Medicina

Sistema Linfático: responsável pela linfa

vascular.pro - Sun, 07/14/2019 - 18:08

Doenças do Sistema Linfático:
Existem várias doenças do sistema linfático. A mais prevalente na prática diária do cirurgião vascular é a Erisipela. Mas também fazem parte os linfedemas.
Não confundir linfedema com lipedema, entidade clinica que se diferencia por ser uma doença crônica que ocorre na maioria das vezes em mulheres, caracterizada por ser bilateral, com excesso simétrico de tecido gorduroso principalmente nas pernas e tornozelos, combinado a uma tendência de inchaço que piora ao ficar de pé, muitas vezes associado a dor.
 

  • O sistema linfático é via acessória que transporta os fluidos do interstício novamente para o sangue.
  • Realiza o transporte de proteínas e partículas que não podem ser reabsorvidas pelos capilares venosos
  •  Filtração;
  • Função Imunológica (linfócitos, monócitos e plasmócitos); - Quebra de macromoléculas. 
  • 10% do filtrado retorna pelo sistema linfático em forma de Linfa; 
  • 2 - 3 litros/dia; 
  • LINFA é formada a partir dos produtos do filtrado do capilar arterial e pelos produtos do metabolismo das células e do interstício. 

Nos vasos linfáticos = Linfa;

No espaço intersticial = líquido intersticial. 

 

Tags: linfáticosistemadoenças Select ratingGive Sistema Linfático: responsável pela linfa 1/5Give Sistema Linfático: responsável pela linfa 2/5Give Sistema Linfático: responsável pela linfa 3/5Give Sistema Linfático: responsável pela linfa 4/5Give Sistema Linfático: responsável pela linfa 5/5 Average: 2.8 (5 votes)
Categories: Medicina

Respiração profunda

vascular.pro - Sun, 07/14/2019 - 14:36

Muitas pacientes relatam uma melhora no fluxo linfático apenas por meio do padrão respiratório. E acontece que elas estão certas. Respirar de maneira a causar uma expansão profunda e a contração do diafragma estimula o sistema linfático, massageia os órgãos internos, estimula o corpo a se livrar das toxinas e reduz o estresse. Este último é particularmente importante para pacientes com desordens relacionadas à gordura (lipedema, Dercum), já que o estresse pode ser um gatilho para esses sintomas.

Incorporar exercícios que se concentram na respiração, como Tai Chi, Yoga (linfática) e Pilates pode ser especialmente eficaz para aqueles pacientes que sofrem de uma doença relacionada à gordura.

A FDRS tem um vídeo sobre respiração profunda em seu canal no YouTube, "Deep Breathing Demonstration #FDRS2016", veja:

Tags: lipedemadica Select ratingGive Respiração profunda 1/5Give Respiração profunda 2/5Give Respiração profunda 3/5Give Respiração profunda 4/5Give Respiração profunda 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Lipoaspiração no lipedema

vascular.pro - Sun, 07/14/2019 - 14:17

O primeiro passo para administrar seu lipedema deve ser sempre realizar terapias conservadoras, incluindo: compressão, um plano de alimentação saudável, dieta antiinflamatória, pobre em carboidratos processados ​​e açúcares refinados, exercício físico, respiração profundaDrenagem Linfática, carboxiterapia, suporte emocional, suplementos, medicamentos e escovação a seco. Para atingir os melhores resultados, é necessário acompanhamento com médico especialista em Lipedema/Dercum. No entanto, a lipoaspiração pode ser necessária se você estiver com dor importante, tiver mobilidade e/ou marcha alterada ou sentir tensão em qualquer articulação, como o joelho. Tenha em mente que a lipoaspiração é uma cirurgia, portanto, há riscos envolvidos, incluindo dor pós-operatória, sangramento e infecção.

Lipoaspiração para lipedema não é um procedimento estético. De fato, devido a problemas potenciais de retração da pele, os resultados estéticos podem não ser significativos. Mas a lipoaspiração pode oferecer alívio da dor para os pacientes com lipedema e doença de Dercum. No entanto, isso deve ser feito de uma forma que cause o menor dano possível ao sistema linfático. Nossa equipe é experiente em lipoaspiração para tratamento de distúrbios relacionados à gordura.

Ninguém sabe por que a lipoaspiração funciona para aliviar a dor, já que a massa total removida pode ser bem pequena. Embora a lipoaspiração não seja para perda de peso, alguns especialistas acreditam que o procedimento altera o processamento metabólico, o que faz com que alguns pacientes tenham perda de peso durante os primeiros 18 meses após a cirurgia.

Quase todos os procedimentos de lipoaspiração usam o que é chamado de técnica tumescente para minimizar hematomas, perda de sangue e proteger os vasos linfáticos. Durante a lipoaspiração, o cirurgião satura o tecido com líquido tumescente e anestesia antes de aspirar a gordura.

Muitas técnicas diferentes podem ser usadas durante um procedimento de lipoaspiração. Cada uma tem benefícios e riscos. Lipoaspiração assistida por jato de água, lipoaspiração assistida por ultrassom, lipoaspiração vascular (uma forma de lipoaspiração assistida por ultrassom), lipoaspiração assistida por computador e lipoaspiração assistida por laser são tipos diferentes de dispositivos usados ​​para formar lipoaspiração. O mais importante não é o dispositivo em si, mas sim quem é o cirurgião, como ele é treinado, sua experiência com lipedema e seus resultados.

Durante a sua consulta, faça as seguintes perguntas:

  • Eu sou um bom candidato para lipoaspiração para lipedema/Dercum?
  • Como você define um procedimento bem-sucedido - reduz os resultados estéticos, retardando a progressão da doença?
Tags: lipoaspiraçãolipedemacirurgiavascular Select ratingGive Lipoaspiração no lipedema 1/5Give Lipoaspiração no lipedema 2/5Give Lipoaspiração no lipedema 3/5Give Lipoaspiração no lipedema 4/5Give Lipoaspiração no lipedema 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Ovário policístico e infertilidade. Causa de dificuldade para engravidar

Ovário policístico e infertilidade

Ovário policístico e infertilidade

Dra Juliana Amato, ginecologista e obstetra do Instituto Amato fala sobre um problem muito comum, o ovário policístico e sua associação com a infertilidade, ou seja, a dificuldade de engravidar e ter bebês.

-- transtrição --

Hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre ovário policístico infertilidade e o que é o ovário policístico. Ela é uma síndrome e essa síndrome ela é causada por alterações hormonais e caracterizada por alterações no ciclo menstrual. Então ou pára-se de menstruar (não tem a menstruação) ou essa mensuração é bem regular: a cada 50 dias a cada dois meses está associado também com alterações de pele como acne e aumenta muito o risco cardiovascular, aumenta o risco de diabetes e hipertensão. Mais para frente na sua vida. Então é uma síndrome que deve ser tratada, causa infertilidade porque não tendo esse ciclo regulares não tem ovulação então fica muito difícil de engravidar. A prevalência é de 10 a 15% na população. A gente faz o diagnóstico mais nas adolescentes mas ocorre muito de fazer o diagnóstico já com 20-30 anos de idade. O importante é tratar antes de querer engravidar porque existe o tratamento que diminui essa resistência à insulina e com isso, com a perda de peso, com essa diminuição da resistência da insulina a pessoa  começa a menstruar novamente e ela começa a ovular e pode ter até uma gravidez natural. Mas se não tratada fica mais difícil como é feito o diagnóstico da síndrome da síndrome do ovário policístico? Ela é feita através do ultrassom transvaginal onde vai ver a presença de vários folículos característica de anel de conta na periferia desses ovários e também por alterações hormonais e de insulina. O tratamento do ovário policístico ele consiste em tratamento hormonal através de anticoncepcionais ou através de tratamentos que diminuem essa resistência à insulina. Porém a melhor pessoa que vai indicar esse tratamento é o seu médico, de acordo com o grau dos seus sintomas no caso de pacientes que estão tentando engravidar como se faz o tratamento desse ovário policístico? Normalmente a gente tenta se tratar um pouco antes mas dependendo da idade da paciente a gente já parte para uma tentativa de gravidez que pode ser: Se a causa fosse somente o ovário policístico não tiver nenhuma causa associada tanto a masculina quanto outra causa feminina de infertilidade. Podemos fazer uma indução da ovulação com coito programado ou uma inseminação intrauterina. Se você gostou desse vídeo e se inscreva no nosso canal dê o seu lá e deixe seu comentário e ative esse sininho de notificação para ver mais videos. Obrigada. 

amatotvvídeoovário poliocísticoinfertilidade
Categories: Medicina

Endometriose e infertilidade. Dificuldade de engravidar.

