Neurocirurgia

Subscribe to Neurocirurgia feed
Updated: 1 hour 49 min ago

Meningioma e Radioterapia

Fri, 11/01/2019 - 08:04

Meningioma é um tumor benigno que surge nas membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, ou seja, a lesão cresce entre o tecido o nervoso e o osso, seja o crânio ou a coluna vertebral. É extremamente raro haver invasão do tecido nervoso pelo meningioma, ou seja, geralmente os sintomas aparecem pela compressão do cérebro, medula ou raizes nervosas. Na coluna vertebral, o meningioma pode simular um quadro de hérnia de disco, com dor, fraqueza e perda de sensibilidade nos membros. No crânio, dor de cabeça, vômitos, alterações visuais e crises epilépticas podem ocorrer, especialmente se o tumor for grande. Outros sintomas vão diferenciar de acordo com a região em que o meningioma se localiza. Por exemplo, na região frontal, o meningioma pode causar perda de visão e olfato, perda de força, além de depressão e alteração comportamental; na região temporal, pode causar perda de memória, alterações auditivas e da fala; na região occipital (posterior), pode causar perda de equilíbrio e coordenação; na região parietal pode causar perda de sensibilidade e também de força. 
Radioterapia é um tratamento que utiliza radiação ionizante para destruir as células de um tumor, e impedir que ele cresça novamente. Por esse motivo a radioterapia é utilizada para o tratamento de câncer. É importante ressaltar que para a radiação alcançar o alvo desejado, tecidos normais certamente sofrerão também com a radiação. O avanço tecnológico permitiu que os efeitos colaterais da radiação no tecido normal se minimizassem, o que expandiu o uso da radioterapia para outras situações que não o câncer. É o caso da radiocirurgia, que apesar do nome, não envolve nenhum corte e sim, a realização da radioterapia em uma única sessão.
 
Quando o meningioma é muito pequeno, não está causando problemas, e foi diagnosticado incidentalmente, pode ser possível a observação clínica e acompanhamento periódico com exames de imagem. Do contrário, o tratamento do meningioma é cirúrgico! Como esse tipo de tumor cresce fora do tecido nervoso, é possível retirar o tumor sem causar dano algum ao cérebro ou medula espinhal. O que não acontece com a radioterapia, que sempre irá causar dano ao tecido próximo à lesão. Alguns meninonas são de muito difícil acesso para a cirurgia, geralmente aqueles localizados no seio cavernoso, nesses casos o neurocirurgião pode indicar o tratamento com radioterapia, pela impossibilidade do tratamento cirúrgico. Em outro casos, a avaliação anatomo-patológica (biópsia) revela um meningioma agressivo e que tem chance maior de retorno, nesses casos a radioterapia realizada após a cirurgia, também é benéfica. Mas na grande maioria dos casos o tratamento do meningioma é cirúrgico e não radioterápico!

Categories: Medicina

Projeto Coluna e Bem Estar

Tue, 10/29/2019 - 01:09

Projeto Coluna e Bem Estar - Tratamento cirúrgico de hérnia de disco por endoscopia

Este projeto visa o tratamento cirúrgico minimamente invasivo de pacientes com hérnia de disco lombar que não tenham acesso a plano de saúde privado ou que estejam aguardando atendimento pelo SUS, e consequentemente, estejam sofrendo de dor com impacto em sua qualidade de vida e sem condições financeiras de realizar tratamento adequado. 
O Instituto Amato doará entre 5 e 10 cirurgias de hérnia de disco por endoscopia e realizará programa de orientação de cuidados de reabilitação!!
 
Serão incluídos pacientes:
- de 16 a 65 anos
- com dor ciática (irradiação para a perna) com pelo menos 6 semanas de dor
- sem melhora com o tratamento medicamentoso
- que possuam Ressonância Magnética recente (no máximo 6 meses) que mostre hérnia de disco única de L3L4, L4L5 ou L5S1. A ressonância deve justificar os sintomas apresentados. 
- exames pré-operatórios que incluem: hemograma, coagulograma, uréia, creatinina, sódio, potássio e glicemia de jejum
 
Não serão incluídos os pacientes que apresentarem:
- dor há mais de 1 ano
- ressonância com mais de 6 meses
- outras doenças da coluna concomitante à hérnia de disco, como estenose de canal, estenose foraminal, espondilolistese, deformidade como a escoliose, fratura, infecção ou tumor. 
- condições clínicas que contraindiquem a realização de procedimento cirúrgico em sistema de hospital dia como Diabetes descompensada, coagulopatia, hipertensão arterial descompensada ou grave e outros.
- motivo diverso após a avaliaçao pela equipe médica ou de enfermagem
- pacientes que possuam plano de saúde ou condições próprias de arcar com os custos da cirurgia
 
