Fertilidade, Reprodução Humana, Ginecologia, Obstetrícia

Subscribe to Fertilidade, Reprodução Humana, Ginecologia, Obstetrícia feed
Clinica de Reprodução Humana em São Paulo, SP. Tratamento de Infertilidade. Técnicas modernas de fertilização in vitro. Dicas para manter sua fertilidade.
Updated: 1 hour 29 min ago

A primavera é a melhor época para fazer um ciclo de fertilização in vitro?

5 hours 36 min ago
Primavera

Melhor época para FIV/ICSI

Seria a época dos patos e coelhos, a melhor entre as outras três para a fertilização in vitro? O estudo de "Variabilidade sazonal na taxa de fertilização de mulheres passando por tratamentos de reprodução assistida," que foi publicado na edição de julho de 2012 da Endocrinologia Ginecológica, mostrou que para os casais submetidos à FIV com injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI), a taxa de fertilização — a união do óvulo com o espermatozoide para formar um embrião — era maior na primavera. Nota: a estação não teve efeito sobre as taxas de gravidez.

Pesquisadores resolveram determinar se a época do ano afeta os resultados do tratamento de reprodução assistida. Eles estudaram 1.932 pacientes submetidas à FIV/ICSI e agruparam por estação, de acordo com o dia da extração do óvulo: inverno (435 pacientes), primavera (444 pacientes), verão (469 pacientes) ou outono (584 pacientes). Todas as pacientes vieram de uma única clínica de fertilidade

Os pesquisadores avaliaram a fertilização 18 horas após a ICSI, que é um procedimento no qual um único espermatozoide é injetado dentro do óvulo. E descobriram que a taxa de fertilização teve um pequeno aumento durante a Primavera:

  • Primavera: 73,5%
  • Verão: 68,7%
  • Outono: 69%
  • Inverno: 67,9%

Os pesquisadores também mediram os níveis de hormônio e observaram que os níveis de estradiol das mulheres eram maiores na primavera; no entanto, as taxas de gravidez não mudaram muito durante as estações do ano, permanecendo em cerca de 33 por cento

 

 

Bibliografia:

Seasonal variability in the fertilization rate of women undergoing assisted reproduction treatments
Daniela Paes De Almeida Ferreira Braga, Amanda Setti, Rita de Cássia Sávio Figueira, Assumpto Iaconelli Jr., and Edson Borges Jr.
Gynecological Endocrinology Vol. 28 , Iss. 7,2012
 

icsifivclima
Categories: Medicina

12 coisas para não falar para quem está com dificuldade de engravidar

Thu, 04/27/2017 - 20:12

A infertilidade afeta 1/8 casais, então as chances de você ter tido dificuldades de conceber, ou conhecer alguém que está passando por isso no momento são altas. Por isso, aqui vão algumas dicas para ser mais sensível ao problema.

Você deve evitar dizes essas 12 coisas para sua amiga ou colega que está passando pelo problema:

1. Apenas relaxe

Sim, estresse tem tudo a ver com a infertilidade, e técnicas de redução de estresse podem ajudar à concepção, mas a infertilidade é um diagnóstico médico e a consulta com o especialista em reprodução humana para descobrir a causa do problema é muito importante

2. Minimizar o problema

Independente de qual seja a sua visão do problema, pesquisas mostram que a inabilidade de engravidar é um grande fator estressante, juntamente com a perda de um emprego e o diagnóstico de câncer.

3. "Podia ser pior"

É bem provavel que sua amiga não veja o problema assim. Não piore a situação.

4. "Talvez vocês não estejam preparados para serem pais"

Não faça isso. De jeito nenhum. Muitos casais com infertilidade vêem sua condição como punição divina ao invés do que ela realmente é: uma doença tratável. Falar isso simplesmente vai reforçar essa dúvida.

5. Porque você não faz uma FIV?

FIV é o tratamento mais efetivo para infertilidade, mas não é para todo mundo. É um tratamento que pode ser considerado caro, invasivo, estressante, e, até mesmo conflitante com alguns princípios religiosos.

6. Apenas adote

Adoção é uma opção razoável, mas muitos casais demoram para tomar essa decisão, enquanto outros não querem crianças que não tenham sua genética familiar.

7. Você é jovem, ainda tem muito tempo.

Mulheres mais jovens normalmente tem facilidade para engravidar, então se não estão conseguindo, está na hora de descobrir o porque. Sim, as chances de sucesso são maiores em mulheres mais jovens, mas não há garantias.

8. Fofoca.

Infertilidade é um problema privado, você não gostaria de alguém falando de seus problemas de saúde para outros, não?

9. Observações grosseiras, e piadas de mal gosto

A infertilidade mexe com a parte mais sensivel e pessoal de nossas vidas, não arrisque colocar humor nisso.

10. Reclamar da própria gravidez

Não importa o quanto esteja sofrendo com os sintomas da gravidez, sua amiga vê a gestação como a maior dádiva e bênção que ela espera. Ver outra mulher grávida é uma tarefa difícil para mulheres com infertilidade.

11. Minimizar as preocupações porque já tem uma criança.

Para muitos casais a familia não está completa com um filho, e é cada vez mais frequente a busca pelo segundo filho. Especialistas de infertilidade chamam de infertilidade secundária.

12. Perguntar de quem é a culpa.

Infertilidade é um problema do casal. Embora muitas vezes seja possivel determinar quem do casal que possui a doença, é necessário os dois para ter um bebê. As vezes quando a causa é masculina, a mulher também tem que passar pelo tratamento. Apontar culpa além de contraprodutivo pode causar um estresse na relação. Não acrescente mais ainda nesse ponto.

 

 

Veja também:

ENCONTROS DE FAMÍLIA E A INFERTILIDADE (COMO LIDAR?)

psiquedicas
Categories: Medicina

Sintomas da Gravidez

Mon, 04/24/2017 - 21:32
Ter um bebê

Surpresa! Você está grávida! E agora, o que esperar?

A gestação é um saquinho de surpresas, a cada fase uma nova sensação, mudanças no nosso organismo para se adaptar a esta nova condição, para você  ir se acostumando com a idéia e saber o que é comum sentir na gravidez e não necessariamente precisar de tratamento aí vão algumas dicas de  “o que esperar quando se esta esperando...”

Faça o teste de gravidez online

 

Fique conosco.... Continuando o artigo....

No início da gravidez:

  • Náuseas e vômitos;
  • Aumento das mamas e dor;
  • Escurecimento dos mamilos;
  • Sono;
  • Prisão de ventre;
  • Tonturas;
  • Dor de cabeça;
  • Aumento da freqüência de urinar;

 

A boa notícia é que as náuseas na maioria das mulheres acaba após os 3 meses de gravidez assim como aquele sono incontrolável. Para os outros sintomas não esqueça de pedir orientação ao seu médico pois tudo pode ser contornável por medicações sintomáticas e alimentação adequada.