Endometriose e infertilidade

Endometriose e infertilidade

Dra Juliana Amato, ginecologista e obstetra do Instituto Amato fala sobre a doença comum endometriose e como ela afeta a reprodução humana com infertilidade e dificuldade de engravidar.

--transcrição--

Meu nome é Juliana Amato eu sou ginecologista e obstetra e hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre a endometriose e infertilidade. Como nós estamos em  junho, junho é o mês da conscientização da endometriose e o que é endometriose. A endometriose é uma doença caracterizada pela presença do tecido do endométrio tecido que reveste o útero por dentro fora da cavidade. O que ocorre é que esse tecido ele passa pela trompa. Ele tem uma regurgitação pelas trompas e ele vai se fixando em locais fora do útero como cavidade abdominal como intestino bexiga. Isso vai causando uma série de processos inflamatórios contínuos dentro dessa cavidade abdominal e esse processo inflamatório  pode causar aderência. Essas aderência podem comprometer a trompa e com isso a dificuldade para engravidar.  A endometriose tem uma prevalência de 10 a 15% na população em geral. Como que a gente sabe que a gente tem endometriose? O principal sintoma da endometriose é a dor! Como é caracterizada essa dor? É uma dor intensa uma dor contínua e uma dor que parece uma cólica. Ela pode estar localizada em baixo ventre. Ela pode ser uma dor mais peri-anal. Pode acontecer após relação sexual e após a evacuação. É muito importante lembrar que a endometriose em uma porcentagem pequena das mulheres pode não causar nenhum sintoma de dor. Mas isso não quer dizer que ela não possa ter a doença. Então é importante passar no seu ginecologista e falar sobre esses sintomas e fazer seus exames de rotina. O diagnóstico da endometriose  é realizado através do exame físico do médico, da história da paciente e de exames laboratoriais. Tem que ser exames bem específicos e realizados por radiologistas experientes em endometriose. Porque muitas vezes numa ressonância magnética ou um transvaginal normal. Essa endometriose não é detectada tem que haver um preparo especial para a realização desses exames e tem que ser avaliado com uma pessoa experiente em endometriose. Qual é o tratamento da endometriose? A endometriose pode ser tratada através de hormônios que impedem a evolução da doença ou por cirurgia mas muitas vezes essa cirurgia não é indicada ela é muito controversa depende muito do grau dessa endometriose. Essa endometriose profunda vai precisar realmente de uma cirurgia mas se é uma endometriose leve a medicação já mantém estável essa evolução da endometriose. Importante lembrar que não tem cura é uma doença evolutiva mas que tem um tratamento que mantém essa doença estável. Se você gostou do nosso vídeo se inscreva no canal de seu like, deixa seu comentário e ative a Sininho de notificação para receber mais videos. 

endometrioseamatotvvídeoinfertilidade
Categories: Medicina

Aborto recorrente e tardio: exames e tratamento de casais

Aborto recorrente

Aborto recorrente e tardio: exames e tratamento de casais

Sofrer um aborto pode ser muito angustiante. Ter vários abortos ou um aborto tardio pode ser devastador. Esta página é para você que teve três ou mais abortos precoces ou um ou mais abortos tardios.

Vamos falar sobre

  • o que sabemos sobre as razões do aborto recorrente e aborto tardio
  • recomendações para exames e tratamento para casais nesta situação.

Assim você pode se ajudar e a sua equipe de saúde pode tomar as melhores decisões sobre seus cuidados. Não substitui o aconselhamento de um médico.

O que é um aborto?

Se você perder um bebê antes das 24 semanas de gravidez, isso é chamado de aborto espontâneo. Se isso acontecer nos primeiros 3 meses da gravidez, é conhecido como um aborto precoce. Infelizmente, os abortos precoces são comuns, ocorrendo em cerca de 10 a 20 em cada 100 gestações (10-20%).

Abortos tardios, que ocorrem depois de 3 meses de gravidez, mas antes de 24 semanas, são menos comuns: 1 a 2 em cada 100 (1-2%) gestações culminam em aborto tardio.

O que é um aborto recorrente?

Quando um aborto espontâneo acontece três ou mais vezes seguidas, é chamado de aborto espontâneo recorrente. O aborto recorrente afeta 1 em cada 100 (1%) casais tentando ter um bebê.

Por que o aborto recorrente e o aborto tardio acontecem?

Às vezes, há uma causa encontrada para o aborto recorrente e tardio. Em outros casos, não há problema subjacente que possa ser descoberto. A maioria dos casais provavelmente terá uma gravidez bem sucedida no futuro, particularmente se os resultados dos exames e acompanhamento com médico estejam normais.

Há uma série de fatores que podem desempenhar um papel na causa do aborto recorrente e tardio:

  • Idade

Quanto mais idade, maior o risco de ter um aborto espontâneo. Se a mulher tem mais de 40 anos, mais de 1 em cada 2 gestações terminam em um aborto espontâneo. Abortos espontâneos também podem ser mais comuns se o pai for mais velho.

  • Síndrome antifosfolípide (APS)

APS (uma síndrome que torna o seu sangue mais provável coagular) é incomum, mas é uma causa de aborto recorrente e aborto tardio.

  • Trombofilia

Trombofilia (uma condição hereditária - genética ou não - que significa que seu sangue está mais sujeito a coagular) pode causar aborto recorrente e, em particular, abortos tardios.

  • Fatores genéticos

Em aproximadamente 2 a 5 em cada 100 casais (2-5%) com aborto recorrente, um dos parceiro terá uma anormalidade em um dos seus cromossomos (estruturas genéticas dentro de nossas células que contêm o nosso DNA e as características que herdamos de nossos pais). Embora essa alteração possa não afetar o pai, às vezes pode causar um aborto.

  • Colo do útero fraco (insuficiência/imcompetência do colo uterino)

Fraqueza do colo do útero é conhecida por ser uma das causas de aborto entre 14 e 23 semanas de gravidez. Isto pode ser difícil de diagnosticar quando você não está grávida. Pode ser uma suspeita se em uma gestação anterior sua bolsa rompeu cedo, ou se o colo do útero abriu sem qualquer dor.

  • Problemas de desenvolvimento do bebê

Algumas anomalias do bebê podem levar a um aborto, mas é improvável que seja a causa de aborto espontâneo recorrente.

  • Infecção

Qualquer infecção que te fez muito mal pode provocar um aborto. Infecções mais leves que afetam o bebê também podem provocar um aborto. Desconhece-se o papel das infecções no aborto recorrente.

  • Forma do útero

Não é claro quanto um útero de forma anormal contribui para o aborto recorrente ou abortos tardios. No entanto, pequenas variações não parecem provocar aborto.

  • Problemas de tiroide e diabetes

Diabetes ou distúrbios da tireoide podem ser fatores dos abortos. Eles não causam aborto recorrente, enquanto são tratados e mantidos sob controle.

  • Fatores imunológicos

Tem sido sugerido que algumas mulheres abortam porque seu sistema imunológico não responde ao bebê da forma habitual. Isso é conhecido como uma reação auto-imune. Não há nenhuma evidência para apoiar essa teoria no momento. Pesquisa adicional é necessária.

Existem outros fatores de risco?

Excesso de peso aumenta o risco de aborto. Fumar e tomar muita cafeína também podem aumentar o risco. Excesso de álcool é conhecido por ser prejudicial para um bebê em desenvolvimento e beber cinco ou mais unidades por semana pode aumentar o risco de aborto.

A chance de mais um aborto aumenta ligeiramente com cada aborto. As mulheres com três abortos consecutivos têm uma chance de 4 em cada 10 de ter outro. Isto significa que 6 em cada 10 mulheres (60%) nesta situação vão ter um bebê na próxima vez.

Por que as investigações são úteis?

Descobrir se há uma causa para seu aborto recorrente ou aborto tardio é importante, pois assim seu médico será capaz de lhe dar uma ideia sobre a sua probabilidade de ter uma gravidez bem sucedida. Em um pequeno número de casos pode haver tratamento disponível para ajudá-la.

Que investigações/exames podem ser feitos?

Exames de sangue:

  • Para APS. APS é diagnosticada se der positivo em duas ocasiões com 12 semanas de intervalo, antes de você engravidar novamente.
  • Para trombofilia. Se você teve um aborto tardio, você pode fazer exames de sangue para certas trombofilias hereditárias.
  • Para checar os seus cromossomos e do seu parceiro para anormalidades. Você pode ser fazer este exame se seu bebê tiver demonstrado ter cromossomos anormais.

Exames para anomalias no bebê

Você pode precisar fazer exames para verificar se há anormalidades nos cromossomos de seu bebê. Isto não é sempre possível, mas pode ajudar a determinar a sua chance de abortar novamente.

Se você teve um aborto tardio, também pode ser indicado um exame pós-morte do seu bebê. Isto não acontecerá sem o seu consentimento, e você terá a oportunidade de discutir isso de antemão com sua equipe de saúde.

