois ela é baseada em fundamentos científicos sólidos, mas sua prática não deixa de ser uma arte. Hoje em dia, os cirurgiões vasculares são artistas médicos que escolhem uma ampla gama de medicamentos e técnicas para alcançar o melhor resultado para cada paciente. A escleroterapia deve ser indicada e realizada por médico profissional e competente

 



Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato

Tags: venosoveiaescleroterapiadr. alexandre amatolaser Select ratingGive Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 1/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 2/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 3/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 4/5Give Escleroterapia: aplicação nos vasinhos 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Lipedema: o resumo

vascular.pro - Fri, 01/11/2019 - 19:34

Sobre o lipedema

O lipedema é caracterizado pelo aumento do tecido adiposo nos membros, e esse tecido gordurosos pode ser doloroso. Existe uma ampla diferenciação nas características presentes. A dor pode ser constante, pode ir e vir, ou apenas ocorrer quando o tecido adiposo é pressionado. Pode ser muito leve ou grave. O mecanismo da sensação de dor não é compreendido pela medicina neste momento.
Além disso, muitas pessoas experimentam algum inchaço (edema não depressível).
Para simplificar bem o diagnóstico, procure por um "manguito", uma marca no tornozelo e no pulso e verifique se as mãos e os pés NÃO incham através do teste de Sinal de Stemmer (O chamado sinal de Stemmer é um sinal de diagnóstico confiável para reconhecer o linfedema. Experimente puxar uma prega da pele para cima (por exemplo, por cima de um dedo do pé). Se isso se mostrar difícil, ou mesmo impossível, estamos falando de um "sinal de Stemmer positivo").
A diferenciação entre doença venosa (exame de ultra-sonografia venosa), obesidade (examinar locais de depósito de gordura), linfedema (teste possível via linfocintilografia), lipedema e Doença de Dercum são importantes. 
O que fazer a respeito do lipedema.
Como o lipedema ainda não é bem compreendido, ninguém sabe ainda com certeza o que ajudará melhor as pessoas com lipedema. Os corpos de todos são diferentes e, no momento, não temos nenhuma fórmula única e mágica que funcione para todos. À medida que você for testando e acrescentando à sua vida diferentes tratamentos para ver o que funciona melhor, você deve começar cada terapia nova lentamente, uma de cada vez, para ver se isso ajuda.
NÃO MORRA DE FOME. Coma alimentos de melhor qualidade em uma quantidade saudável.
Não se concentre no peso, mas tente gerenciar o inchaço e o ganho de músculos para sustentar seu corpo e permaneça o mais ativo possível. É importante lembrar que existem algumas categorias de coisas que contribuem para o peso final que aparece na balança: alimentos no trato digestivo, músculo, gordura comum, gordura do lipedema e líquido. Pode ser difícil determinar quais estão mudando. Alimentos e líquidos são mais fáceis de influenciar, depois vem gordura regular, depois músculo, e depois a gordura do lipedema.
Os objetivos do tratamento são: reduzir a inflamação, administrar a dor, melhorar o fluxo linfático (reduzir o excesso de líquido), obter suporte emocional e ajudar seu corpo a lidar com o lipedema. 
Considerando que tratamentos testar, tenha em mente o que é "conservador", ou seja, o que não é cirúrgico, e o que é cirúrgico. Cirurgiões não operarão a menos que você estabeleça primeiro boas rotinas e mostre-se engajada com os tratamentos conservadores. A cirurgia não corrige os problemas subjacentes e você ainda precisará de bons hábitos conservadores após a cirurgia para manter o resultado.
Os tratamentos conservadores podem ser interpretados ​​como mudanças de estilo de vida (melhor nutrição e exercício mais moderado), mecânicos (DLM - Drenagem Linfática Manual, roupas de compressão e bombas de compressão) e suplementos / medicamentos.
Tratamentos que são baratos e fáceis de começar incluem respiração profunda e caminhada.
As sugestões de nutrição variam, mas são geralmente destinadas a comer menos alimentos inflamatórios. Reduzir calorias não reduz a gordura do lipedema, e há evidências crescentes que mostram que a redução de calorias incentiva seu corpo a armazenar mais gordura. Dietas Páleo, cetogênica, LCHF, RAD e anti-inflamatórias são algumas das dietas recomendadas. Um livro de nutrição bem pesquisado foi criado para pacientes com lipedema especificamente; Veja aqui. À medida que você considera diferentes planos de nutrição, faça suas pesquisas para ver o que normalmente acontece se você parar o plano.
As recomendações de exercícios são geralmente: caminhada, exercício na água de qualquer tipo (hidroginástica, natação), Pilates, ciclismo e yoga. Os objetivos são fazer com que o sistema linfático se mova, cuidar de suas articulações se você for hipermóvel e criar força para ajudar a combater o peso extra.
Muitas informações existem sobre tratamentos mecânicos, como MLD, roupas/botas de compressão e bombas. A informação é geralmente destinada a pacientes com linfedema, mas também são frequentemente aplicadas ao lipedema.

A maioria dos medicamentos diuréticos não ajudam a aliviar o inchaço do lipedema e podem causar complicações se usados por muito tempo. Alguns medicamentos para dor aumentam o inchaço, mais notavelmente os AINEs.  
 
Leia também:

Tags: lipedema Select ratingGive Lipedema: o resumo 1/5Give Lipedema: o resumo 2/5Give Lipedema: o resumo 3/5Give Lipedema: o resumo 4/5Give Lipedema: o resumo 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Lipedema: o resumo