 

Durante toda gestação:

  • Manchas na pele (cloasma gravídico);
  • Aparecimento de linha escurecida no abdome;
  • Estrias;
  • Dor nas costas;
  • Azia;
  • Dificuldade para dormir, pelo aumento da barriga e mamas;
  • Dor nas pernas;
  • Propensão a desenvolver varizes nas mulheres predispostas;
  • Pré disposição a hemorróidas;

 

Aqui listamos algumas modificações do organismo materno, lembrando que nem todas as mulheres por regra passarão por todas estas fases.

Lembrem-se: para que sua gravidez seja tranqüila é importante um acompanhamento Pré Natal adequado, hábitos de vida e alimentares saudáveis, exercício físico a partir do segundo trimestre de gravidez com orientação médica pela obstetra.

 

Sintomas da Gravidez

Por: Dra Juliana Amato

 

 

Ter um bebê pode ser o sonho de muitas mulheres. Às vezes o atraso da menstruação é a primeira dica entre todos os sintomas de que a mulher está grávida. A gravidez pode apresentar diferentes sintomas em cada semana da gestação.

Fonte: Rizk, B; Garcia-Velasco, J; Sallam, H; Infertility and Assisted Reproduction. 2008. Cambridge University Press.
Te Linde. Ginecologia Operatoria. 8ed. Rock Thompson.

Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

gravidezgestaçãosintomas
Categories: Medicina

Esse casal não desistiu

Sun, 04/23/2017 - 15:04

Grande maioria dos casais desistem da fertilização in vitro após algumas tentativas sem êxito, mas esse casal não desistiu.

Enquanto algumas pesquisas mostram que grande parte dos casais que não desistem terão eventualmente uma gravidez com a FIV, muitos desistem por uma combinação de exaustão física, mental e/ou financeira. Como testamento à determinação este casal fez 18 tentativas de FIV em Tel Aviv, Israel. No último ciclo engravidaram de trigêmeos. Veja a história deles na fonte: https://www.princetonivf.com/fertility-blog/israel-couple-pregnant-on-iv...

históriaêxitofivinternacionalnews
Categories: Medicina

Investigando a Linguagem do Tratamento de Fertilidade: IIU Explicada

Thu, 04/20/2017 - 14:56
Inseminação Intra Uterina

IIU / IUI

Existem muitos diferentes procedimentos de tratamento para ajudar a engravidar. IIU, também conhecida como inseminação intrauterina ou inseminação artificial, é um dos mais comuns procedimentos para tratamento de fertilidade utilizados atualmente.

 

Para Que Serve a Inseminação Intra-uterina (IIU)?

 

IIUs são usadas para tratar muitos diagnósticos diferentes de infertilidade, incluindo:

 

O Que Acontece Durante um Procedimento de IIU?

 

IIU pode ser feita com ou sem medicamentos que impulsionam a ovulação. Se uma IIU é feita com medicamentos, em seguida, os ovários são estimulados para produzir uma pequena quantidade de óvulos maduros. Diferente da FIV (Fertilização In Vitro), onde os óvulos são retirados e então fertilizados, com uma IIU, a ênfase está em garantir que haja apenas alguns óvulos para emergir. Há uma possibilidade de gestações múltiplas quando é feita uma IIU e mais do que apenas alguns óvulos maduros emergem, então é preciso que haja um cuidadoso e consistente monitoramento.

Quando os óvulos estão maduros, há um "gatilho" de injeção - uma medicação que estimula os folículos (bolsas cheias de fluido que contêm os óvulos) para liberar os óvulos. Em seguida, o esperma é coletado, através de masturbação e dado ao laboratório do programa de fertilidade para ser preparado. O esperma é cuidadosamente preparado e então introduzido dentro do útero através do colo do útero, usando um pequeno cateter.

Muitos programas de fertilidade fazem duas inseminações em cada ciclo para maximizar a probabilidade dos espermatozoides atingirem os óvulos no momento ideal.

Há poucos cuidados após o procedimento que precisam ser feitos. As inseminações normalmente não causam dor. Não há atividades específicas que você precise evitar ou que você precise tomar precauções. Apesar disso, a maioria dos programas e clínicas de fertilidade desaconselha exercício físico muito intenso.

Alguns procedimentos de fertilidade incluem medicamentos após a IIU para a reforçar ainda mais a implantação precoce.

E depois há a espera.

Para obter mais informações sobre a IIU, por favor entre em contato conosco. Se você tem tentado engravidar há um ano, é hora de procurar ajuda.

 

 

iiutratamentoexplicação
Categories: Medicina

Anomalias das trompas

Mon, 04/17/2017 - 15:33
Trompa uterina bloqueada

fluido fica retido no tubo e faz com que ele inche

As trompas de Falópio são dois "tubos” contráteis anexados ao lado esquerdo e ao lado direito do útero. Cada tubo estende-se desde o útero para o ovário e sua função é pegar o óvulo, assim que ele é liberado do ovário. As extremidades das trompas de falópio são alargadas e têm delicadas estruturas semelhantes a dedos chamadas fímbrias. Quando o ovário libera um óvulo ou ovócito, as fímbrias pegam o óvulo e o direcionam para dentro do tubo. Enquanto o óvulo passa pelas trompas de Falópio, ele recebe nutrição e um ambiente perfeito para a fertilização. O óvulo e o espermatozoide geralmente se encontram na porção distal do tubo, onde ocorre a fecundação. É vital que a trompa de Falópio esteja aberta e funcionando corretamente para permitir que o óvulo e o espermatozoide se encontrem e que o óvulo fertilizado se mova até o útero para implantação.

Tubos que tenham sido danificados por infecção prévia ou endometriose podem afetar severamente a chance de um casal conseguir a gravidez. Também existem Anormalidades Congênitas das trompas de falópio que podem dificultar a captação do óvulo.

 

Obstrução Tubária

 

Mulheres que tiveram infecções pélvicas, endometriose ou cirurgia que envolvem inflamação podem causar cicatrizes ao redor do útero e das trompas de Falópio. Mulheres que tiveram uma gravidez ectópica podem também ter obstrução tubária. A obstrução pode ser causada por várias outras condições, tais como:

  • Infecções pélvicas (tais como a doença inflamatória pélvica e doenças sexualmente transmissíveis)
  • Uma ruptura do apêndice ou cirurgia na pelve ou abdômen inferior
  • Uma gravidez tubária ou ectópica, nas trompas de Falópio
  • Malformação das trompas de Falópio
  • Endometriose
  • Aderências pélvicas entre estruturas normalmente não conectadas no útero ou na pelve
  • Anormalidades Congênitas

 

Hidrossalpinge

 

Uma trompa de Falópio bloqueada que se torne preenchida com líquido é chamada de hidrossalpinge. Esta não só causa infertilidade, como também pode reduzir a eficácia de outros tratamentos de infertilidade. A condição ocorre quando há lesão nas Trompas de Falópio, geralmente devido a infecção, que faz com que a extremidade do tubo se feche. Como resultado, o fluido fica retido no tubo e faz com que ele inche. Este fluido normalmente vazaria para fora da extremidade do tubo, mas já que o tubo está bloqueado na verdade os vazamentos retornam para o útero. Este fluido mostrou ser capaz de diminuir as chances de engravidar, em uma quantidade significativa. Se um embrião é implantado no útero usando FIV, este refluxo das trompas no útero pode diminuir as chances de sucesso de um terço à metade, a menos que seja tratado antes do tempo.