Exames para anormalidades na forma do seu útero.

Uma ultra-sonografia pélvica para verificar se há qualquer anormalidade na forma do seu útero. Se houver suspeita de uma anormalidade, outras investigações podem incluir uma histeroscopia (um procedimento para examinar o útero através de uma pequena câmera que é passada através da vagina e do colo do útero) ou uma laparoscopia (um procedimento no qual um cirurgião usa uma câmera bem fina para olhar dentro do abdômen e da pelve).

Exames para infecção

Se você já teve um aborto tardio, exames como amostras de sangue e papanicolau podem ser colhidos no momento para procurar por qualquer fonte de infecção.

Quais são minhas opções de tratamento?

Tratamento para APS

Se você tem APS e teve aborto irregular recorrente ou um aborto tardio, o tratamento com comprimidos de aspirina em baixa dose e injeções de heparina na gravidez podem aumentar sua chance de ter um bebê, desde que não tenha contra-indicações. Aspirina e heparina tornam o seu sangue menos provável de coagular e são seguras para tomar durante a gravidez.

Ter APS significa que você está com risco aumentado de complicações durante a gravidez, como pré-eclâmpsia, problemas com o crescimento do seu bebê e parto prematuro. Você deve ser monitorada cuidadosamente para que possa ser receber tratamento para quaisquer problemas que possam surgir.

Tratamento para trombofilia

Se você tem uma tendência genética de hipercoagulação do sangue (trombofilia) e teve um aborto espontâneo entre 12 e 24 semanas de gravidez, pode ser necessário receber tratamento com heparina.

Neste momento não há evidências suficientes para dizer se a heparina irá reduzir suas chances de aborto espontâneo, se você teve abortos precoces (até 12 semanas de gravidez). No entanto, você pode ser ainda indicada ao tratamento para reduzir o risco de um coágulo de sangue durante a gravidez. Seu médico irá discutir o que seria recomendado no seu caso em particular.

Encaminhamento para aconselhamento genético

Se você ou seu parceiro tem uma anomalia cromossômica, você deve ser indicada a oportunidade de ver um especialista chamado de geneticista clínico. Ele discutirá com você quais são suas chances para futuras gestações e irá explicar quais são as suas escolhas. Isso é conhecido como aconselhamento genético.

Monitoramento e tratamento para um colo do útero fraco

Se você já teve um aborto espontâneo entre 14 e 24 semanas e teve um diagnóstico de colo do útero fraco, pode ser necessário para uma cirurgia para colocar um ponto no colo do seu útero (cerclagem). Isso geralmente é feito através da vagina às 13 ou 14 semanas de gravidez sob anestesia geral ou raquianestesia. Seu médico deve discutir a cirurgia com você.

Se não está claro se seu aborto tardio foi causado por um cérvix fraco, podem ser indicados exames de ultra-som vaginal durante a gravidez para medir o comprimento do seu colo do útero. Isso pode dar informações sobre quão provável você está de abortar. Se o seu colo uterino é menor do que deveria ser antes de 24 semanas de gravidez, pode ser indicada uma operação para colocar um ponto no colo do seu útero.

Cirurgia do útero

Se uma anomalia é encontrada em seu útero, pode ser indicada uma operação para corrigir isso.

Tratamento hormonal

Foi tentado progesterona ou hormônios de gonadotrofina coriônica humana no início da gestação para evitar aborto recorrente, porém mais evidências são necessárias para mostrar se isso funciona.

Imunoterapia

O tratamento para prevenir ou modificar a resposta do sistema imunológico (conhecido como imunoterapia) não é recomendado para mulheres com aborto recorrente. Não foi provado que funciona, não melhora as chances de um nascimento vivo e pode levar a sérios riscos (incluindo a reação à transfusão, choque alérgico e hepatite).

E se nenhuma causa é encontrada?

Onde não há uma causa para o aborto recorrente ou aborto tardio, não há, atualmente, nenhuma evidência de que o tratamento de heparina e aspirina reduza a chance de um outro aborto espontâneo. Por esse motivo, este tratamento não é recomendado habitualmente, embora tenha relatos de êxito.

O que isso significa para nós no futuro?

Você e seu parceiro devem ser vistos juntos por um especialista em fertilidade. Dentro de uma clínica dedicada.

Seu médico conversará com você tanto sobre sua situação particular quanto a sua probabilidade de sofrer um novo aborto e uma gravidez bem sucedida. Se a causa foi encontrada, as opções possíveis de tratamento serão oferecidas para melhorar suas chances de uma gravidez bem sucedida.

As mulheres que têm cuidados de apoio com médico especialista desde o início da gravidez, têm mais chances de um parto bem sucedido. Para casais onde nenhuma causa para o aborto recorrente foi encontrada, 75 em cada 100 (75%) terão uma gravidez bem sucedida com este cuidado.

Vale lembrar que, estatisticamente, a maioria dos casais terá uma gravidez bem sucedida na próxima vez, mesmo depois de três abortos consecutivos

abortotratamentoO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categories: Medicina

Abortamento recorrente

Abortamento e infertilidade

Aborto recorrente

Dra Juliana Amato, ginecologista do Instituto Amato fala sobre abortamento recorrente.

-- transcrição --

Meu nome é dra Juliana Amato sou ginecologista obstetra e hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre abortamento recorrente.  O que é o abortamento recorrente e a perda gestacional precoce no primeiro trimestre da gravidez que ocorre por mais de duas vezes. O abortamento é muito comum se acontecer uma em cada cinco gestações normais acabam em abortamento. Porém quando essas perdas começam a ficar frequentes é necessário investigação. E Porque essas abortamentos ocorrem: o abortamento é causa de uma seleção natural. Ou seja são alterações cromossômicas que ocorrem nesse feto e que a natureza por si própria dá um jeito de eliminar. A prevalência de abortamento recorrente é menos de 5% na população. E as causas principais desse abortamento como eu já falei são as alterações cromossômicas então aqui a gente pode citar as  monossomias, as   trissomias,  a síndrome de Down,  Síndrome de Turner, as anomalias incompatíveis com a vida. A gente pode citar também alterações uterinas ou alterações na formação do útero como presença de septos no útero presença de alguma malformação uterina incompatível com a evolução dessa gravidez. As alterações hormonais também ocorrem muito como causa de abortamento. Aqui a gente pode citar o hipotireoidismo o hipertireoidismo quando eles estão descompensados. Eles podem levar abortamento assim como um aumento de um hormônio produzido na lactação, que se produzido fora dela, fora do período de amamentação, também pode levar a abortamento. Por isso o importante nos casos de pacientes que já fazem um acompanhamento de hipo ou  hipertireoidismo antes de engravidar passar no seu médico e ver se essas alterações hormonais  estão compensadas com a medicação. Se é necessário aumentar ou diminuir a sua dose. 

Além disso uma causa muito frequente que a gente tem visto hoje em dia dos abortos recorrentes é a trombofilia. E o que é a trombofilia? A trombofilia é a pré disposição que o paciente tem que a pessoa tem a formar trombos NA VEIA. E essa trombofilia, causando essa trombose. Ela altera a circulação da gravidez para esse útero e causam as perdas gestacionais. Hoje em dia se fala muito em trombofilia. Existem exames de sangue que fazem o diagnóstico e pode ser realizado um tratamento durante a gravidez toda que previne essa formação desses trombos e a gravidez se completa naturalmente chegando até o nascimento do neném. Se você gostou do nosso vídeo deixe seu like que comente ative o sininho de notificação. Inscreva-se no nosso canal.

amatotvvídeoabortamento
Categories: Medicina

Desgaste da Coluna Lombar

Neurocirurgia - Tue, 06/25/2019 - 13:51

Envelhecimento da coluna lombar
 
O processo de artrose ou desgaste da coluna lombar que ocorre com a idade, pode restringir os movimentos das pernas. As famosas hérnias de disco e bicos de papagaio, além de deformidades que aparecem com o decorrer do tempo, quando associadas com uma predisposição genética do indivíduo podem levar a uma condição de que chamamos de estenose de canal lombar. Geralmente pacientes acima de 60 anos, que começam a se queixar de peso ou dormência nas pernas ao caminhar. Antes conseguiam andar 30 minutos até que os sintomas aparecessem. Esse tempo vai reduzindo e após alguns minutos andando, as pernas podem adormecer, perder força ou então doer, e a pessoa é obrigada a parar para descansar, geralmente em posição curvando a coluna. 
O que está acontecendo na coluna, é que o processo de artrose leva a um estreitamento do canal por onde passam os nervos, e são esses nervos que levam toda a informação das pernas para o cérebro, então, por causa da compressão esse sinal é interrompido na coluna. 
Dependendo do grau de compressão e dos sintomas, o tratamento pode ser clínico com medicamentos e fisioterapia. Além disso é importante a prevenção, hábitos de vida saudáveis como alimentação, sono e atividade física tardam o envelhecimento do corpo e consequentemente da coluna. Em casos graves, o tratamento cirúrgico pode ser necessário. A técnica de descompressão por vídeo é uma alternativa mais recente que permite que o procedimento seja feito em nível ambulatorial, ou seja sem necessidade de internação hospitalar, o paciente faz a cirurgia e cerca 3 horas após o procedimento, levanta e vai para casa, geralmente já com melhora dos sintomas. O Instituto Amato possui uma sala de cirurgia especialmente desenhada para esse tipo de procedimento endoscópico.
 