vascular.pro - Fri, 01/11/2019 - 19:34

Sobre o lipedema

O lipedema é caracterizado pelo aumento do tecido adiposo nos membros, e esse tecido gordurosos pode ser doloroso. Existe uma ampla diferenciação nas características presentes. A dor pode ser constante, pode ir e vir, ou apenas ocorrer quando o tecido adiposo é pressionado. Pode ser muito leve ou grave. O mecanismo da sensação de dor não é compreendido pela medicina neste momento.
Além disso, muitas pessoas experimentam algum inchaço (edema não depressível).
Para simplificar bem o diagnóstico, procure por um "manguito", uma marca no tornozelo e no pulso e verifique se as mãos e os pés NÃO incham através do teste de Sinal de Stemmer (O chamado sinal de Stemmer é um sinal de diagnóstico confiável para reconhecer o linfedema. Experimente puxar uma prega da pele para cima (por exemplo, por cima de um dedo do pé). Se isso se mostrar difícil, ou mesmo impossível, estamos falando de um "sinal de Stemmer positivo").
A diferenciação entre doença venosa (exame de ultra-sonografia venosa), obesidade (examinar locais de depósito de gordura), linfedema (teste possível via linfocintilografia), lipedema e Doença de Dercum são importantes. 
O que fazer a respeito do lipedema.
Como o lipedema ainda não é bem compreendido, ninguém sabe ainda com certeza o que ajudará melhor as pessoas com lipedema. Os corpos de todos são diferentes e, no momento, não temos nenhuma fórmula única e mágica que funcione para todos. À medida que você for testando e acrescentando à sua vida diferentes tratamentos para ver o que funciona melhor, você deve começar cada terapia nova lentamente, uma de cada vez, para ver se isso ajuda.
NÃO MORRA DE FOME. Coma alimentos de melhor qualidade em uma quantidade saudável.
Não se concentre no peso, mas tente gerenciar o inchaço e o ganho de músculos para sustentar seu corpo e permaneça o mais ativo possível. É importante lembrar que existem algumas categorias de coisas que contribuem para o peso final que aparece na balança: alimentos no trato digestivo, músculo, gordura comum, gordura do lipedema e líquido. Pode ser difícil determinar quais estão mudando. Alimentos e líquidos são mais fáceis de influenciar, depois vem gordura regular, depois músculo, e depois a gordura do lipedema.
Os objetivos do tratamento são: reduzir a inflamação, administrar a dor, melhorar o fluxo linfático (reduzir o excesso de líquido), obter suporte emocional e ajudar seu corpo a lidar com o lipedema. 
Considerando que tratamentos testar, tenha em mente o que é "conservador", ou seja, o que não é cirúrgico, e o que é cirúrgico. Cirurgiões não operarão a menos que você estabeleça primeiro boas rotinas e mostre-se engajada com os tratamentos conservadores. A cirurgia não corrige os problemas subjacentes e você ainda precisará de bons hábitos conservadores após a cirurgia para manter o resultado.
Os tratamentos conservadores podem ser interpretados ​​como mudanças de estilo de vida (melhor nutrição e exercício mais moderado), mecânicos (DLM - Drenagem Linfática Manual, roupas de compressão e bombas de compressão) e suplementos / medicamentos.
Tratamentos que são baratos e fáceis de começar incluem respiração profunda e caminhada.
As sugestões de nutrição variam, mas são geralmente destinadas a comer menos alimentos inflamatórios. Reduzir calorias não reduz a gordura do lipedema, e há evidências crescentes que mostram que a redução de calorias incentiva seu corpo a armazenar mais gordura. Dietas Páleo, cetogênica, LCHF, RAD e anti-inflamatórias são algumas das dietas recomendadas. Um livro de nutrição bem pesquisado foi criado para pacientes com lipedema especificamente; Veja aqui. À medida que você considera diferentes planos de nutrição, faça suas pesquisas para ver o que normalmente acontece se você parar o plano.
As recomendações de exercícios são geralmente: caminhada, exercício na água de qualquer tipo (hidroginástica, natação), Pilates, ciclismo e yoga. Os objetivos são fazer com que o sistema linfático se mova, cuidar de suas articulações se você for hipermóvel e criar força para ajudar a combater o peso extra.
Muitas informações existem sobre tratamentos mecânicos, como MLD, roupas/botas de compressão e bombas. A informação é geralmente destinada a pacientes com linfedema, mas também são frequentemente aplicadas ao lipedema.

A maioria dos medicamentos diuréticos não ajudam a aliviar o inchaço do lipedema e podem causar complicações se usados por muito tempo. Alguns medicamentos para dor aumentam o inchaço, mais notavelmente os AINEs.  
 
Leia também:

Tags: lipedema Select ratingGive Lipedema: o resumo 1/5Give Lipedema: o resumo 2/5Give Lipedema: o resumo 3/5Give Lipedema: o resumo 4/5Give Lipedema: o resumo 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Lipedema: o resumo

vascular.pro - Fri, 01/11/2019 - 19:34

Sobre o lipedema

O lipedema é caracterizado pelo aumento do tecido adiposo nos membros, e esse tecido gordurosos pode ser doloroso. Existe uma ampla diferenciação nas características presentes. A dor pode ser constante, pode ir e vir, ou apenas ocorrer quando o tecido adiposo é pressionado. Pode ser muito leve ou grave. O mecanismo da sensação de dor não é compreendido pela medicina neste momento.
Além disso, muitas pessoas experimentam algum inchaço (edema não depressível).
Para simplificar bem o diagnóstico, procure por um "manguito", uma marca no tornozelo e no pulso e verifique se as mãos e os pés NÃO incham através do teste de Sinal de Stemmer (O chamado sinal de Stemmer é um sinal de diagnóstico confiável para reconhecer o linfedema. Experimente puxar uma prega da pele para cima (por exemplo, por cima de um dedo do pé). Se isso se mostrar difícil, ou mesmo impossível, estamos falando de um "sinal de Stemmer positivo").
A diferenciação entre doença venosa (exame de ultra-sonografia venosa), obesidade (examinar locais de depósito de gordura), linfedema (teste possível via linfocintilografia), lipedema e Doença de Dercum são importantes. 
O que fazer a respeito do lipedema.
Como o lipedema ainda não é bem compreendido, ninguém sabe ainda com certeza o que ajudará melhor as pessoas com lipedema. Os corpos de todos são diferentes e, no momento, não temos nenhuma fórmula única e mágica que funcione para todos. À medida que você for testando e acrescentando à sua vida diferentes tratamentos para ver o que funciona melhor, você deve começar cada terapia nova lentamente, uma de cada vez, para ver se isso ajuda.
NÃO MORRA DE FOME. Coma alimentos de melhor qualidade em uma quantidade saudável.
Não se concentre no peso, mas tente gerenciar o inchaço e o ganho de músculos para sustentar seu corpo e permaneça o mais ativo possível. É importante lembrar que existem algumas categorias de coisas que contribuem para o peso final que aparece na balança: alimentos no trato digestivo, músculo, gordura comum, gordura do lipedema e líquido. Pode ser difícil determinar quais estão mudando. Alimentos e líquidos são mais fáceis de influenciar, depois vem gordura regular, depois músculo, e depois a gordura do lipedema.
Os objetivos do tratamento são: reduzir a inflamação, administrar a dor, melhorar o fluxo linfático (reduzir o excesso de líquido), obter suporte emocional e ajudar seu corpo a lidar com o lipedema. 
Considerando que tratamentos testar, tenha em mente o que é "conservador", ou seja, o que não é cirúrgico, e o que é cirúrgico. Cirurgiões não operarão a menos que você estabeleça primeiro boas rotinas e mostre-se engajada com os tratamentos conservadores. A cirurgia não corrige os problemas subjacentes e você ainda precisará de bons hábitos conservadores após a cirurgia para manter o resultado.
Os tratamentos conservadores podem ser interpretados ​​como mudanças de estilo de vida (melhor nutrição e exercício mais moderado), mecânicos (DLM - Drenagem Linfática Manual, roupas de compressão e bombas de compressão) e suplementos / medicamentos.
Tratamentos que são baratos e fáceis de começar incluem respiração profunda e caminhada.
As sugestões de nutrição variam, mas são geralmente destinadas a comer menos alimentos inflamatórios. Reduzir calorias não reduz a gordura do lipedema, e há evidências crescentes que mostram que a redução de calorias incentiva seu corpo a armazenar mais gordura. Dietas Páleo, cetogênica, LCHF, RAD e anti-inflamatórias são algumas das dietas recomendadas. Um livro de nutrição bem pesquisado foi criado para pacientes com lipedema especificamente; Veja aqui. À medida que você considera diferentes planos de nutrição, faça suas pesquisas para ver o que normalmente acontece se você parar o plano.
As recomendações de exercícios são geralmente: caminhada, exercício na água de qualquer tipo (hidroginástica, natação), Pilates, ciclismo e yoga. Os objetivos são fazer com que o sistema linfático se mova, cuidar de suas articulações se você for hipermóvel e criar força para ajudar a combater o peso extra.
Muitas informações existem sobre tratamentos mecânicos, como MLD, roupas/botas de compressão e bombas. A informação é geralmente destinada a pacientes com linfedema, mas também são frequentemente aplicadas ao lipedema.