O sintoma mais comum de obstrução tubária é a infertilidade.

 

Diagnóstico de Danos Tubais

 

Fator Tubário e infertilidade é um problema muito comum e por causa disso nós rotineiramente examinamos para determinar se os tubos estão abertos e se não estão danificados, como parte dos testes habituais de fertilidade. No Plano de FIV nós rotineiramente usamos um dos dois tipos de exames de diagnóstico para verificar a permeabilidade tubária em um histerosalpingograma (HSG) e em um procedimento cirúrgico, a laparoscopia diagnóstica.

 

trompascausadiagnóstico
Categories: Medicina

Conexão da endometriose com a Infertilidade

Mon, 04/17/2017 - 15:27
Endometriose

e a infertilidade

A Endometriose Pode Ser Responsável por Até 70% das Mulheres Afetadas por Infertilidade e Dor Pélvica

A endometriose é uma condição de hormônio sensibilizados - como os ovários produzem hormônios normalmente todo mês, a endometriose pode crescer e piorar. A dor da endometriose geralmente ocorre antes e durante um ciclo menstrual. Esta dor cíclica e o crescimento da endometriose pode ser tratado com medicamentos que inibem a função ovariana. Isso significa que os ovários não estão produzindo óvulos durante o mês, e isto também evitará que a gravidez ocorra. É por isso que é difícil de tratar a endometriose associada com infertilidade - para casais tentando engravidar, nossos tratamentos de fertilidade muitas vezes estimulam os ovários a produzirem mais óvulos e mais hormônios durante o ciclo menstrual, e isso nada faz para tratar a dor associada com a endometriose. Na verdade, pode aumentar a dor. Para as mulheres com infertilidade e dor pélvica relacionada com endometriose, nosso objetivo é ajudar a gravidez a ocorrer mais rapidamente, reduzindo a quantidade de tempo em que o paciente sente a dor que ocorre com o ciclo menstrual.

Ciclos de tratamento de fertilidade são geralmente a melhor forma de tratamento em vez de cirurgia laparoscópica para as mulheres que estão tentando engravidar com endometriose.  Às vezes, no entanto, a cirurgia para endometriose pode ser realizada antes do tratamento de fertilidade, especialmente se a dor pélvica for um fator significativo. A cirurgia para endometriose é muito boa para aliviar a dor pélvica, mas provavelmente apenas minimamente aumentará a probabilidade de uma gravidez natural ou diminuirá a necessidade de tratamento de fertilidade quando a mulher está pronta para engravidar.

A endometriose, infelizmente, não pode ser completamente curada. A dor pélvica pode ser minimizada e a infertilidade pode ser superada com o tratamento, mas a inflamação pélvica e a presença das células dentro da pelve com endometriose geralmente continuam ao longo da vida reprodutiva feminina. Às vezes a endometriose pode progredir e causar dor pélvica crônica, que é muito difícil de tratar.

O Que Mais Você Pode Fazer Se Você Tem Endometriose?

Como com qualquer condição crônica, existem algumas maneiras de administrar a endometriose. Novos medicamentos estão sendo explorados e o controle de natalidade continua a ser uma forma adequada para impedir que as células indesejáveis se proliferem. Existem também vários estudos que estão sendo realizados, incluindo o estudo ROSE. ROSE significa Research OutSmarts Endometriosis (Pesquisa para Superação da Endometriose) e está em conjunção com a Endometriosis Foundation of America, fundada por Padma Lakshmi, uma respeitada celebridade que quando diagnosticada com endometriose saiu publicamente para apoiar outras que sofrem com a dor da endometriose. Você pode ler mais sobre esse estudo e ver se é uma boa escolha para você. 

Se precisar de ajuda com a dor pélvica, com a infertilidade ou se tem suspeita de endometriose, estamos aqui para ajudar. 

 

 

endometriose
Categories: Medicina

Taxa de fertilidade

Mon, 04/17/2017 - 15:19

Taxa de parto por transferência de acordo com a idade da mulher FIV/ICSI 2012 (RedLara)

As estatísticas da reprodução humana e taxa de fertilidade variam com o país, com as clínicas e com a causa da infertilidade. Os números aqui apresentados se referem a uma grande avaliação feita pela Red Lara (Red Latinoamericana de Reproducción Asistida).

fertilidadetaxaestatística
Categories: Medicina

Em Busca da Fertilidade - Livro Instituto Amato

Mon, 04/10/2017 - 21:32
Livro

Em busca da fertildiade

A dra. Juliana Amato (CRM 106.072) fala sobre o livro "Em Busca da Fertilidade", que traz atualidades sobre infertilidade e seus tratamentos, para que o paciente não tenha nenhuma dúvida quando procurar algum procedimento médico dentro do Instituto. Para quem se cadastrar no site fertilidade.org, o livro é entregue na sua casa. Ou é possível também adquirí-lo acessando o site https://www.amato.com.br/content/em-busca-da-fertilidade. Assista ao vídeo e saiba mais!

***** Transcrição: Meu nome é Juliana Amato, eu sou ginecologista obstetra, especialista em reprodução assistida. Aqui na nossa clínica a gente tem muito interesse do paciente ele sempre não saia com dúvidas e sempre tem as suas dúvidas sanadas. Eu tive interesse de escrever um livro sobre essas dúvidas dos pacientes, porque realmente são muitas e eu recebo muitos e-mails vários todos os dias, sempre com as mesmas dúvidas. Então, esse livro ele fala é de todos os tipos de tratamento, desde da fertilização in vitro, o coito programado, o namoro em casa e fala das principais causas tanto femininas, quanto o masculinas e o que você deve fazer, as dicas do que o casal deve fazer para preservar a fertilidade, tanto alimentação, exercícios físicos os índices hormonais que essa paciente tem que estar para ter uma boa fertilidade, entre outras coisas. Então aqui esse livro ele vende no nosso site, mas os pacientes que se cadastrarem no site do fertilidade.org, elas recebem esse livro em casa, para quem tiver interesse é bem legal, porque no Google a gente vê muita coisa e a gente tem que filtrar o que é certo e o que é errado, porque tem muita coisa que não é cientificamente comprovado. Se você se interessar por esse ou mais assuntos, é só acertar nossas redes sociais.