Veja o vídeo explicativo: https://www.neurocirurgia.com/content/envelhecimento-da-coluna
 
Outros tópicos de interesse:
 
https://www.neurocirurgia.com/content/video-endoscopia-da-coluna
 
https://www.neurocirurgia.com/content/hernia-de-disco-acesso-interlamina...
 
https://www.neurocirurgia.com/content/cirurgia-endoscópica-da-coluna
 
https://www.neurocirurgia.com/content/clinica-instituto-amato-neurocirurgia
 
https://www.neurocirurgia.com/content/video-pos-operatorio-de-hernia-de-...

Categories: Medicina

Vídeo - Envelhecimento da coluna

Neurocirurgia - Sat, 06/22/2019 - 22:00

Canal Estreito Lombar - A artrose ou desgaste da coluna lombar pode causar compressão dos nervos e consequente fraqueza das pernas. Geralmente acomete pessoas com mais de 60 anos de idade. A endoscopia de coluna é alternativa cirúrgica minimamente invasiva para a descompressão desses nervos.

Categories: Medicina

Determinação do período fértil

Determinação

Periodo fertil

Dra Juliana Amato explica como é feito a determinação do período fertil. Como fazer o seu calendário da fertilidade próprio e quais sintomas para determinar o período fertil, melhor época para engravidar. Em nosso site temos uma calculadora online. Veja: https://fertilidade.org/fertility

 

 

---transcrição---

 

05 - determinacao do periodo fertil Video #5.mp4

 [00:00:00] Olá meu nome Juliana Amato. Hoje nós vamos conversar um pouquinho sobre a determinação do período fértil. Muitas pacientes escrevem perguntando como que determina o seu período fértil. Não é uma coisa muito simples de se fazer. Se você tem um ciclo menstrual com dias pré determinados, por exemplo, regulares de 28 dias. Assim é fácil, mas você sabe porque o seu período fértil vai estar no meio do seu ciclo entre o 10 e o 14 dia do ciclo. Então o ideal no seu período fértil você tem relação entre o 10-14 um dia sim um dia. Se você tem um ciclo mais curto de 20-25 dias aí começa a mudar um pouquinho porque o seu período fértil não vai ser mais naquele período do 10-14. 

 [00:00:56] Então o que é necessário fazer puxar essa contagem de dias um pouco mais para trás. Então pra quem tem um ciclo mais curto vai sem ferir o 8 e o 10 dia. Então vai manter relações sexuais nesse período. E para quem tem ciclos de 30 a 35 dias a gente tem que puxar esses dias mais para frente. Ou seja se seria normalmente no 10-14 em relação ao 15-18 um Dia sim e um dia nao . Algumas mulheres mas não a regra, apresentam alguns sinais em seu ponto que prediz em ovulação quais sinais são esses? Por exemplo uma dor no meio do ciclo para dor pélvica mais baixa parecendo uma pontada que as  vezes dura um dia um dia e meio. A gente chama de dor é a dor da ovulação

 [00:01:51] Muitas mulheres sentem, mas muitas não sentem. Para aquelas que sentem essa dor é um indício de ovulação. No período ovulatório existe um aumento do muco vaginal. Então a gente tem a percepção de que a vagina fica mais úmida e com uma secreção mais grudenta mais ___ parece uma gelatina. Isso é indício também do período fértil. Quando tiver essa sensação também manter relação. 

 [00:02:24] Que muito é dito na internet é que o aumento da temperatura também prediz a ovulação. Porém esse aumento da temperatura ele é difícil de ser mensurado. Para fazer essa medida a mulher tem que antes de levantar da cama de colocar o pé no chão colocar o termômetro e é uma alteração muito pequena de meio centígrado. Então se ela tiver alguma infecção se ela tiver gripada na época se tiver dormido com muito cobertor vai ser muito difícil a gente mensurar essa diferença de 0,5 centigrado então indico uma outra maneira de saber se está no período fértil e fazer os testes de LH que existem na farmácia. 

 [00:03:10] Eles são testes fidedignos e eles diminuem a ansiedade de saber em que período está ovulando. Esses sinais ajudam a gente. Esses sinais ajudam. A direcionar para saber qual a melhor época para ter relação e devemos usá los a nosso favor. 

 [00:03:33] Se você gostou do nosso vídeo se inscreva na nossa página. Dê o seu like. 

 [00:03:38] Deixe seu comentário aqui abaixo e ative o sininho notificação para receber mais vídeos. 

amatotvvídeofertilidade
Categories: Medicina

Exames para mulheres

Exames Femininos˜

para infertilidade

A fertilidade de uma mulher declina com a idade. Isso significa que as chances de engravidar, ambas naturalmente ou através de tratamento de fertilidade, caem conforme você envelhece. Seu clínico geral deve dar mais informações sobre isso.

Seu ginecologista deve perguntar qual a frequência e quão regular é a sua menstruação. Se você tem menstruações mensais regulares (a cada 26 a 36 dias), é provável que você esteja ovulando. Você não será aconselhada a usar tabelas da sua temperatura corporal (conhecida como temperatura corporal basal) para verificar se você está ovulando normalmente, já que não são um teste confiável para isso.

Verificando os seus níveis hormonais

Você deve realizar exames de sangue para verificar seus níveis hormonais para ver se você está ovulando. Estes devem incluir um exame para medir um hormônio chamado progesterona, que é produzido pelos ovários depois que os óvulos são liberados. O momento do exame variará dependendo do quão regular são as suas menstruações.

Se as suas menstruações são irregulares, você deve realizar também um exame para medir hormônios chamados gonadotrofinas, que estimulam os ovários a produzirem óvulos.

Verificando seus ovários

Você também deverá realizar exames para ver quão bem seus ovários podem responder aos medicamentos de fertilidade. Isso envolve um exame de sangue para medir os níveis de hormônios (chamados hormônio folículo-estimulante e hormônio anti Mülleriano) ou um ultrassom para contar o número de folículos nos seus ovários.

Verificando suas trompas de falópio

Quando os resultados dos seus exames e do exame de sêmen do seu parceiro forem conhecidos, também será requerido um exame para ver se as suas trompas de falópio estão bloqueadas. Dependendo de suas circunstâncias e histórico médico, isso pode ser feito usando raio-X, ultrassom, ou por uma operação chamada laparoscopia. Antes que você faça esse procedimento, você deverá ser testada para uma infecção chamada clamídia. Clamídia pode danificar suas trompas de falópio se não for diagnosticada e tratada com antibióticos. Se você está infectada, você e o seu parceiro (ou parceiros) devem ser encaminhados para tratamento. Se você não tiver feito exames para clamídia, pode ser que lhe seja dado antibióticos antes do procedimento como uma precaução no caso de você ter a infecção.

Exames que não necessariamente devem ser solicitados

Você normalmente não deve ter os seguintes exames solicitados porque eles não mostraram ser úteis:

  • Exames do seu muco cervical depois da relação sexual (conhecido como teste pós-coital)
  • Um exame de sangue para medir os níveis de um hormônio chamado prolactina
  • Uma biópsia (um procedimento para tomar uma pequena amostra de tecido) do revestimento do seu útero
  • Um exame do seu útero, chamado de histeroscopia (em algumas circunstâncias seu médico pode precisar realizar uma histeroscopia mas será realizada como parte da sua laparoscopia).
exameinfertilidademulherfemininoO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categories: Medicina

Como preservar a fertilidade?

Fertilidade

Como preservar a fertilidade?

A Dra Juliana Amato explica como preservar sua fertilidade para ter filhos quando quiser. Dá dicas de ouro para sua saúde!