A maioria dos medicamentos diuréticos não ajudam a aliviar o inchaço do lipedema e podem causar complicações se usados por muito tempo. Alguns medicamentos para dor aumentam o inchaço, mais notavelmente os AINEs.  
 
Leia também:

Tags: lipedema Select ratingGive Lipedema: o resumo 1/5Give Lipedema: o resumo 2/5Give Lipedema: o resumo 3/5Give Lipedema: o resumo 4/5Give Lipedema: o resumo 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Lipedema

vascular.pro - Fri, 01/11/2019 - 19:28

Definição: lipedema (síndrome gordurosa dolorosa) é uma doença crônica que ocorre na maioria das vezes em mulheres. É caracterizada por ser bilateral, com excesso simétrico de tecido gorduroso principalmente nas pernas e tornozelos, combinado a uma tendência de inchaço que piora ao ficar de pé. O lipedema em homens é raro. Frequentemente o lipedema é confundido com o linfedema de membros inferiores ou simplesmente obesidade.

 

Etiologia

A etiologia do lipedema e outros tipos de deposição gordurosa ainda é desconhecido, embora suspeite-se de uma causa genética. Outras possíveis causas de lipedema incluem metabólico, inflamatório e envolvimento hormonal.

 

Sintomas

Sintomas variam de acordo com cada pessoa, e nem todas possuem todos os sintomas

  • Apresentação simétrica, envolvendo ambas as pernas 1
  • Dor em tecido mole no repouso, ao caminhar ou ao tocar. Hipersensibilidade ao toque.1
  • Acúmulo de gordura lipêmica da cintura até os joelhos ou tornozelos, as vezes com uma marca anelar acima do tornozelo, com os pés livres de acometimento2
  • Hiper mobilidade2
  • Coxins gordurosos acima, medial e abaixo dos joelhos e na região lateral alta de coxas1
  • Nodulos gordurosos ou coxins podem aumentar estresse na articulação causando marcha anormal e/ou dor aumentada nas articulações2
  • Problemas nos joelhos que podem levar a alteração da marcha1
  • Acúmulo de gordura lipedêmica nos braços, as vezes com grande quantidade de gordura pendurada quando braço está esticado, pesquisa mostra que entre 30 a 90% das pessoas com lipedema tem braços também afetados2
  • Acúmulo de gordura lipedemica nos braços, causando um efeito de “blusa” com um anel distinto de gordura acima do pulso2
  • Perda da elasticidade da pele1
  • Edema não depressível no inicio; posteriormente pode tornar-se lipo-linfema (estágio IV)1
  • Edema depressível pode ocorrer na ortostase prolongada e melhora ao elevar membros2
  • Dieta de restrição calórica tem pouco efeito na gordura lipedêmica1
  • Hematomas fáceis e frequentes1
  • Sinal de Stemmer negativo nos pés e mãos1
  • Temperatura diminuída nos membros3
  • Cansaço geral3
  • Sensibilidade à pressão3
  • Textura do membro é borrachosa3
  • O inicio dos sintomas ocorrem na puberdade, gravidez ou menopausa1
  • Aparecimento ou exacerbação pode ocorrer após cirurgia com anestesia geral3
  • Pés e mãos geralmente são poupados antes do estagio IV de lipo-linfedema1
  • Estagios iniciais: a parte superior do corpo pode permanecer delgada a medida que o corpo inferior aumenta e a gordura se acumula nos quadris, coxas e pernas1
  • Estagios tardios: gordura lipedemica também pode acumular no peito, torso, abdome e extremidades superiores3
  • Envolvimento linfático evidente nos estágios tardios2
  • Dor crônica e constrangimento pode levar a depressão e/ou transtornos alimentares2,3
  • Deterioração progressiva da mobilidade se não tratado1
  • Gordura torna-se fibrótica4
  • Baixa de vitamina D, ferro e/ou B124
  • Às vezes ocorrem bolsões de gordura/fluido abaixo do joelho3

 

1 – citado em vários trabalhos 2 – citado em alguns trabalhos 3 – respostas em pesquisas com pacientes 4 – relatos de caso

 

Estágios do lipedema

·      Estágio I

  • Pele é lisa/suave
  • O inchaço aumenta durante o dia e pode resolver com o descanso e elevação dos membros
  • Responde bem ao tratamento