livroamatotvtvfertilidade
Categories: Medicina

Congelamento de Óvulos

Mon, 04/10/2017 - 21:28
Criopreservação

Congelamento de óvulos

A dra. Juliana Amato (CRM 106.072) explica o processo de congelamento de óvulos e para quais mulheres ele é mais indicado. Confira tudo no vídeo!       ***** Transcrição: Eu sou a Doutora Juliana, sou especialista em ginecologia obstetrícia e reprodução assistida. Então, hoje nós vamos falar um pouquinho sobre congelamento de óvulos. As mulheres hoje em dia se casam mais tarde, querem estudar, fazer mestrado, doutorado, viajar, qualquer que seja o plano delas elas têm filhos mais tarde. O que a gente tem que colocar em mente que a mulher até os 35 anos ela pode engravidar com saúde, depois dos 35 anos a gente tem uma queda dessa reserva folicular, ou seja, uma queda da fertilidade e isso em estudos em várias populações mundiais a gente vê que isso acontece após os 35 anos. O que que a mulher ela deve ter em mente? Em preservar a sua fertilidade, e como isso não feito? Com congelamento de óvulos. Quais são as candidatas para congelamento de óvulos? Mulheres até 35 anos que não queiram engravidar por agora, que tenham algum plano de saúde ou que não tenha perspectiva de gravidez. Após os 35 anos o congelamento pode ser feito, mas as taxas de sucesso de descongelamento da fertilização in vitro são menores. Tem um diagnóstico de câncer de mama ou de câncer de ovário, converse primeiro com seu oncologista, o ideal é que se faça um ciclo de estimulação de ovulação antes do tratamento da quimioterapia ou da radioterapia se congele esses óculos para depois fazer o tratamento da quimioterapia ou da radioterapia, se congele esses óvulos para depois fazer o tratamento, pois os quimioterápicos eles tendem a reduzir muito drasticamente a reserva ovariana. Esses e outros assuntos vocês podem acessar também nas nossas redes sociais.   Leia mais em: Congelamento de óvulos congelamentocriopreservaçãoóvulosamatotv
Categories: Medicina

Acreditado como informação de qualidade pela HON Code

Fri, 04/07/2017 - 12:01
Informação de Qualidade

em Infertilidade e Reprodução Humana

Pelo sexto ano consecutivo a Clinica de Reprodução Humana e seu site Fertilidade.org são acreditados pelo HON Code, entidade das Nações Unidas que zela pela informação médica de qualidade na internet. O certificado pode ser visto atualizado no HON Code. Que esses 10 anos de site e 6 anos acreditados, dedicados à informação de qualidade para seus usuários, sejam apenas um começo. 

certificado
Categories: Medicina

Inseminação intra-uterina (IIU)

Sat, 03/25/2017 - 10:47

Intrauterine Insemination (IUI), Inseminação Intra Uterina (IIU), Inseminação in vitro

IIU

Inseminação Intra Uterina

A IIU - Inseminação Intra Uterina é também conhecida como IUI - Intrauterine Insemination.

O procedimento consiste na introdução do esperma capacitado dentro da cavidade uterina da mulher quando ocorre a ovulação. É utilizada quando o volume ou a concentração dos espermatozóides não são suficientes ou quando a mobilidade dos gametas decresce. Esta técnica também pode ser usada quando o muco cervical apresenta problemas. Em geral, neste procedimento, recomenda-se também o estímulo da ovulação na mulher como forma de potencializar os resultados. A taxa de sucesso da inseminação artificial depende muito das causas de infertilidade diagnosticadas. É essencial a permeabilidade em pelo menos uma das trompas, assim como um número mínimo de espermatozoides, para que a técnica funcione.
É um procedimento indolor realizado em consultório, ambulatorialmente, após o preparo do sêmen em laboratorio de infertilidade especializado.
É necessária a indução da ovulação por meio de medicamentos apropriados e acompanhamento ultrasonográfico frequente, onde será determinado o melhor momento para se fazer a inseminação.
No dia do procedimento, o parceiro deverá colher o material em laboratório, onde será processado, e a melhor amostra será separada para a inseminação no consultório.
A mulher não necessita de preparo especial no dia, devendo apenas comparecer na data e horários combinados.

 

 

Aonde fazer a avaliação inicial de infertilidade? Marque consulta com Dra Juliana Amato. Tel (11) 5053-2222

Leia tambem:

 

Autor: Dra. Juliana Amato

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

inseminaçãotratamentointrauterinoinseminação vitroLocal do corpo: ÚteroCuidados pós procedimento: Repouso relativo e uso hormonal (indicado pelo médico)Preparo: Preparo do sêmen em laboratórioTipo de procedimento: PercutaneousStatus: Bem definido
Categories: Medicina

Endometriose: o Conselho de um Médico sobre Viver Com uma Doença Dolorosa

Fri, 03/24/2017 - 12:50
Endometriose

Conselho

Endometriose é uma doença inflamatória pélvica que pode causar infertilidade e dor pélvica. Muitas vezes é difícil de diagnosticar porque não existem testes simples que identifiquem positivamente a endometriose. Toda mulher que experimenta dor pélvica ou infertilidade pode ter presença de endometriose, mas esses sintomas também podem ser devido a outras doenças ou problemas.

Endometriose consiste em Células Uterinas Crescendo Fora do Útero

Endometriose ocorre quando pequenas células que normalmente crescem no interior do útero começam a crescer fora do útero e dentro da pelve, próximas das trompas de Falópio e ao redor dos ovários. Estas pequenas células crescem ao longo do tempo e produzem substâncias químicas inflamatórias que podem causar inflamação e dor pélvica. Esta inflamação pode então levar a cicatrizes pélvicas e distorção da pelve que atrapalha a implantação e a fertilização. Estes pequenos implantes de células, bem como cicatrizes causadas por estes implantes nem sempre podem ser vistos por qualquer exame de imagem como o ultrassom, e eles são difíceis de identificar em um exame físico normal. Não há evidências de que possam ser vistas em algum exame de sangue.

O único modo conclusivo para identificar e diagnosticar endometriose é a realização de um determinado tipo de cirurgia que investiga a pelve para identificar essas áreas anormais com tecido cicatricial associado. Uma cirurgia minimamente invasiva através do umbigo, chamada de laparoscopia, normalmente é realizada para identificar a endometriose como causa da dor pélvica. Se a endometriose for identificada, estas áreas de inflamação podem ser removidas e as mulheres podem ter menos dor pélvica, mas a presença da endometriose pode contribuir para a infertilidade, mesmo depois da cirurgia.