---transcrição---

Olá meu nome é Juliana Amato e hoje nós vamos conversar um pouco sobre medidas de como preservar a fertilidade. Eu sei que recebo muitas mensagens perguntando "Dra como que eu posso preservar a minha fertilidade". Não quero ser mãe agora mas, quero ser mãe daqui uns 10 anos... mais velha, mas eu quero fazer algumas coisas que preservem a minha fertilidade. O que é o ideal para você? O ideal é pensar que se até 35 anos  você engravidar você já está preservando sua fertilidade. Abaixo dessa idade. As mulheres têm uma chance maior de engravidar. Depois dos 35 anos essa chance decai porque a reserva ovariana abaixa e abaixa consideravelmente. Então engravidar antes dos 35 anos é uma medida de preservar a sua fertilidade. Pensar na sua alimentação. Alimentação é muito importante não só para fertilidade mas sim para sua vida toda. Para você ter uma qualidade de vida boa, uma fertilidade boa e ter uma longevidade. O que é comer bem? Evitar os industrializados evitar os enlatados evitar farinha para evitar o açucar.  dê preferência aos alimentos: as farinhas orgânicas, aos carboidratos complexos, as proteínas tanto animal quanto vegetal; não importa se você é vegetariano ou se você não é, mas comer o mais natural possível. Evitar o uso abusivo de bebidas alcoólicas. Quem não gosta de tomar um vinho de final de semana uma cerveja com os amigos. Mas que não se torne um hábito de todos os dias. 
Proibido não é, mas com moderação ao evitar a ingestão de muito café. Evitar o cigarro. O tabagismo sim: existem estudos mostrando que a nicotina diminui a motilidade dos espermatozoides além de diminuir a motilidade de cílios das tubas uterinas das mulheres. Evitar o máximo possível. A prática de exercícios diários é muito importante também. Além de você manter o seu corpo ativo.. A sua atividade cardiovascular você mantenha o seu bem estar e evita doenças. A prática de sexo seguro de se proteger durante as relações sexuais. Principalmente contra as doenças sexualmente transmissíveis porque a gente sabe muito bem que pode gerar uma infertilidade. Doenças infecções como a gonorreia têm voltado na atualidade e é comprovado a causa de infertilidade em mulheres. O ideal é sempre o uso da camisinha. Sempre manter seus exames em dia e a cada sintoma  diferente procurar o seu médico. Para a mulher a ginecologista e o homem urologista. Se você curtiu o nosso vídeo e se inscreva no canal. Deixe seu like. Deixe seu comentário aqui abaixo. Ae ative Sininho de notificação para receber novos videos.

-~-~~-~~~-~~-~-
Video novo! não perca! "Diferença entre fertilização in vitro e inseminação intra uterina. FIV vs IIU." 
https://www.youtube.com/watch?v=DJn4YvcUnco
-~-~~-~~~-~~-~-

amatotvvídeofertilidadepreservação
Categories: Medicina

Diferença entre fertilização in vitro e inseminação intra uterina. FIV vs IIU.

Diferença entre tratamentos de fertilidade

FIV vs IUU

Dra Juliana Amato (CRM 106072) explica a diferença entre fertilização in vitro e inseminação intra uterina. FIV vs IIU. Alta vs baixa complexidade. O que é a fertilização in vitro (FIV)? Em quais situações o método é aplicável? A FIV pode ajudar a engravidar? A fertilização “in vitro”, também conhecida como bebê de proveta, é a união do espermatozóide com o óvulo no laboratório, formando o embrião que posteriormente será transferido para a cavidade uterina. Intrauterine Insemination (IUI), Inseminação Intra Uterina (IIU), Inseminação in vitro O procedimento consiste na introdução do esperma capacitado dentro da cavidade uterina da mulher quando ocorre a ovulação. É utilizada quando o volume ou a concentração dos espermatozóides não são suficientes ou quando a mobilidade dos gametas decresce. Esta técnica também pode ser usada quando o muco cervical apresenta problemas. Em geral, neste procedimento, recomenda-se também o estímulo da ovulação na mulher como forma de potencializar os resultados. A taxa de sucesso da inseminação artificial depende muito das causas de infertilidade diagnosticadas. É essencial a permeabilidade em pelo menos uma das trompas, assim como um número mínimo de espermatozoides, para que a técnica funcione.

---transcrição --- Olá meu nome é Juliana Amato. Sou ginecologista e obstetra e hoje nós vamos falar da diferença dos tratamentos entre fertilização in vitro e inseminação intrauterina. Eu recebo muitas mensagens perguntando; e existe muita dúvida sobre o que é um tratamento ou outro. Então vamos lá. A inseminação intrauterina é um tratamento de baixa complexidade em reprodução assistida. Ele consiste em indução da ovulação controle ultrassonografico para monitorar o crescimento dos folículos. Os folículos: existem dentro do nosso ovário e o crescimento deles. é que ocorre a nossa ovulação dentro de cada folículo existe um óvulo. Então ele vai estimular a ovulação. A partir do momento que a gente vê no ultrassom que está para ovular com o marido o parceiro ele vai a um laboratório a gente faz um preparo de sêmen. Um processado seminal com os espermatozoides mais capacitados e coloca, por meio de uma sonda, esses espermatozoides dentro da cavidade uterina da mulher quando ela estiver ovulando. É de baixa complexidade; não é necessário anestesia e é feito em consultório. A gente utiliza mais a inseminação artificial em pacientes abaixo de 35 anos. Que não tenham nenhum fator de risco ou nenhum problema de saúde que impeça a inseminação artificial como uma obstrução tubárea como algum problema masculino com baixa de espermatozoides. É um tratamento mais tranquilo mas que tem as suas indicações não é para ser feito em todos os casais. Já a fertilização in vitro: a fertilização in vitro é tida como um tratamento de alta complexidade. Onde a gente induz a ovulação da mulher por meio de medicações. Essa ovulação é monitorada através de ultrassom transvaginal. Esses folículos crescem e a intenção na fertilização in vitro é que mais de um folículo cresça e que vários folículos cresçam para a gente conseguir um número maior de óvulos para fazer o tratamento dessa paciente. A partir do momento que essa paciente está para ovular nós vamos ao Laboratório de Reprodução Assistida que é um espaço específico. É onde a gente manipula o material biológico. Essa paciente toma uma anestesia enorme de 20 a 30 minutos e por meio de ultrassom transvaginal guiado; por uma agulha a gente aspira esses óvulos. Nesse mesmo momento o parceiro colhe o espermatozoide. A bióloga seleciona os melhores e faz fertilização in vitro em laboratório. O famoso bebê de proveta. Esse processo ele dura mais ou menos 15 a 20 dias. O processo todo entre a estimulação da ovulação e a fertilização in vitro. Ele é usado para Casais acima de 35 anos que tenham algum problema de saúde que cause infertilidade como uma obstrução tubárea; como uma azoospermia no homem ou quando tem um fator associado entre o homem e a mulher ou simplesmente quando já está há muito tempo tentando e não conseguindo engravidar. Essas são basicamente as diferenças entre inseminação artificial e fertilização in vitro. Se você gostou do nosso vídeo se inscreva no canal. Deixe seu like, comente abaixo e ative o sininho de notificação para receber mais vídeos.

vídeoamatotvfiviuu
Categories: Medicina

Aplicação de vasinhos com sedação

vascular.pro - Tue, 05/28/2019 - 21:03

Tem medo de agulha? Sente muita dor para secar vasinhos? Tentou uma vez e desistiu? Tentou algumas, insistiu, mas viu que seria muito dificil chegar até o fim?

Bom, ainda bem que há solução!

Iniciamos há muitos anos com as técnicas minimamente invasivas como o laser, o CLaCs, a crioanestesia, a espuma e outras, sempre com o intuito de melhorar os resultados, minimizar a quantidade de sessões necessárias e diminuir a sensação dolorosa. A primeira geração do laser era muito dolorosa. A última geração é muito mais eficaz e menos dolorosa; então, a crioanestesia, técnica de anestesia pelo frio ajudou muito, mas, mesmo assim, ainda havia um resquício de dor.

Agora não mais...

A utilização de sedação com a técnica Annox permite realizar a secagem dos vasinhos com sensação dolorosa próxima de zero, além de grande conforto.

Por isso é importante realizar o procedimento em clínica médica especializada. As técnicas mais atuais são utilizadas para o benefício do paciente.

Além disso, para aquelas pessoas que tem pavor de agulha, fobia de agulha (sabia que tem um nome bonito isso? aicmofobia), também conseguem realizar a secagem dos vasinhos. Por duas razões: o laser não necessita de agulha, mas também por causa da sedação Annox.

A técnica Annox utiliza o gás oxido nitroso, também conhecido como gás do riso. Um grande beneficio do óxido nitroso é o fato de possuir rápida absorção e eliminação (seus efeitos atingem o pico após aproximadamente 3 minutos de inalação e sua meia-vida de eliminação é de aproximadamente 5 minutos), com trabalhos mostrando que em 5 minutos já saiu da circulação 95% do gás. 

"Tenho medo de sentir dor durante a aplicação dos vasinhos" 
Não precisa mais ter medo!