·      Estágio II

  • Pele tem marcas “identações”, "celulite"
  • Lipomas podem ocorrer
  • Eczema e erisipelas podem estar presentes
  • Edema aumenta durante o dia, com melhora parcial após repouso e elevação dos membros
  • Pode responder bem ao tratamento

·      Estágio III

  • Tecido conectivo endurecido, fibroesclerose
  • Edema presente e consistente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

·      Estágio IV

  • Fibroesclerose, possivelmente elefantíase
  • Edema consistente presente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Tambem conhecido como Lipo-linfedema
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

Grupo de suporte no Facebook

 

Diagnóstico diferencial

 

Doença

Lipedema

Linfedema

Obesidade

Lipo-linfedema

Insuficiencia Venosa

Característica

Depositos de gordura, edema em pernas e braços, mas não em mãos e pés

Depósitos de gordura, edema em um membro incluindo pés e mãos

Deposito de gordura generalizado

Depósito de gordura, edema generalizado em pernas, braços e torso

Edema próximo do tornozelo, dermatite ocre, pouco edema

Sexo

F

M/F

M/F

F

M/F

Quando inicia

Durante mudanças hormonais (puberdade, gravidez, menopausa)

Após cirurgia que aferta o sistema linfático ou ao nascimento

Qualquer idade

Durante mudanças hormonais

Em torno do inicio da obesidade, diabetes, gravidez, hipertensão

Associação com dieta

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta e perda de peso são efetivas

Dieta com restrição calórica inefetiva

Sem relação com a ingestão calórica

Edema/Inchaço

Edema não depressível

Edema depressível

Sem edema

Muito edema, um pouco depressível, alguma fibrose

Frequentemente edema, mas também pode ocorrer sem edema nos estágios iniciais

Sinal típico no exame físico

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer positivo

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer negativo ou positivo

 

Dor?

Provavelmente dor nas áreas afetadas

Sem dor inicialmente

Sem dor

Dor em áreas afetadas

Provavelmente dor

Frequencia na população

Melhor estimativa é de 11% das mulheres adultas

Baixa

>30% dos norte americanos

Desconhecido

30% dos norte americanos

Celulite/Erisipela

Sem história de celulite

História possível de celulite ou erisipela

 

Provavelmente história de celulite

Frequente coceira e manchas na pelo confundidas com celulite

Genética/Hereditariedade

Provavelmente história famíliar

História familiar não provável a não ser que seja linfedema familiar

Provavelmente história famíliar

Provavelmente história famíliar de lipedema

Provavelmente história famíliar

 

Diferenciação entre lipedema e linfedema

Para se aprofundar na explanação do lipedema, é necessário comparar com o linfedema. Linfedema é frequentemente assimétrico e pode ser adquirido (secundário a cirurgia, trauma, infecção que danifica o sistema linfático) ou congênito (mudanças hereditárias o sistema linfático). A medida que o edema continua e se espalha das extremidades inferiores para outras partes do corpo, o edema é provavelmente causado pelo fluxo linfático lento e mudanças da estrutura linfática causada pela pressão no membro lipedematoso. Isso é conhecido como lipo-linfedema. Lipo-linfedema também pode ocorrer concomitantemente com insuficiência venosa crônica e outras doenças vasculares.

 

Diagnóstico

Atualmente, a melhor maneira de diagnosticas lipedema é com o exame físico e anamnese feitas por médico treinado. Alguns médicos estão familiarizados com a distinção entre lipedema, linfedema e obesidade. Após a palpação da gordura o médico pode sentir nódulos. Com o avanço da doença, os nódulos podem aumentar de tamanho e de número e podem formar sequencias de nódulos. Comunicação entre pacientes e médicos deve ser estimulada.

O teste sanguíneo definitivo para diagnostico de lipedema não existe, entretanto alguns médicos recomendam tratar doenças concomitantes que costumam agravar o quadro e sintomas do lipedema. Os testes são: dosagem hormonal tireoideana, marcadores inflamatórios, dosagem de vitamina B e D. Em alguns estágios da doença, pode ser possível ver evidência do lipedema ou lipo-linfedema pelo ultrassom Ressonância Magnética, linfografia e/ ou linfocintilografia. Entretanto, deve haver muito cuidado devido ao falso resultado NORMAL nas fases iniciais do lipedema. Algumas ferramentas diagnósticas podem ajudar o médico a definir o protocolo de tratamento.

Schmeller distingue lipedema de lipohipertrofia que pode se apresentar com forma corporal semelhante, mas sem edema ou dor. Ele postula que essa condição pode levar a outra e que pessoas podem mover de um estado a outro. Mais pesquisa se faz necessária para determinar se lipedema e lipohipertrofia são a mesma condição ou se são diferentes uma da outra.

 

Tratamento

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedemica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestão completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão.

Lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e esta ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consciente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a agua (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Austria para pacientes com lipedema. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

Lipedema é acompanhada as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. Cirurgia bariátrica não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

 

Pesquisas atuais

Embora seja uma doença reconhecida, tratada e pesquisada na Europa, é pouco pesquisada nos Estados Unidos. Entretanto um aumento no reconhecimento do lipedema como condição médica é visto também na literatura médica. O interesse sobre lipedema tem aumentado nos anos. Dado que 11% da população adulta feminina pode sofrer desta doença, é vital que mais pesquisas sem feitas.

O lipedema é classificado no CID-10 como E882 (lipomatose)

 

Sinônimos
  • Lipalgia
  • Lipofilia Membralis
  • Adipose dolorosa
  • Adiposalgia
  • Lipohipertrofia dolorosa
  • Lipedema
  • Lipödem
  • Lipoedema

 