Às vezes, a endometriose pode crescer dentro do ovário, criando um grande cisto que nós chamamos de endometrioma. Este é o único aspecto da endometriose que pode ser visto durante a ecografia, e se este tipo de cisto é visto, há uma preocupação maior de que outras áreas de endometriose podem estar presentes dentro da pelve.

 

Veja a relação da endometriose com a infertilidade.

endometrioseinfertilidade
Categories: Medicina

Engravida

Sun, 03/19/2017 - 21:37
Clinica

Reprodução Humana

Se você está procurando uma clínica para engravidar em São Paulo, a Fertilidade.org atua no tradicional Instituto Amato em São Paulo. Seu parceiro não a engravida? Ou você que não consegue engravidar? Há mais de um ano? Veja quando deve procurar o especialista em reprodução humana.

A equipe multiespecialidades oferece ampla gama de opções de tratamentos ginecológicos, sempre com o foco nos melhores resultados clínicos.

Atuando há mais de 33 anos, o tradicional Amato - Instituto de Medicina Avançado oferece as mais diversas especialidades para a saúde da mulher. Com atendimento qualificado, o hospital dia na Av Brasil 2283 é o local mais recente e moderno de atendimento. Além das consultas médicas, realizamos no próprio consultório exames de ultrassonografia ginecológica e obstétrica, exames de Papanicolaou, pesquisa do vírus HPV, inserção de DIU, implantes e cauterizações de lesões na região genital. A Dra Juliana Amato, líder da equipe trabalha como ginecologista, obstetra e atua na área da reprodução humana e em diversos hospitais como Hospital Albert Einstein e Pro Matre. Possuimos também centro cirurgico para procedimentos minimamente invasivos.
 

clínica
Categories: Medicina

Problemas de fertilidade - Visão geral do tratamento

Sun, 03/19/2017 - 21:22
Visão geral

da infertilidade

Alguns problemas de fertilidade são tratados mais facilmente do que outros. Em geral, quando uma mulher envelhece, principalmente após os 35 anos de idade, as chances de engravidar caem. E as chances de aborto espontâneo sobem.

Se você tem 35 anos ou mais, seu médico pode recomendar que você ignore algumas das etapas que os casais mais jovens costumam passar, às vezes indo para tratamentos mais objetivos. Isso porque suas chances de ter um bebê diminuem a cada ano que passa.

É importante entender que mesmo se você for capaz de engravidar, nenhum tratamento pode garantir um bebê saudável. Por outro lado, cientistas neste campo tem feito muitos avanços que têm ajudado milhões de casais a terem bebês.

Tome tempo para planejar

Antes de você e seu parceiro iniciarem o tratamento, fale sobre até onde você quer ir com o tratamento. Por exemplo, você pode querer tentar o tratamento clinico hormonal, mas pode não querer fazer cirurgia. Obviamente você pode mudar sua mente durante o tratamento, com as informações adquiridas, mas é bom começar com uma ideia de quais seriam seus limites.

Tratamento para fertilidade também pode custar muito. E o convênio médico muitas vezes não cobre essas despesas, às vezes consegue-se o reembolso de consulta e alguns exames. Se o custo é uma preocupação para você, pergunte quanto ao custo dos medicamentos e procedimentos. Em seguida, descubra se o seu convênio cobre todos os custos. Converse com seu parceiro sobre o quanto vocês podem pagar.

Pensar sobre isso antes do tempo pode ajudar a evitar que você seja emocionalmente e financeiramente drenada ao tentar uma série de tratamentos que você não tinha planejado.

Infertilidade: Devo fazer tratamento? Tratamento inicial Tratamento para a mulher

Tratamentos para problemas de fertilidade em mulheres depende do que pode estar impedindo a mulher de engravidar. Às vezes a causa não é conhecida.

  • Problemas com ovulação. O tratamento pode incluir tomar medicamentos, tais como:
  • Infertilidade inexplicável. Se seu médico não consegue descobrir por que você e seu parceiro ainda não conseguiram engravidar, o tratamento pode incluir:
  • Trompas bloqueadas ou danificadas. Se suas trompas de falópio estão bloqueadas, o tratamento pode incluir cirurgia das trompas.
  • Endometriose. Se de leve a moderada, a endometriose parecer ser a principal razão para a sua infertilidade, o tratamento pode incluir cirurgia por laparoscopia para remover o crescimento do tecido endometrial. Este tratamento não pode ser uma opção se você tiver endometriose grave. Para obter mais informações, consulte o tópico Endometriose.
Tratamento para o homem

Seu médico pode recomendar que você primeiro tente a inseminação. Os espermatozoides são coletados e concentrados para então aumentar o número de espermatozoides saudáveis para inseminação.

Quando os tratamentos iniciais não funcionam

Muitos casais que têm problemas para engravidar chegam a um ponto em comum: eles precisam decidir se querem tentar a tecnologia de reprodução assistida (TRA).

Para saber mais, consulte os Tratamentos de Infertilidade.

Se você já não pensou sobre adoção, esse pode ser um momento para pensar sobre isso. Alguns casais decidiram neste momento gastar seus recursos em adoção ao invés de FIV. Outros casais viram a FIV como a melhor opção.

Clínicas de tratamento de fertilidade

Clínicas de Tratamento de Fertilidade não estão amplamente disponíveis em algumas partes do país, especialmente nas zonas rurais e distantes de grandes centros. Talvez você precise viajar para fazer o tratamento. Recebemos pacientes de todo o Brasil, e do exterior.

Ao analisar as taxas clínicas de sucesso, esteja ciente de que clínicas para tratamento de problemas de fertilidade mais graves podem ter taxas mais baixas de sucesso. Então é possível que uma clínica com uma menor taxa de sucesso tenha maior autoridade global que clínicas com maiores taxas de sucesso.

A taxa de sucesso de uma clínica é influenciada por muitas coisas, incluindo o laboratório utilizado, as habilidades dos médicos, a experiência e a causa ou causas do seu problema de fertilidade.

Quando você analisar taxas de sucesso do tratamento, lembre-se que as taxas de natalidade são sempre inferiores a ovulação e taxas de gravidez. Abortos são comuns entre todas as mulheres. Mas eles são mais prováveis em mulheres com fatores de risco tais como idade ou condição crônica de saúde mal controlada.

fertilidadetratamentoplanejamento
Categories: Medicina

Congelando sêmen, óvulos ou embriões antes do tratamento de câncer

Sun, 03/19/2017 - 20:59
Congelando

sêmen, óvulos e embriões

Sêmen, óvulos ou embriões podem ser congelados e armazenados para possível utilização no futuro. Isso é conhecido como criopreservação. Criopreservação de espermatozoides, óvulos ou embriões pode ser uma opção possível para as pessoas que foram diagnosticadas com câncer, se o tratamento do câncer é provável de causar infertilidade.