Dessa forma, ele é prontamente absorvido e facilmente administrado, e seu efeito começa rápido e cessa logo após término da inalação, sem efeito residual. Além disso, ele é excretado essencialmente inalterado através dos pulmões (menos de 0,004% é metabolizado em seres humanos). Isto resulta em menor possibilidade de efeitos colaterais e interações medicamentosas, quando comparado a outros agentes anestésicos, que confere maior segurança.   Optamos por realizar determinada concentração, que possui a propriedade de induzir sedação consciente, reduzindo significativamente a ansiedade e o sofrimento psicológico dos pacientes durante procedimentos dolorosos.   Se você quer realizar secagem de vasinhos sem dor, e sem agulha, essa é a solução que você pode estar procurando.   Consulte seu cirurgião vascular habilitado na técnica Annox.  

Quero marcar consulta com cirurgião vascular que faz a técnica Annox para sedação em secagem de vasinhos

 

*fonte: Use of Nitrous Oxide in Dermatology. 2018

Tags: varizesvasinhosvenosoannox Select ratingGive Aplicação de vasinhos com sedação 1/5Give Aplicação de vasinhos com sedação 2/5Give Aplicação de vasinhos com sedação 3/5Give Aplicação de vasinhos com sedação 4/5Give Aplicação de vasinhos com sedação 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Idade e Fertilidade Feminina

Idade e fertilidade

Idade máxima para ter bebê

Nem todas as mulheres estão cientes do quanto sua fertilidade declina com a idade. Devido aos casos de celebridades dando à luz na faixa dos 40 anos, as mulheres são, às vezes, erroneamente levadas a acreditar que a concepção nesta idade é bastante possível. O que muito frequentemente não é revelado é que estas celebridades usaram um óvulo ou embrião doados.

As mulheres nascem com todos os óvulos que elas irão ter por toda vida. Dos 1.000.000 de óvulos que uma recém-nascida tem ao nascimento, apenas 300.000 restam no momento que ela alcança a puberdade. Deste número, apenas em torno de 300 óvulos serão ovulados durante os anos reprodutivos da mulher... na taxa de um óvulo por mês.
Geralmente, as mulheres são mais férteis na casa dos 20 anos, então a fertilidade começa a declinar à medida que ela vai atingindo o final de seus 20 anos. É importante saber que após os 35 anos de idade, as chances de uma mulher ter um bebê naturalmente declinam em média em 50%. Após os 40 anos, as chances diminuem em torno dos 90%.
Assim que a menopausa se aproxima, as capacidades reprodutivas da mulher vão diminuindo e se tornam menos efetivas em produzir óvulos maduros e saudáveis. À medida que a mulher envelhece e chega próximo à menopausa, seus ovários já não respondem bem aos hormônios que são responsáveis por ajudar na ovulação.
 

Com o passar do tempo, os riscos para o bebê e para a mãe também aumentam.

idadefertilidadeO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Relação entre idade e fertilidade. Gerando bebês na hora certa.

Idade e fertilidade

idade da mulher

Conforme a mulher ultrapassa os 30 anos, e especialmente os 35 anos, a fertilidade diminui de forma importante. Existem também riscos relacionados à gestação, como aborto espontâneo, complicações da gravidez e doenças como a síndrome de Down aumentam de forma significativa. Nesse vídeo Dra. Juliana Amato (CRM 106072 RTE 082356) explica em detalhes, como a idade afeta negativamente a fertilidade da mulher.

idadevídeoamatotv
Categories: Medicina

Plano de Alimentação RAD

vascular.pro - Wed, 05/15/2019 - 13:44

A dieta RAD (distúrbios adiposos raros) foi desenvolvida pela Dra. Karen Herbst, endocrinologista da Universidade da Califórnia, em San Diego. Esta dieta é projetada para aqueles que sofrem com distúrbios relacionados com depósitos de gordura anormais. Promove alimentos fáceis de digerir e que reduzem a inflamação. Aqui está um guia prático:
COMA MENOS 
Alimentos refinados com alto teor de açúcar podem causar estragos em nossos corpos. Há muita informação por aí sobre quais alimentos são os piores culpados por isso na dieta de baixo índice glicêmico. Essas dietas são amplamente utilizadas para controlar diabetes tipo 2, bem como SOP (Síndrome do ovário policístico). Comer alimentos com baixo índice glicêmico (alimentos que são digeridos mais lentamente, controlando os níveis de açúcar no sangue e deixando mais satisfeita por mais tempo) reduzirá os níveis de insulina. Isso é importante porque a insulina faz a gordura aumentar.  
 
Aqui está uma lista básica de alimentos que devem ser evitados, mas você deve fazer uma regra geral de limitar alimentos e bebidas açucaradas, bem como qualquer coisa branca, refinada e processada.

  • Açúcares e adoçantes (incluindo mel, agave e outros)
  • Sucos de frutas (exceto limão e lima que são bons)
  • Arroz branco
  • Macarrão branco
  • Batatas
  • Cereais matinais (incluindo flocos de milho, arroz crocante, granola, aveia instantânea)
  • Bolos, muffins, doces e biscoitos
  • TODO álcool. Álcool é feito de açúcar, não existe álcool com 'baixo teor de açúcar'  

Fique avisada: muitos alimentos dietéticos irão ser comercializados como alimentos integrais, e continuam a ter quantidades excessivas de açúcar e ingredientes refinados.  
Laticínios 
A dieta RAD aconselha que você limite a quantidade de produtos lácteos que você consome. Isso inclui:

  • A maioria dos queijos 
  • Todos os produtos derivados do leite

Proteínas animais e gorduras 
Reduzir a ingestão de carnes vermelhas e gordurosas pode ser benéfico, porque as gorduras são absorvidas diretamente nos pacientes com lipedema. A seguir o que deve ser evitado:

  • Todas as carnes vermelhas (bife, carne moída, cordeiro, pato, carne de carneiro, cabra, porco)
  • Cortes de carne mais gordurentos - coxas de frango, peito, shoulder, cortes cozidos, bacon, pernil, salsicha, a maioria dos moídos   

Sal 
Abaixe sua ingestão de sal! Como o açúcar, quando consumido em quantidades excessivas, o sal é tóxico. Isto é especialmente verdadeiro para quem sofre de lipedema à medida que mais água/fluido é retido - o sal só tornará isso muito pior.
COMA MAIS 
Alimentos líquidos: A Dra. Herbst recomenda comer mais alimentos líquidos. Isso porque, a cada vez que comemos, geramos inflamação à medida que o sistema linfático circunda o intestino. "Descanse" o intestino tirando um dia de folga e comendo mais alimentos do tipo líquido, como:  

  • Sopas
  • Guisados ​​(se com carne, certifique-se de que esteja desfiada)
  • Shakes de proteína
  • Smoothies

Proteínas saudáveis ​​- carne magra e peixe 
As proteínas fazem parte de uma dieta equilibrada, embora nem todas sejam iguais. Atenha-se às seguintes proteínas quando estiver na dieta RAD (escolhendo sempre variedades orgânicas não cultivadas quando puder):

  • Peito de frango
  • Carne de peru ou de frango moída
  • Peixe e mariscos diversos (salmão, atum, bacalhau, arinca, solha, camarão, etc.)
  • Ovos

Frutas e vegetais orgânicos 
É claro que você é ilimitado na quantidade de frutas e vegetais que pode comer, embora alguns sejam melhores que outros. O Dr. Herbst recomenda aumentar a quantidade de vegetais crus que você come, porque isso aumenta os produtos finais de glicação avançada que podem causar danos no corpo. Aqui estão os melhores legumes (com base na classificação de índice glicêmico): 
 
Ervilhas, Pepino, Milho doce, Cenoura crua, Berinjela, Brócolis, Couve-flor, Repolho, Cogumelos, Tomate, Pimentões, Vegetais de folhas verdes escuras (espinafre, couve), Todas as alfaces, Pimentão vermelho, verde e amarelo, Cebola (de todos os tipos). 
 
Carboidratos de baixo índice glicêmico 
Carboidratos não são seus inimigos - você só tem que comê-los nas proporções corretas. Aqui está uma lista de carboidratos de baixo índice glicêmico: 

Farelo de aveia, Aveia em flocos, Muesli natural, Trigo triturado, Pães de soja e linhaça, Pão de centeio alemão (Pumpernickel), Pão de centeio, Mix de Sementes, Pães integrais, Ryvitas (especialmente centeio escuro). Massas de trigo. Arroz integral. Cevada perolada, Batata-doce, Tortilhas de trigo integral.