Bibliografia

1)  Chen, S. G., Hsu, S. D., Chen, T. M., Wang, H. J. Painful fat syndrome in a male patient. Br J Plast Surg 2004; 57(3):282-286 2)  http://www.tillysmidt.nl/LIPEDEMA%20%20Englisch%20for%20Lipoedeem.htm,  3)  Todd, Marie, Lipoedema: presentation and management. Chronic Oedema, 2010; 10-16 4)  Schmeller W, Meier-Vollrath I, Chapter 7 Lipedema, http://www.hanse-klinik.com/englisch/Lipoedema.pdf  5)  Allen E V, Hines E A, Lipoedema of the legs. A syndrome characterized by fat legs and edema. Proc Staff. Meet. Mayo Clinic 1940; 15:184  6)  C to provide 7)  Fife CE, Maus EA, Carter MJ, 2010 Lipedema: A Frequently Misdiagnoed and Misunderstood Fatty Deposition Syndrome. ADV SKIN WOUND CARE 2010;23:81-92; quiz 93-4. reported "However, in an unpublished epidemiological study conducted in 2001, Foeldi and Foeldi [28] claimed that lipedema is present in 11% of the female population". [28] corresponds to "Foeldi E, Foeldi M. Lipedema. In: Foeldi M, Foeldi E, eds. Foeldi’s Textbook of Lymphology. 2nd ed. Munich, Germany: Elsevier; 2006:417-27. 8) Trayes KP, Studdiford JS, Pickle S, Tully AS  “Edema: Diagnosis and Management” Am Fam Physican 2013:88(2):102-110 http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23939641  9) Herbst, Karen L “Rare adipose disorders (RADs) masquerading as obesity” Acta Pharmacol Sin. 2012 Feb;33(2):155-72. doi: 10.1038/aps.2011.153. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22301856  10) van der Krabben, Tatjana "Lipedema got a ICD-10 code!" http://blog.lipese.com/2016/12/lipedema-got-icd-10-code.html?utm_source=... 11) Lipedema / Lipoedema / Lipödem http://fatdisorders.org/fat-disorders/lipedema-lipoedema-descriptionTags: linfáticalinfáticoedemalipedema Select ratingGive Lipedema 1/5Give Lipedema 2/5Give Lipedema 3/5Give Lipedema 4/5Give Lipedema 5/5 Average: 5 (6 votes)
Categories: Medicina

Lipedema

vascular.pro - Fri, 01/11/2019 - 19:28

Definição: lipedema (síndrome gordurosa dolorosa) é uma doença crônica que ocorre na maioria das vezes em mulheres. É caracterizada por ser bilateral, com excesso simétrico de tecido gorduroso principalmente nas pernas e tornozelos, combinado a uma tendência de inchaço que piora ao ficar de pé. O lipedema em homens é raro. Frequentemente o lipedema é confundido com o linfedema de membros inferiores ou simplesmente obesidade.

 

Etiologia

A etiologia do lipedema e outros tipos de deposição gordurosa ainda é desconhecido, embora suspeite-se de uma causa genética. Outras possíveis causas de lipedema incluem metabólico, inflamatório e envolvimento hormonal.

 

Sintomas

Sintomas variam de acordo com cada pessoa, e nem todas possuem todos os sintomas

  • Apresentação simétrica, envolvendo ambas as pernas 1
  • Dor em tecido mole no repouso, ao caminhar ou ao tocar. Hipersensibilidade ao toque.1
  • Acúmulo de gordura lipêmica da cintura até os joelhos ou tornozelos, as vezes com uma marca anelar acima do tornozelo, com os pés livres de acometimento2
  • Hiper mobilidade2
  • Coxins gordurosos acima, medial e abaixo dos joelhos e na região lateral alta de coxas1
  • Nodulos gordurosos ou coxins podem aumentar estresse na articulação causando marcha anormal e/ou dor aumentada nas articulações2
  • Problemas nos joelhos que podem levar a alteração da marcha1
  • Acúmulo de gordura lipedêmica nos braços, as vezes com grande quantidade de gordura pendurada quando braço está esticado, pesquisa mostra que entre 30 a 90% das pessoas com lipedema tem braços também afetados2
  • Acúmulo de gordura lipedemica nos braços, causando um efeito de “blusa” com um anel distinto de gordura acima do pulso2
  • Perda da elasticidade da pele1
  • Edema não depressível no inicio; posteriormente pode tornar-se lipo-linfema (estágio IV)1
  • Edema depressível pode ocorrer na ortostase prolongada e melhora ao elevar membros2
  • Dieta de restrição calórica tem pouco efeito na gordura lipedêmica1
  • Hematomas fáceis e frequentes1
  • Sinal de Stemmer negativo nos pés e mãos1
  • Temperatura diminuída nos membros3
  • Cansaço geral3
  • Sensibilidade à pressão3
  • Textura do membro é borrachosa3
  • O inicio dos sintomas ocorrem na puberdade, gravidez ou menopausa1
  • Aparecimento ou exacerbação pode ocorrer após cirurgia com anestesia geral3
  • Pés e mãos geralmente são poupados antes do estagio IV de lipo-linfedema1
  • Estagios iniciais: a parte superior do corpo pode permanecer delgada a medida que o corpo inferior aumenta e a gordura se acumula nos quadris, coxas e pernas1
  • Estagios tardios: gordura lipedemica também pode acumular no peito, torso, abdome e extremidades superiores3
  • Envolvimento linfático evidente nos estágios tardios2
  • Dor crônica e constrangimento pode levar a depressão e/ou transtornos alimentares2,3
  • Deterioração progressiva da mobilidade se não tratado1
  • Gordura torna-se fibrótica4
  • Baixa de vitamina D, ferro e/ou B124
  • Às vezes ocorrem bolsões de gordura/fluido abaixo do joelho3

 

1 – citado em vários trabalhos 2 – citado em alguns trabalhos 3 – respostas em pesquisas com pacientes 4 – relatos de caso

 

Estágios do lipedema

·      Estágio I

  • Pele é lisa/suave
  • O inchaço aumenta durante o dia e pode resolver com o descanso e elevação dos membros
  • Responde bem ao tratamento

·      Estágio II

  • Pele tem marcas “identações”, "celulite"
  • Lipomas podem ocorrer
  • Eczema e erisipelas podem estar presentes
  • Edema aumenta durante o dia, com melhora parcial após repouso e elevação dos membros
  • Pode responder bem ao tratamento

·      Estágio III

  • Tecido conectivo endurecido, fibroesclerose
  • Edema presente e consistente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

·      Estágio IV

  • Fibroesclerose, possivelmente elefantíase
  • Edema consistente presente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Tambem conhecido como Lipo-linfedema
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

 

Diagnóstico diferencial

 

Doença

Lipedema

Linfedema

Obesidade

Lipo-linfedema

Insuficiencia Venosa

Característica

Depositos de gordura, edema em pernas e braços, mas não em mãos e pés

Depósitos de gordura, edema em um membro incluindo pés e mãos

Deposito de gordura generalizado

Depósito de gordura, edema generalizado em pernas, braços e torso

Edema próximo do tornozelo, dermatite ocre, pouco edema

Sexo

F

M/F

M/F

F

M/F

Quando inicia

Durante mudanças hormonais (puberdade, gravidez, menopausa)

Após cirurgia que aferta o sistema linfático ou ao nascimento

Qualquer idade

Durante mudanças hormonais

Em torno do inicio da obesidade, diabetes, gravidez, hipertensão

Associação com dieta

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta e perda de peso são efetivas

Dieta com restrição calórica inefetiva

Sem relação com a ingestão calórica

Edema/Inchaço

Edema não depressível

Edema depressível

Sem edema

Muito edema, um pouco depressível, alguma fibrose

Frequentemente edema, mas também pode ocorrer sem edema nos estágios iniciais

Sinal típico no exame físico

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer positivo

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer negativo ou positivo

 

Dor?