Se você for diagnosticado com câncer, você deve ter a oportunidade de discutir o seu diagnóstico e o efeito do tratamento do câncer sobre a sua fertilidade, tanto com a sua equipe do câncer quanto com um especialista em fertilidade.

A decisão de congelar alguns espermatozoides, óvulos ou embriões depende de várias coisas, incluindo o tipo de câncer que você tem, seu plano de tratamento e quão rápido seu tratamento precisa começar. Sua equipe de saúde também deve levar em conta se o tratamento futuro da fertilidade tem boa probabilidade de ser bem-sucedido, e se a amostra armazenada ainda será utilizável quando você precisar dela. Você deve ser capaz de ter sua amostra congelada e armazenada por pelo menos 10 anos.

Os critérios para ter tratamentos de fertilidade que foram descritos ao longo deste outros artigos não se aplicam a pessoas que foram diagnosticadas com câncer e desejam usar criopreservação para preservar sua fertilidade. No entanto, se você precisar usar sua amostra congelada no futuro, estes critérios poderão ser aplicados.

Sêmen

Se você é um homem ou adolescente, você deve ser capaz de produzir uma amostra de sêmen congelado antes do seu tratamento de câncer começar. O armazenamento do seu espermatozoide deve continuar por mais de 10 anos se você ainda estiver em risco de problemas de fertilidade após este período.

Óvulos e embriões

Mulheres (e meninas adolescentes, se apropriado) que estão bem o suficiente para fazer estimulação ovariana e coleta de ovos devem ser indicadas para armazenamento de óvulos ou embriões, dependendo do que for mais adequado, antes do início do tratamento.

Você e sua equipe de saúde devem discutir se há tempo suficiente para fazer esse procedimento antes de iniciar o tratamento para o câncer (o processo de coleta de óvulos pode levar várias semanas), levando em consideração se ele pode piorar sua condição ou sua expectativa.

congelamentotratamento
Categories: Medicina

Fertilidade após a embolização uterina

Thu, 03/09/2017 - 19:24

Vários artigos descrevem gestações com êxito após o procedimento de embolização de miomas, entretanto, mulheres com mais de 40 anos são mais afetadas por miomas sintomáticos (>40% das mulheres acima de 40 anos), idade a partir da qual, por questões hormonais, naturalmente a fertilidade diminui. O questão sobre miomas e infertilidade ainda necessita de maiores pesquisas e investigações.  McLucas estudou mulheres com menos de 40 anos com intenção de engravidar e que foram submetidas à embolização de miomas, dessas 44 mulheres, 48% conseguiram engravidar com gestações a termo e bebês saudáveis. Entre elas, quatro tiveram duas gestações e uma teve três gestações após a EAU. Nesse grupo nenhuma apresentou placenta acreta, ruptura uterina, danos fetais ou déficit de crescimento, nenhuma apresentou complicações. Outros autores elencaram complicações como maior indice de perdas fetais, nascimento pre termo, placentas atopicas, hemorragia pos parto. Com a diminuição de 50% do volume dos miomas após a EAU esperaria-se um indice maior de trabalho de parto prematuro e má apresentações fetais, que são complicações associadas ao miomas em geral. Portanto, a EAU preserva o útero e a fertilidade. A EAU é alternativa valida para mulheres que desejam manter sua fertilidade, mas não é perfeita. O sucesso a longo termo para mulheres mais jovens é comparável às mulheres de mais idade, sugerindo que elas se beneficiam igualmente do procedimento. Poucas mulheres no grupo mais jovem apresentaram complicações que poderiam afetar a fertilidade, como a falência ovariana por exemplo.

A EAU oferece como benefício sobre a miomectomia para pacientes mais jovens o tratamento minimamente invasivo, deixando o útero intacto. A possibilidade da embolização da circulação ovariana existe, mas é uma complicação rara. O risco de recorrência é mais baixo que da miomectomia, de modo que a paciente pode planejar a gestação com maior liberdade de tempo após o procedimento. Os sintomas dos miomas melhoram e o planejamento familiar não ficará restrito a uma pequena janela de tempo.

Para miomas maiores em mulheres que desejam engravidar, um potencial planejamento terapêutico poderia ser a combinação da EAU com a miomectomia. A redução do volume dos miomas pela EAU permitiria o tratamento após 2 semanas com miomectomia de um modo menos invasivo. Principalmente em pacientes mais idosas que não querem esperar 6  meses para depois descobrir que os miomas não diminuiram o suficiente; mas também mulheres com uteros muito grandes, maiores que gestação de 18 semanas, que provavelmente não terão um utero pequeno o suficiente para a concepção. A embolização da artéria uterina prévia a miomectomia também diminui o sangramento intraoperatorio e também diminui a necessidade de nova miomectomia no futuro, 90% não precisarão de novo procedimento.

 

 

McLucas, Bruce, William D Voorhees, and Stephanie Elliott. "Fertility After Uterine Artery Embolization: A Review." Minim Invasive Ther Allied Technol 25, no. 1 (2016): doi:10.3109/13645706.2015.1074082.

Pron, Gaylene, John Bennett, Andrew Common, Jane Wall, Murray Asch, Kenneth Sniderman, and Ontario Uterine Fibroid Embolization Collaborative Group. "The Ontario Uterine Fibroid Embolization Trial. Part 2. Uterine Fibroid Reduction and Symptom Relief After Uterine Artery Embolization for Fibroids." Fertility and sterility 79, no. 1 (2003): 120-127.

Ravina, Jacques Henri, Nicole Ciraru Vigneron, Armand Aymard, Olivier Le Dref, and Jean Jacques Merland. "Pregnancy After Embolization of Uterine Myoma: Report of 12 Cases." Fertility and sterility 73, no. 6 (2000): 1241-1243.

vascularmioma
Categories: Medicina

Endometriose

Mon, 03/06/2017 - 22:12
Como engravidar

com endometriose

Fatos e definição de endometriose

  • Endometriose é o crescimento anormal de células (células endometriais) semelhantes às que se formam dentro do útero, mas em um local fora dele. Endometriose é mais comumente encontrada implantada em outros órgãos da pelve.
  • A causa exata da endometriose ainda não foi identificada.
  • A endometriose é mais comum em mulheres que estão passando pelo problema da infertilidade do que em mulheres férteis, mas a endometriose nem sempre causa infertilidade.
  • A maioria das mulheres com endometriose não têm sintomas, mas quando têm podem apresentar: 
    • Menstruação
    • Relações sexuais dolorosas
    • Micção ou Evacuações dolorosas (dor para ir ao banheiro)
    • Infertilidade
  • Dor pélvica durante a menstruação ou ovulação pode ser um sintoma de endometriose, mas também pode ocorrer em mulheres normais.
  • A suspeita de Endometriose pode ser com base no padrão dos sintomas da mulher e às vezes durante um exame físico, mas o diagnóstico definitivo é geralmente confirmado por cirurgia, mais frequentemente por videolaparoscopia.
  • O tratamento da endometriose inclui medicamentos e cirurgia para alívio da dor e tratamento da infertilidade, se a gravidez é desejada.