A dieta RAD não leva em consideração elementos pessoais inflamatórios, que considero importantes e devem ser investigados.
Dr Alexandre Amato

 
Fonte: RAD Eating Plan

Tags: dietalipedemadercumtratamento Select ratingGive Plano de Alimentação RAD 1/5Give Plano de Alimentação RAD 2/5Give Plano de Alimentação RAD 3/5Give Plano de Alimentação RAD 4/5Give Plano de Alimentação RAD 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Drenagem Linfática

vascular.pro - Sat, 05/11/2019 - 13:23

Drenagem Linfática (Drenagem Linfática Manual) é uma forma de massagem suave que ajuda a mover o fluido linfático para fora do tecido adiposo e outros tecidos, desobstruir as vias linfáticas e os linfonodos e estimular o bombeamento normal dos vasos linfáticos. Sabe-se que a Drenagem Linfática reduz a dor e a fragilidade capilar no lipedema e doença de Dercum e tem sido utilizada para tratar a doença de Madelung e o inchaço associado à lipomatose múltipla familiar. Envolve pressão consistente e específica (menos de 30 mmHg) e um movimento circular rítmico para estimular a drenagem linfática. Executar a Drenagem em si mesma é chamado de "auto drenagem". Temos alguns vídeos sobre Drenagem Linfática no nosso canal do YouTube:

 

 

Durante uma sessão, seu terapeuta esfrega suavemente, acaricia, bate ou empurra a pele na direção que segue o sistema linfático do seu corpo. Embora não tenham sido feitos estudos sobre a terapia de Drenagem Linfática e o lipedema, alguns pacientes que se submeteram a este tratamento relatam reduções tanto no inchaço quanto na dor.

Os profissionais da Drenagem Linfática podem ser fisioterapeutas e massoterapeutas capacitados. Dois métodos populares de Drenagem Linfática são Vodder e Leduc. Para encontrar alguém na sua região, fale com seu médico ou terapeuta para recomendações, ou consulte as escolas de treinamento de Drenagem Linfática.

Algumas companhias de seguros cobrirão a Drenagem Linfática com uma receita do seu médico; entre em contato com seu convênio para confirmar.

Como escolher o profissional? Como saber se está fazendo direito?

Conheça as qualificações do profissional O profissional para realizar a drenagem linfática do modo correto deve ser um profissional qualificado, como um esteticista, fisioterapeuta ou massoterapeuta. Por isso, antes de se entregar às mãos de um profissional conheça suas qualificações e saiba se ele é especialista na área. Profissionais que tenham algum curso específico, por exemplo, são mais indicados. Verifique as qualificações. Pergunte a formação, não tenha vergonha de perguntar. O bom profissional nunca se incomoda de mostrar suas qualificações   Preste atenção no atendimento O atendimento é parte fundamental do sucesso da drenagem, já que o profissional terá que fazer uma avaliação para saber se você pode realizar a drenagem. Isso porque pessoas com infecções ou problemas mais graves de circulação, por exemplo, não são elegíveis para esse tipo de massagem. Quando a drenagem foi orientada pelo médico, essa avaliação já foi realizada. Por isso, logo no primeiro contato o profissional deve ter a preocupação em avaliar o seu caso para saber se você pode realizar a drenagem – e você deve levar isso em consideração porque significa que o profissional é preparado para cuidar da sua saúde.   Avalie onde o profissional atende Se o profissional realiza o atendimento em uma clínica de estética é necessário que você conheça o local para saber se o profissional segue padrões mínimos de higiene. Lençóis descartáveis pra cada paciente e espaço exclusivo para a drenagem, por exemplo, são itens fundamentais. É possível, também, que o profissional atenda em casa, o que pode ser uma necessidade no seu caso. Se por algum motivo você não puder se locomover até o local de atendimento, o profissional certo para você é aquele que vem em casa.   Considere opiniões de outras pessoas Um profissional indicado por um médico tem mais chances de fornecer o resultado ideal para você, por exemplo. Por isso, antes de contratar o profissional procure indicações sobre ele para saber como foi a experiência de outras pessoas. Pedir recomendações a amigos e familiares é outra opção, já que assim você contratará um profissional de confiança.   Leve em conta o pacote oferecido Muitos profissionais também oferecem pacotes com mais de uma sessão, já que é preciso que a drenagem seja feita mais de uma vez para melhores resultados. Por isso, também é importante levar em consideração se o profissional faz pacotes de sessões e, se sim, quantas são as sessões. E como são as sessões. Adquirir pacotes fechados pode ser mais econômico, mas, por outro lado, só deve ser feito se o profissional for de confiança. Não feche pacotes antes da primeira sessão. Conheça o profissional antes de fechar tratamentos mais longos   Observe os movimentos Quando a drenagem linfática é realizada com movimentos muito intensos e fortes, os vasos dos líquidos do corpo são obstruídos e podem até mesmo ser danificados, com isso, a massagem pode não ter efeito. Por isso, se já tiver contratado um profissional para uma experiência observe atentamente os seus movimentos. Se forem leves e precisos, esse é o profissional de drenagem linfática certo para você. A pressão deve ficar em torno de 30mmHg. Quer saber quanto é 30mmHg? Se tiver um manguito de medir pressão arterial insufle até 30mmHg. A pressão é essa! Além disso a drenagem linfática correta nunca começa distalmente (nos pés), pois é preciso esvaziar os gânglios linfáticos proximais antes. A drenagem deve começar na virilha e ir progredindo para baixo lentamente.  Outra idéia muito boa é fazer com o profissional indicado pelo médico. Mesmo que não possa fazer todas as sessões, faça uma ou duas com esse profissional indicado. Assim você aprende como deve ser uma drenagem linfática correta e conseguirá julgar os próximos profissionais. Às vezes o preço ou a distância podem impedir a realização com o profissional indicado, mas aprender com esse profissional em poucas sessões pode ser de grande valia.    Dessa forma, sabendo como escolher o profissional para realizar a drenagem linfática o procedimento ocorrerá sem problemas e só trará benefícios para você e seu corpo.

Marque sua drenagem linfática com nossa fisioterapeuta indicada Ft. Mari

 

Tags: linfáticalinfáticolipedema Select ratingGive Drenagem Linfática 1/5Give Drenagem Linfática 2/5Give Drenagem Linfática 3/5Give Drenagem Linfática 4/5Give Drenagem Linfática 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Erisipela

vascular.pro - Fri, 05/10/2019 - 21:03
Lavar os pés é essencial

Você sabe o que é erisipela? Trata-se de uma infecção cutânea causada geralmente pela bactéria Streptcoccus. Ela e outras linfangites (inflamações de um ou mais vasos linfáticos) são doenças circulatórias que têm quadros clínicos semelhantes, com febre alta, vermelhidão e inchaço da perna, e podem ter em comum a mesma forma de contágio, a partir de uma lesão ou ferimento na pele. A prevenção consiste no combate às micoses interdigitais (lesões cutâneas entre os dedos), cuidados especiais na higiene dos pés, tratamento de pequenos traumatismos ou arranhões e de pequenas infecções da pele. Uma vez instalada a enfermidade, a pessoa deve procurar orientação medida imediata. Apenas uma crise já pode levar ao linfedema, que é o acúmulo do fluido linfático em determinada região do corpo.

 

A erisipela é uma doença infecciosa e não contagiosa, caracterizada por feridas avermelhadas, inflamadas e dolorosas na pele, especialmente nos membros inferiores como pernas e pés.   O nome pode até não ser muito comum, mas a erisipela é mais uma integrante do grupo das dermatoses infecciosas existentes e também pode ser atendida, popularmente, por zipra, esipra, zipla, mal-da-praia, vermelhão, entre outros nomes.   A doença não possui uma frequência exata para aparecer no organismo, podendo aparecer apenas uma ou várias vezes durante o ano todo ou, ainda, perdurar por toda a vida; mas sabe-se que após a primeira erisipela, a chance de outras virem é maior.   Se não tratada corretamente, a erisipela pode avançar tornando-se uma forma mais grave, a erisipela bolhosa, causando bolhas que possuem cerca de 10cm de comprimento e que contém um líquido que pode ser transparente, amarelo ou marrom. Se ocorrer surtos repetidos da doença, o linfedema que ela causa pode evoluir para elefantíase. Tardiamente a erisipela causa o linfedema.   Pelos seus sintomas serem muito parecidos com os de outra infecção de pele chamada celulite (que não é aquela irregularidade estética na pele que incomoda tanto as mulheres), muitas pessoas confundem uma doença com a outra. Porém, é válido saber que elas não são a mesma coisa, uma vez que a erisipela atinge as camadas mais externas da derme e a celulite atinge as camadas mais profundas, inclusive o tecido gorduroso, localizado na hipoderme. Erisepela ≠ Celulite ≠ celulite estética

Marque consulta com o especialista em Erisipela

 

Fonte: SBACVRJ

*Não é erizipela heim pessoal

Anatomia: 

Sistema linfático

Causa: 

Mas o que causa a Erisipela?