A primeira fase do projeto terá o seguinte cronograma:
 
Data para envio da documentação: 30 de novembro de 2019 *
Data para atendimento clínico: dezembro de 2019
Data para realização das cirurgias: até março de 2020
 
* enviar resumo da história e todos os exames, incluindo as imagens da ressonância para contato@neurocirurgia.com
* imprimir, preencher e enviar o seguinte formulário: https://www.neurocirurgia.com/content/formulario-projeto-coluna-e-bem-estar
* responder o questionário através do link (no "Local de Atendimento", clicar na opção Projeto Coluna e Bem Estar): https://www.neurocirurgia.com/content/questionariolombar
 
 
Médicos responsáveis pelo Projeto
Dr. Marcelo Campos Moraes Amato
Dr. Bruno Cesar Aprile
Dr. Cezar Augusto Alves de Oliveira
Dr. André Tosta Ribeiro
Dr. Carlos Henrique Lemos
 
Para mais informações sobre a cirurgia, acesse os links:
 
https://www.neurocirurgia.com/content/video-endoscopia-da-coluna
 
https://www.neurocirurgia.com/content/video-acesso-transforaminal
 
https://www.neurocirurgia.com/content/video-pos-operatorio-de-hernia-de-disco
 
https://www.neurocirurgia.com/content/cirurgia-endoscópica-da-coluna
 
https://www.neurocirurgia.com/content/cirurgia-endoscópica-da-coluna
 
https://www.neurocirurgia.com/content/hernia-de-disco-acesso-interlaminar-endoscopico
 
 
Apoio:
Amato - Instituto de Medicina Avançada
GIEC - Grupo de Inovação Endoscópica da Coluna

Categories: Medicina

Obesidade e Hérnia de Disco

Wed, 10/16/2019 - 18:24

Obesidade e hérnia de disco, como tratar?
 
O sobrepeso é um dos fatores de risco para o aparecimento de hérnia de disco lombar. Considerando que o amortecimento do impacto nas vértebras é a principal função do disco intervertebral, é lógico pensar que a sobrecarga nessas articulações pode levar a problemas em seu funcionamento. O ânulo fibroso, camada mais grossa e externa do disco intervertebral, sofre com o abaulamento constante produzido pelo excesso de carga. O resultado são pequenas fissuras nas fibras do ânulo fibroso, por onde o núcleo pulposo (parte interna do disco) pode sair e causar compressão das estruturas nervosas. É importante ressaltar que a obesidade não é a única causa de hérnia de disco, pois esta é uma doença multifatorial e, geralmente, há uma predisposição genética para que ela ocorra.
 
O tratamento inicial da hérnia de disco nestes pacientes não difere muito dos demais, e deve incluir repouso relativo e uso de medicação sintomática e anti-inflamatória. Dependendo do estágio da hérnia de disco, diferentes tipos de fisioterapia podem ser indicados, além de educação postural e conscientização corporal. Nos pacientes obesos, a orientação nutricional e o acompanhamento conjunto do endocrinologista são importantes. Por causa da dor, geralmente os pacientes estão estimulados a atingir seus objetivos de emagrecimento e vida mais saudável. Momento, portanto, de aproveitar para iniciar o seguimento com profissionais capacitados.
 
Mas e se precisar de cirurgia?
 
Casos em que a dor não cessa com o tratamento clínico ou em que há deficit neurológico como perda de força, formigamentos, dormência e também dor insuportável, o tratamento cirúrgico pode ser escolhido pelo médico. Intervenções cirúrgicas tradicionais em obesos podem ser muito trabalhosas para o cirurgião e arriscadas para os pacientes, mas a cirurgia endoscópica da coluna traz uma enorme vantagem, pois tecnicamente não há diferença em operar um indivíduo magro e um com obesidade mórbida, precisando-se apenas um endoscópio (instrumento) mais curto ou mais longo. Isso acontece porque a “câmera” pode ser posicionada no ponto de interesse da coluna, independentemente da quantidade de tecido que há ao redor.
 
Lembrando que o alívio da dor nesses pacientes, é essencial para que consigam iniciar o quanto antes, atividades físicas que auxiliem na perda de peso, bem-estar e prevenção de novos problemas da coluna.

Categories: Medicina