Provavelmente dor nas áreas afetadas

Sem dor inicialmente

Sem dor

Dor em áreas afetadas

Provavelmente dor

Frequencia na população

Melhor estimativa é de 11% das mulheres adultas

Baixa

>30% dos norte americanos

Desconhecido

30% dos norte americanos

Celulite/Erisipela

Sem história de celulite

História possível de celulite ou erisipela

 

Provavelmente história de celulite

Frequente coceira e manchas na pelo confundidas com celulite

Genética/Hereditariedade

Provavelmente história famíliar

História familiar não provável a não ser que seja linfedema familiar

Provavelmente história famíliar

Provavelmente história famíliar de lipedema

Provavelmente história famíliar

 

Diferenciação entre lipedema e linfedema

Para se aprofundar na explanação do lipedema, é necessário comparar com o linfedema. Linfedema é frequentemente assimétrico e pode ser adquirido (secundário a cirurgia, trauma, infecção que danifica o sistema linfático) ou congênito (mudanças hereditárias o sistema linfático). A medida que o edema continua e se espalha das extremidades inferiores para outras partes do corpo, o edema é provavelmente causado pelo fluxo linfático lento e mudanças da estrutura linfática causada pela pressão no membro lipedematoso. Isso é conhecido como lipo-linfedema. Lipo-linfedema também pode ocorrer concomitantemente com insuficiência venosa crônica e outras doenças vasculares.

 

Diagnóstico

Atualmente, a melhor maneira de diagnosticas lipedema é com o exame físico e anamnese feitas por médico treinado. Alguns médicos estão familiarizados com a distinção entre lipedema, linfedema e obesidade. Após a palpação da gordura o médico pode sentir nódulos. Com o avanço da doença, os nódulos podem aumentar de tamanho e de número e podem formar sequencias de nódulos. Comunicação entre pacientes e médicos deve ser estimulada.

O teste sanguíneo definitivo para diagnostico de lipedema não existe, entretanto alguns médicos recomendam tratar doenças concomitantes que costumam agravar o quadro e sintomas do lipedema. Os testes são: dosagem hormonal tireoideana, marcadores inflamatórios, dosagem de vitamina B e D. Em alguns estágios da doença, pode ser possível ver evidência do lipedema ou lipo-linfedema pelo ultrassom Ressonância Magnética, linfografia e/ ou linfocintilografia. Entretanto, deve haver muito cuidado devido ao falso resultado NORMAL nas fases iniciais do lipedema. Algumas ferramentas diagnósticas podem ajudar o médico a definir o protocolo de tratamento.

Schmeller distingue lipedema de lipohipertrofia que pode se apresentar com forma corporal semelhante, mas sem edema ou dor. Ele postula que essa condição pode levar a outra e que pessoas podem mover de um estado a outro. Mais pesquisa se faz necessária para determinar se lipedema e lipohipertrofia são a mesma condição ou se são diferentes uma da outra.

 

Tratamento

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedemica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestão completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão.

Lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e esta ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consciente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a agua (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Austria para pacientes com lipedema. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

Lipedema é acompanhada as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. Cirurgia bariátrica não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

 

Pesquisas atuais

Embora seja uma doença reconhecida, tratada e pesquisada na Europa, é pouco pesquisada nos Estados Unidos. Entretanto um aumento no reconhecimento do lipedema como condição médica é visto também na literatura médica. O interesse sobre lipedema tem aumentado nos anos. Dado que 11% da população adulta feminina pode sofrer desta doença, é vital que mais pesquisas sem feitas.

O lipedema é classificado no CID-10 como E882 (lipomatose)

 

Sinônimos
  • Lipalgia
  • Lipofilia Membralis
  • Adipose dolorosa
  • Adiposalgia
  • Lipohipertrofia dolorosa
  • Lipedema
  • Lipödem
  • Lipoedema

 

Bibliografia

1)  Chen, S. G., Hsu, S. D., Chen, T. M., Wang, H. J. Painful fat syndrome in a male patient. Br J Plast Surg 2004; 57(3):282-286 2)  http://www.tillysmidt.nl/LIPEDEMA%20%20Englisch%20for%20Lipoedeem.htm,  3)  Todd, Marie, Lipoedema: presentation and management. Chronic Oedema, 2010; 10-16 4)  Schmeller W, Meier-Vollrath I, Chapter 7 Lipedema, http://www.hanse-klinik.com/englisch/Lipoedema.pdf  5)  Allen E V, Hines E A, Lipoedema of the legs. A syndrome characterized by fat legs and edema. Proc Staff. Meet. Mayo Clinic 1940; 15:184  6)  C to provide 7)  Fife CE, Maus EA, Carter MJ, 2010 Lipedema: A Frequently Misdiagnoed and Misunderstood Fatty Deposition Syndrome. ADV SKIN WOUND CARE 2010;23:81-92; quiz 93-4. reported "However, in an unpublished epidemiological study conducted in 2001, Foeldi and Foeldi [28] claimed that lipedema is present in 11% of the female population". [28] corresponds to "Foeldi E, Foeldi M. Lipedema. In: Foeldi M, Foeldi E, eds. Foeldi’s Textbook of Lymphology. 2nd ed. Munich, Germany: Elsevier; 2006:417-27. 8) Trayes KP, Studdiford JS, Pickle S, Tully AS  “Edema: Diagnosis and Management” Am Fam Physican 2013:88(2):102-110 http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23939641  9) Herbst, Karen L “Rare adipose disorders (RADs) masquerading as obesity” Acta Pharmacol Sin. 2012 Feb;33(2):155-72. doi: 10.1038/aps.2011.153. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22301856  10) van der Krabben, Tatjana "Lipedema got a ICD-10 code!" http://blog.lipese.com/2016/12/lipedema-got-icd-10-code.html?utm_source=... 11) Lipedema / Lipoedema / Lipödem http://fatdisorders.org/fat-disorders/lipedema-lipoedema-description Tags: linfáticalinfáticoedemalipedema Select ratingGive Lipedema 1/5Give Lipedema 2/5Give Lipedema 3/5Give Lipedema 4/5Give Lipedema 5/5 Average: 5 (5 votes)
Categories: Medicina