Normalmente encontramos uma porta de entrada para a bactéria causadora da erisipela o Streptococos. Essa porta de entrada pode ser uma pequena ferida, uma fissura ou mesmo uma picada de inseto. A bactéria oportunista entra pela lesão e causa infecção na região. Por vezes a lesão inicial é causada por um fungo, mas depois a bacteria entra e causa o estrago.

Diagnóstico Diferencial: 

O diagnóstico da Erisipela

O diagnóstico da doença é frequentemente feito por um cirurgião vascular, por ser doença que acomete o sistema linfático. Para outras dermatoses, o dermatologista saberá te indicar corretamente qual o tipo de tratamento para o seu caso.

Normalmente, por não ter necessidade, o especialista não pede nenhum exame além do clínico que ele mesmo faz. Porém, há alguns que solicitam um exame de sangue, ou até mesmo da pele, para confirmar qual é o tipo de bactéria causadora da doença.

Fatores de Risco: 

Quais são os grupos de maior risco para contrair a doença?

As pessoas mais propensas a contraírem a erisipela são:

 

  • Crianças com idade entre 2 e 6 anos;
  • Adultos com mais de 60 anos;
  • Pessoas com excesso de peso;
  • Portadores de diabetes não compensado;
  • Pessoas que apresentam diminuição no número de linfáticos, como portadores de linfedema ou recém saídos de mastectomia;
  • Pessoas com insuficiência venosa nos membros inferiores;
  • Pessoas cardiopatas e nefropatas com inchaço nas pernas;
  • Pessoas imunossuprimidas (AIDS ou outras doenças) ou com doenças crônicas debilitantes.

Se alguém que você conhece está nesse grupo de risco e apresenta os sintomas da doença, que estão a seguir, recomende-a a ir a um médico. Ah, e também não se preocupe com você, caso fique em contato direto com essa pessoa, pois a doença não é contagiosa.

 

 

Prevenção Primária: 

Como posso me prevenir da Erisipela?

Por mais que a doença não possa ser sempre prevenida, temos que diminuir suas chances. Você pode seguir algumas dicas para evitá-la:

  • Como em toda infecção, lave as mãos constantemente para evitar a proliferação da bactéria;
  • Mantenha sempre as feridas limpas;
  • Não ande descalço e troque de meias todos os dias, dando preferência às de algodão;
  • Se você tiver pé-de-atleta, ou outra infecção fúngica, trate-o;
  • Use hidratantes para evitar que sua pele fique seca e acabe tendo fissuras;
  • Tente não coçar a sua pele com muita frequência, e sem violência;
  • Tenha certeza de que você não tem nenhuma outra doença de pele, como psoríase e eczema.
  • Siga as orientações de cuidados para o pé diabético, mesmo não tendo diabetes. Os cuidados visam manter os pés sem lesões, que é essencial para prevenir a erisipela.
Sinais ou Sintomas: 

Os sintomas da Erisipela

Além das lesões avermelhadas outros principais sintomas da doença são:

 

  • Pequenas ou grandes bolhas na pele;
  • Febre;
  • Náuseas e vômito;
  • Calafrios;
  • Mal estar.

No caso da erisipela bolhosa, as bolhas possuem cerca de 10cm de comprimento e contém um líquido que pode ser transparente, amarelo ou marrom. Além disso, caso o ferimento seja nas pernas ou nos pés, ínguas (caroço que fica sob a pele e dói quando é apalpado) na virilha podem aparecer e a temperatura local pode aumentar.

 

Tratamentos Possíveis: 

Tratamentos da Erisipela

Existem alguns modos de se fazer o tratamento para a erisipela

 

Tratamento caseiro acompanhado pelo médico 

Ao constatar a doença, você deve:

  • Repousar na maior parte do dia com o local da infecção em uma posição mais elevada do que o seu corpo;
  • Repouso relativo: Revezar com o repouso algumas caminhadas pela casa;
  • Beber bastante líquido;
  • Fazer compressas com água gelada sobre as feridas.

Medicamentos 

Os medicamentos prescritos pelo seu cirurgião vascular normalmente são para uma semana, mais ou menos. Entre eles estão:

  • Penicilina (o mais utilizado em casos de erisipela);
  • Ampicilina;
  • Cefalexina;
  • Amoxicilina, frequentemente com clavulanato;
  • Cefradina;
  • Ciprofloxacino.

Para quem tem alergia a penicilina, os medicamentos geralmente usados são:

  • Eritromicina;
  • Claritromicina;
  • Clindamicina.

No caso da erisipela bolhosa, caso mais grave da doença, os medicamentos podem ser aplicados através das veias, internado em um hospital.

 

Cirurgia 

Cirurgias para o tratamento da erisipela só são requeridas em casos extremos da doença: quando ela se desenvolve no organismo de uma forma muito rápida e mata vários tecidos saudáveis do corpo. São casos gravíssimos que requerem cuidados intensivos do cirurgião. O procedimento da cirurgia, muito provavelmente, será a retirada desse tecido morto. As pessoas mais sujeitas a esses quadros graves são os imunodeprimidos.

 

Atenção! 

 

NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. 

 

Complicações Possíveis: 

Caso o tratamento não seja feito, há alguma complicação?

Toda erisipela diagnosticada necessita de um tratamento, caso contrário, algumas complicações podem acontecer. No caso da erisipela, elas são:

  • Abscesso (acúmulo de pús);
  • Surgimento de coágulos de sangue (trombose venosa);
  • Gangrena (isquemia e morte do tecido);
  • Envenenamento sanguíneo, que acontece quando a infecção ultrapassa a corrente sanguínea (sepse);
  • Infecção de válvulas sanguíneas;
  • Infecções de articulações e ossos;
  • Se a infecção estiver presente próximo aos olhos, é provável que ela atinja o cérebro.

No caso de suspeita de erisipela, vá a um pronto socorro ou ao cirurgião vascular mais rápido.

Código: A46 Select ratingGive Erisipela 1/5Give Erisipela 2/5Give Erisipela 3/5Give Erisipela 4/5Give Erisipela 5/5 Average: 4.5 (2 votes) linfáticoerisipelasbacvdica
Categories: Medicina

Bombas Pneumáticas de Compressão

vascular.pro - Fri, 05/10/2019 - 20:28

Bombas Pneumáticas de Compressão (BCP) são usadas para mover a linfa dos membros de volta ao núcleo para processamento. As bombas hoje utilizam tecnologia que emprega configurações de pressão variáveis ​​projetadas especificamente para usar menos pressão. Podem até cobrir a área do tronco, impedindo o edema genital e abdominal.
As BCPs não substituem a terapia de Drenagem Linfática Manual (Drenagem Linfática), roupas de compressão ou qualquer outro tratamento prescrito. Em vez disso, seu objetivo é aumentar seu tratamento em casa. Pacientes que usaram BCPs relatam que sentem suas pernas mais leves, sua fibrose é mais suave e têm menos dor nas pernas após o tratamento. Seu médico e/ou terapeuta trabalhará com você para elaborar um plano de tratamento individualizado para tratar de seus problemas específicos.
Para obter uma BCP, você precisará de uma receita do seu médico. Alguns planos de saúde pagam por todo ou parte da sua BCP, então ligue para o seu para descobrir se está coberto pelo seu plano e para obter qualquer pré-aprovação necessária.
Duas das bombas mais populares que utilizam a tecnologia atual e aprimorada são Flexitouch e Lympha Press. O Flexitouch tem 32 câmaras por membro e menores pressões variáveis. No entanto, o velcro no Flexitouch é um pouco mais difícil de usar, embora seja ótimo para membros com formas anormais. O Lympha Press tem pressões mais altas e menos câmaras por lado (12), mas mais câmaras do que as bombas antigas. É fácil de puxar e se é muito grande para o membro, basta colocar um travesseiro na área.
A fim de garantir que o que você escolheu é seguro, você quer um BCP que é programável para compressão de luz, usa ajustes de pressão variável, e é projetado com várias câmaras. Faça sua lição de casa e fale com vários fornecedores sobre a tecnologia que eles usam e suas taxas de sucesso. O seu médico ou terapeuta pode recomendar uma bomba específica ao invés de outra para o seu caso individual, por isso certifique-se de obter a sua recomendação antes de encomendar.
Pacientes pós-cirúrgicos devem falar com seu cirurgião sobre o uso de BCP após a cirurgia.

Tags: lipedemalinfedemacompressão Select ratingGive Bombas Pneumáticas de Compressão 1/5Give Bombas Pneumáticas de Compressão 2/5Give Bombas Pneumáticas de Compressão 3/5Give Bombas Pneumáticas de Compressão 4/5Give Bombas Pneumáticas de Compressão 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Pages

Subscribe to Orientação Médica - Perder Peso aggregator - Medicina