O que é endometriose?

Endometriose é o crescimento anormal de tecido endometrial semelhante àquele que reveste o interior do útero, mas em um local fora do útero. Tecido endometrial é renovado a cada mês durante a menstruação. Áreas de tecido endometrial, encontradas em localizações ectópicas (fora do normal) são chamadas de implantes endometriais. Estas lesões são mais comumente encontradas nos ovários, trompas de Falópio, superfície do útero, intestino e no revestimento da membrana da cavidade pélvica (ou seja, o peritônio). São menos comumente encontradas envolvendo a bexiga, colo do útero e vagina. Raramente, a endometriose pode ocorrer fora da pelve. Endometriose tem sido relatada no fígado, cérebro, pulmão e em  cicatrizes cirúrgicas antigas. Os implantes endometriais, embora possam se tornar problemáticos, são geralmente benignos (ou seja, não cancerosos).

Quais são as fases da endometriose?

Endometriose é classificada em uma das quatro fases (I - mínima, II - leve, III - moderada e IV - grave) com base na exata localização, extensão e profundidade dos implantes de endometriose, bem como na presença e gravidade de tecido cicatricial e com a presença e o tamanho dos implantes endometrióticos nos ovários. A maioria dos casos de endometriose é classificada como mínima ou leve, o que significa que existem implantes superficiais e cicatrizes suaves. A Endometriose moderada e grave normalmente resulta em cistos e cicatrizes mais graves. O estágio da endometriose não está relacionado com o grau de sintomas que uma mulher experimenta. A infertilidade é comum em endometriose de estágio IV.

 Quais são os sinais e sintomas da endometriose?

Na verdade, a maioria das mulheres que têm endometriose, não têm sintomas. Das que possuem, os mais comuns incluem:

  • Dor (geralmente pélvica) que normalmente ocorre apenas antes da menstruação e diminui após a menstruação
  • Relações sexuais dolorosas
  • Cólicas durante a relação sexual
  • Cólicas ou dor durante os movimentos intestinais ou durante a micção
  • Infertilidade
  • Dor em exames pélvicos

A intensidade da dor pode variar de mês para mês e pode variar muito entre as pacientes afetadas. Algumas mulheres experimentam uma piora progressiva dos sintomas, enquanto outras podem ter uma resolução da dor sem nenhum tratamento.

A Dor pélvica em mulheres com endometriose depende em parte de onde se situam os implantes endometriais.

  • Implantes mais profundos e implantes em áreas com mais terminações nervosas são mais capazes de produzir dor.
  • Os implantes também podem liberar substâncias na corrente sanguínea que são capazes de provocar dor.
  • A dor pode ser resultante de quando os implantes endometrióticos incitam a cicatrização dos tecidos circundantes. Parece não haver nenhuma relação entre a severidade da dor e a quantidade de doença anatômica que está presente.

A Endometriose pode ser uma das razões para a causa da infertilidade em casais saudáveis. Quando os exames laparoscópicos são realizados para avaliar a infertilidade, os implantes são frequentemente encontrados em pacientes que eram totalmente assintomáticas. As razões da diminuição da fertilidade em muitas pacientes com endometriose não são totalmente compreendidas. A endometriose pode incitar a formação de tecido cicatricial dentro da pelve. Se os ovários e as trompas de Falópio estiverem envolvidos, os processos mecânicos envolvidos na transferência dos óvulos fertilizados para as trompas podem ser alterados. Alternativamente, as lesões endometriais podem produzir substâncias inflamatórias que afetam adversamente a ovulação, a fertilização e a implantação.

Outros sintomas que podem estar relacionados à endometriose incluem:

  • Dor no abdômen inferior (dor na barriga baixa)
  • Diarréia e/ou constipação
  • Lombalgia
  • Fatiga crônica
  • Menstruação forte ou irregular
  • Dor ao urinar, ou
  • Sangue ao urinar (especialmente durante a menstruação).

Sintomas raros da endometriose incluem dor no peito ou tosse com sangue devido a endometriose nos pulmões, dor de cabeça e/ou convulsões devido a endometriose no cérebro.

E o risco de endometriose e câncer?

Alguns estudos têm postulado que as mulheres com endometriose têm um risco aumentado para o desenvolvimento de certos tipos de câncer de ovário, conhecido como câncer epitelial de ovário (CEO). Este risco é maior em mulheres com endometriose e infertilidade primária (aquelas que nunca passaram por uma gravidez). O uso da combinação de pílulas orais contraceptivas (POC), que são por vezes utilizadas no tratamento da endometriose, parece reduzir significativamente este risco.

As razões para a associação entre endometriose e câncer epitelial de ovário não são claramente compreendidas. Uma teoria diz que os implantes de endometriose se submetem a uma transformação maligna para o câncer. Outra possibilidade é que a presença da endometriose pode estar relacionada a outros fatores genéticos ou ambientais que servem para aumentar o risco das mulheres de desenvolverem câncer de ovário.

Quais as causas da endometriose?

A causa da endometriose é desconhecida. Uma teoria diz que o tecido endometrial é depositado em locais incomuns pelo fluxo retrógrado de detritos menstruais através das trompas de Falópio para as cavidades abdominais e pélvicas. A causa desta menstruação retrógrada não é entendida claramente. É claro que a menstruação retrógrada não é a única causa da endometriose, já que muitas mulheres que têm menstruação retrógrada não desenvolveram a condição.

Outra possibilidade é que áreas que alinham os órgãos pélvicos possuem células primitivas que são capazes de evoluir para outras formas de tecidos, tais como o endométrio. (Este processo é denominado coelomic metaplasia.)

Também é provável que a transferência direta dos tecidos endometriais no momento da cirurgia seja responsável pelos implantes de endometriose ocasionalmente encontrados em cicatrizes cirúrgicas (por exemplo, episiotomia ou cicatrizes de cesariana). A transferência de células endometriais através da corrente sanguínea ou do sistema linfático é a explicação mais plausível para os raros casos de endometriose que são encontrados no cérebro e outros órgãos distantes da pelve.

Finalmente, há evidências de que algumas mulheres com endometriose têm uma resposta imunológica alterada que pode afetar a habilidade natural do corpo para reconhecer o tecido endometrial ectópico.

O que dizer sobre a Endometriose e a infertilidade?