Lipedema

vascular.pro - Fri, 01/11/2019 - 19:28

Definição: lipedema (síndrome gordurosa dolorosa) é uma doença crônica que ocorre na maioria das vezes em mulheres. É caracterizada por ser bilateral, com excesso simétrico de tecido gorduroso principalmente nas pernas e tornozelos, combinado a uma tendência de inchaço que piora ao ficar de pé. O lipedema em homens é raro. Frequentemente o lipedema é confundido com o linfedema de membros inferiores ou simplesmente obesidade.

 

Etiologia

A etiologia do lipedema e outros tipos de deposição gordurosa ainda é desconhecido, embora suspeite-se de uma causa genética. Outras possíveis causas de lipedema incluem metabólico, inflamatório e envolvimento hormonal.

 

Sintomas

Sintomas variam de acordo com cada pessoa, e nem todas possuem todos os sintomas

  • Apresentação simétrica, envolvendo ambas as pernas 1
  • Dor em tecido mole no repouso, ao caminhar ou ao tocar. Hipersensibilidade ao toque.1
  • Acúmulo de gordura lipêmica da cintura até os joelhos ou tornozelos, as vezes com uma marca anelar acima do tornozelo, com os pés livres de acometimento2
  • Hiper mobilidade2
  • Coxins gordurosos acima, medial e abaixo dos joelhos e na região lateral alta de coxas1
  • Nodulos gordurosos ou coxins podem aumentar estresse na articulação causando marcha anormal e/ou dor aumentada nas articulações2
  • Problemas nos joelhos que podem levar a alteração da marcha1
  • Acúmulo de gordura lipedêmica nos braços, as vezes com grande quantidade de gordura pendurada quando braço está esticado, pesquisa mostra que entre 30 a 90% das pessoas com lipedema tem braços também afetados2
  • Acúmulo de gordura lipedemica nos braços, causando um efeito de “blusa” com um anel distinto de gordura acima do pulso2
  • Perda da elasticidade da pele1
  • Edema não depressível no inicio; posteriormente pode tornar-se lipo-linfema (estágio IV)1
  • Edema depressível pode ocorrer na ortostase prolongada e melhora ao elevar membros2
  • Dieta de restrição calórica tem pouco efeito na gordura lipedêmica1
  • Hematomas fáceis e frequentes1
  • Sinal de Stemmer negativo nos pés e mãos1
  • Temperatura diminuída nos membros3
  • Cansaço geral3
  • Sensibilidade à pressão3
  • Textura do membro é borrachosa3
  • O inicio dos sintomas ocorrem na puberdade, gravidez ou menopausa1
  • Aparecimento ou exacerbação pode ocorrer após cirurgia com anestesia geral3
  • Pés e mãos geralmente são poupados antes do estagio IV de lipo-linfedema1
  • Estagios iniciais: a parte superior do corpo pode permanecer delgada a medida que o corpo inferior aumenta e a gordura se acumula nos quadris, coxas e pernas1
  • Estagios tardios: gordura lipedemica também pode acumular no peito, torso, abdome e extremidades superiores3
  • Envolvimento linfático evidente nos estágios tardios2
  • Dor crônica e constrangimento pode levar a depressão e/ou transtornos alimentares2,3
  • Deterioração progressiva da mobilidade se não tratado1
  • Gordura torna-se fibrótica4
  • Baixa de vitamina D, ferro e/ou B124
  • Às vezes ocorrem bolsões de gordura/fluido abaixo do joelho3

 

1 – citado em vários trabalhos 2 – citado em alguns trabalhos 3 – respostas em pesquisas com pacientes 4 – relatos de caso

 

Estágios do lipedema

·      Estágio I

  • Pele é lisa/suave
  • O inchaço aumenta durante o dia e pode resolver com o descanso e elevação dos membros
  • Responde bem ao tratamento

·      Estágio II

  • Pele tem marcas “identações”, "celulite"
  • Lipomas podem ocorrer
  • Eczema e erisipelas podem estar presentes
  • Edema aumenta durante o dia, com melhora parcial após repouso e elevação dos membros
  • Pode responder bem ao tratamento

·      Estágio III

  • Tecido conectivo endurecido, fibroesclerose
  • Edema presente e consistente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

·      Estágio IV

  • Fibroesclerose, possivelmente elefantíase
  • Edema consistente presente
  • Grandes áreas e massas de pele e gordura que se sobrepõe
  • Tambem conhecido como Lipo-linfedema
  • Menos responsivo a algumas modalidades de tratamento

 

Diagnóstico diferencial

 

Doença

Lipedema

Linfedema

Obesidade

Lipo-linfedema

Insuficiencia Venosa

Característica

Depositos de gordura, edema em pernas e braços, mas não em mãos e pés

Depósitos de gordura, edema em um membro incluindo pés e mãos

Deposito de gordura generalizado

Depósito de gordura, edema generalizado em pernas, braços e torso

Edema próximo do tornozelo, dermatite ocre, pouco edema

Sexo

F

M/F

M/F

F

M/F

Quando inicia

Durante mudanças hormonais (puberdade, gravidez, menopausa)

Após cirurgia que aferta o sistema linfático ou ao nascimento

Qualquer idade

Durante mudanças hormonais

Em torno do inicio da obesidade, diabetes, gravidez, hipertensão

Associação com dieta

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta com restrição calórica inefetiva

Dieta e perda de peso são efetivas

Dieta com restrição calórica inefetiva

Sem relação com a ingestão calórica

Edema/Inchaço

Edema não depressível

Edema depressível

Sem edema

Muito edema, um pouco depressível, alguma fibrose

Frequentemente edema, mas também pode ocorrer sem edema nos estágios iniciais

Sinal típico no exame físico

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer positivo

Sinal de Stemmer negativo

Sinal de Stemmer negativo ou positivo

 

Dor?

Provavelmente dor nas áreas afetadas

Sem dor inicialmente

Sem dor

Dor em áreas afetadas

Provavelmente dor

Frequencia na população

Melhor estimativa é de 11% das mulheres adultas

Baixa

>30% dos norte americanos

Desconhecido

30% dos norte americanos

Celulite/Erisipela

Sem história de celulite

História possível de celulite ou erisipela

 

Provavelmente história de celulite

Frequente coceira e manchas na pelo confundidas com celulite

Genética/Hereditariedade

Provavelmente história famíliar

História familiar não provável a não ser que seja linfedema familiar

Provavelmente história famíliar

Provavelmente história famíliar de lipedema

Provavelmente história famíliar

 

Diferenciação entre lipedema e linfedema

Para se aprofundar na explanação do lipedema, é necessário comparar com o linfedema. Linfedema é frequentemente assimétrico e pode ser adquirido (secundário a cirurgia, trauma, infecção que danifica o sistema linfático) ou congênito (mudanças hereditárias o sistema linfático). A medida que o edema continua e se espalha das extremidades inferiores para outras partes do corpo, o edema é provavelmente causado pelo fluxo linfático lento e mudanças da estrutura linfática causada pela pressão no membro lipedematoso. Isso é conhecido como lipo-linfedema. Lipo-linfedema também pode ocorrer concomitantemente com insuficiência venosa crônica e outras doenças vasculares.

 

Diagnóstico

Atualmente, a melhor maneira de diagnosticas lipedema é com o exame físico e anamnese feitas por médico treinado. Alguns médicos estão familiarizados com a distinção entre lipedema, linfedema e obesidade. Após a palpação da gordura o médico pode sentir nódulos. Com o avanço da doença, os nódulos podem aumentar de tamanho e de número e podem formar sequencias de nódulos. Comunicação entre pacientes e médicos deve ser estimulada.

O teste sanguíneo definitivo para diagnostico de lipedema não existe, entretanto alguns médicos recomendam tratar doenças concomitantes que costumam agravar o quadro e sintomas do lipedema. Os testes são: dosagem hormonal tireoideana, marcadores inflamatórios, dosagem de vitamina B e D. Em alguns estágios da doença, pode ser possível ver evidência do lipedema ou lipo-linfedema pelo ultrassom Ressonância Magnética, linfografia e/ ou linfocintilografia. Entretanto, deve haver muito cuidado devido ao falso resultado NORMAL nas fases iniciais do lipedema. Algumas ferramentas diagnósticas podem ajudar o médico a definir o protocolo de tratamento.

Schmeller distingue lipedema de lipohipertrofia que pode se apresentar com forma corporal semelhante, mas sem edema ou dor. Ele postula que essa condição pode levar a outra e que pessoas podem mover de um estado a outro. Mais pesquisa se faz necessária para determinar se lipedema e lipohipertrofia são a mesma condição ou se são diferentes uma da outra.

 

Tratamento

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedemica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestão completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão.

Lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e esta ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consciente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a agua (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Austria para pacientes com lipedema. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

Lipedema é acompanhada as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. Cirurgia bariátrica não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

 

Pesquisas atuais

Embora seja uma doença reconhecida, tratada e pesquisada na Europa, é pouco pesquisada nos Estados Unidos. Entretanto um aumento no reconhecimento do lipedema como condição médica é visto também na literatura médica. O interesse sobre lipedema tem aumentado nos anos. Dado que 11% da população adulta feminina pode sofrer desta doença, é vital que mais pesquisas sem feitas.

O lipedema é classificado no CID-10 como E882 (lipomatose)

 

Sinônimos
  • Lipalgia
  • Lipofilia Membralis
  • Adipose dolorosa
  • Adiposalgia
  • Lipohipertrofia dolorosa
  • Lipedema
  • Lipödem
  • Lipoedema

 

Bibliografia

1)  Chen, S. G., Hsu, S. D., Chen, T. M., Wang, H. J. Painful fat syndrome in a male patient. Br J Plast Surg 2004; 57(3):282-286 2)  http://www.tillysmidt.nl/LIPEDEMA%20%20Englisch%20for%20Lipoedeem.htm,  3)  Todd, Marie, Lipoedema: presentation and management. Chronic Oedema, 2010; 10-16 4)  Schmeller W, Meier-Vollrath I, Chapter 7 Lipedema, http://www.hanse-klinik.com/englisch/Lipoedema.pdf  5)  Allen E V, Hines E A, Lipoedema of the legs. A syndrome characterized by fat legs and edema. Proc Staff. Meet. Mayo Clinic 1940; 15:184  6)  C to provide 7)  Fife CE, Maus EA, Carter MJ, 2010 Lipedema: A Frequently Misdiagnoed and Misunderstood Fatty Deposition Syndrome. ADV SKIN WOUND CARE 2010;23:81-92; quiz 93-4. reported "However, in an unpublished epidemiological study conducted in 2001, Foeldi and Foeldi [28] claimed that lipedema is present in 11% of the female population". [28] corresponds to "Foeldi E, Foeldi M. Lipedema. In: Foeldi M, Foeldi E, eds. Foeldi’s Textbook of Lymphology. 2nd ed. Munich, Germany: Elsevier; 2006:417-27. 8) Trayes KP, Studdiford JS, Pickle S, Tully AS  “Edema: Diagnosis and Management” Am Fam Physican 2013:88(2):102-110 http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23939641  9) Herbst, Karen L “Rare adipose disorders (RADs) masquerading as obesity” Acta Pharmacol Sin. 2012 Feb;33(2):155-72. doi: 10.1038/aps.2011.153. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22301856  10) van der Krabben, Tatjana "Lipedema got a ICD-10 code!" http://blog.lipese.com/2016/12/lipedema-got-icd-10-code.html?utm_source=... 11) Lipedema / Lipoedema / Lipödem http://fatdisorders.org/fat-disorders/lipedema-lipoedema-description Tags: linfáticalinfáticoedemalipedema Select ratingGive Lipedema 1/5Give Lipedema 2/5Give Lipedema 3/5Give Lipedema 4/5Give Lipedema 5/5 Average: 5 (5 votes)
Categories: Medicina

Pages

Subscribe to Orientação Médica - Perder Peso aggregator - Medicina