A Endometriose é mais comum em mulheres inférteis, em oposição a aquelas que passaram por uma gravidez. No entanto, muitas mulheres com endometriose confirmada são capazes de engravidar sem dificuldade, especialmente se a doença é leve ou moderada. Estima-se que acima de 70% das mulheres com endometriose leve ou moderada conseguirão engravidar no prazo de três anos sem qualquer tratamento específico.

As razões para uma diminuição na fertilidade quando a endometriose está presente não são completamente compreendidas. É provável que fatores anatômicos e hormonais sejam contributivos à diminuição da fertilidade. A presença da endometriose pode incitar a formação de cicatriz significativa (adesão) na pelve que pode distorcer as estruturas anatômicas normais. Alternativamente, a endometriose pode afetar a fertilidade através da produção de substâncias inflamatórias que têm um efeito negativo na ovulação, na fertilização do óvulo, e/ou na implantação do embrião. Infertilidade associada com endometriose é mais comum em mulheres com formas anatomicamente graves da doença.

Opções de tratamento para infertilidade associada à endometriose são variados, mas a maioria dos médicos acreditam que, para a endometriose, a cirurgia é superior ao tratamento médico. Quando apropriada, a tecnologia de reprodução assistida pode também ser utilizada como adjuvante ou alternativa ao tratamento cirúrgico.

A dieta afeta a endometriose?

Não existem dados bem estabelecidos que mostram que as modificações dietéticas podem evitar ou reduzir os sintomas da endometriose. Um estudo mostrou que um alto consumo de verduras e frutas foi associado com um risco menor de desenvolver endometriose, enquanto uma maior ingestão de carnes vermelhas foi associada com um risco mais elevado. Nenhuma associação foi vista com o consumo de café, leite ou álcool. Mais estudos são necessários para determinar se dieta desempenha um papel importante no desenvolvimento da endometriose.

Quais especialidades médicas tratam a endometriose?

A Endometriose é mais comumente tratada por ginecologistas/obstetras.

Há um exame para diagnosticar a endometriose?

A suspeita de Endometriose pode surgir com base nos sintomas de dor pélvica e descobertas durante exames físicos. Ocasionalmente, durante um exame reto-vaginal (um dedo na vagina e um dedo no reto), o médico pode sentir nódulos (implantes endometriais) atrás do útero e ao longo dos ligamentos que unem a parede pélvica. Outras vezes, nenhum nódulo é sentido, mas o exame em si causa dor incomum ou desconforto.

Infelizmente, nem os sintomas, nem o exame físico pode ser confiável para conclusivamente, estabelecer o diagnóstico da endometriose. Exames de imagem, tais como o ultrassom, podem ser úteis para excluir outras doenças pélvicas e podem sugerir a presença de endometriose nas áreas vaginais e na bexiga, mas eles não podem diagnosticar a endometriose com certeza absoluta. Para um diagnóstico preciso, uma inspeção visual direta dentro da pelve e no abdômen, assim como uma biópsia do tecido dos implantes são necessárias.

Portanto, o único método definitivo (de certeza) para diagnosticar a endometriose é a cirurgia. Requer videolaparoscopia (por furinhos) ou laparotomia (abertura do abdômen, fazendo uma grande incisão).

A laparoscopia é o procedimento cirúrgico mais comumente empregado, utilizado para o diagnóstico da endometriose. Este é um pequeno procedimento cirúrgico realizado sob anestesia geral, ou em alguns casos, sob anestesia local. É geralmente realizada como um procedimento ambulatorial (a paciente não fica internada durante a noite). A laparoscopia é realizada primeiro inflando a cavidade abdominal com um gás (dióxido de carbono), através de uma pequena incisão no umbigo. Um instrumento fino, de visão tubular (laparoscópio) é inserido na cavidade abdominal inflada para inspecionar o abdômen e a pelve. Os implantes endometriais então podem ser vistos diretamente.

Durante a laparoscopia, biópsias (remoção de amostras minúsculas de tecido para exame sob um microscópio) também podem ser realizadas a fim de obter um diagnóstico do tecido. Às vezes biópsias aleatórias obtidas durante a laparoscopia mostrarão a endometriose microscópica, mesmo que os implantes não sejam visualizados.

Laparoscopia e ultrassom pélvico também são importantes na exclusão de neoplasias malignas (como câncer de ovário) que podem causar muitos dos mesmos sintomas que imitam os sintomas da endometriose.

Qual é o tratamento para a endometriose?

Endometriose pode ser tratada com medicamentos e/ou cirurgia. Os objetivos do tratamento da endometriose podem incluir alívio dos sintomas e/ou aumento da fertilidade.

Quais os medicamentos que tratam a endometriose?

Antiinflamatórios não-esteroides (AINEs)

Medicamentos antiinflamatórios não-esteroides ou AINEs são comumente prescritos para ajudar a aliviar a dor pélvica e as cólicas menstruais. Esses medicamentos para aliviar a dor não têm efeito sobre os implantes endometriais ou a progressão da endometriose. No entanto, eles diminuem a produção de prostaglandinas, e as prostaglandinas são conhecidas por ter um papel na causa da dor. Como o diagnóstico da endometriose só pode ser definitivamente confirmado com uma biópsia, muitas mulheres com queixas, suspeitas de que possuem endometriose são tratadas para dor primeiro sem um diagnóstico firme ser estabelecido. Sob tais circunstâncias, os AINEs são comumente usados como um tratamento empírico de primeira linha. Se eles forem eficazes no controle da dor, outros procedimentos ou tratamentos médicos não serão necessários. Se eles são ineficazes, tratamento e uma avaliação adicional será necessária.

Como a endometriose ocorre durante os anos reprodutivos, muitos dos tratamentos médicos disponíveis para endometriose se baiseiam na interrupção da produção hormonal cíclica normal dos ovários. Estes medicamentos incluem os análogos GnRH, pílulas contraceptivas orais e progesterona prescritos pelo ginecologista.

Análogos do hormônio liberador de gonadotrofinas (análogos de GnRH)

Análogos do hormônio liberador de gonadotrofinas (análogos de GnRH) têm sido efetivamente usados para aliviar a dor e reduzir o tamanho dos implantes de endometriose. Estas drogas suprimem a produção de estrogênio pelos ovários, inibindo a secreção de hormônios reguladores da glândula pituitária. Como resultado, para os períodos menstruais, imitando a menopausa. Formas nasais e injeção de agonistas de GnRH estão disponíveis.

Os efeitos colaterais são do resultado da falta de estrogênio e incluem:

  • ondas de calor
  • secura vaginal
  • sangramento vaginal irregular
  • alterações de humor
  • fadiga, e
  • Perda da densidade óssea (osteoporose).

Felizmente, repor pequenas quantidades de progesterona em forma de pílula (semelhante aos tratamentos, por vezes, utilizados para o alívio dos sintomas da menopausa), pode evitar muitos dos efeitos colaterais irritantes devido à deficiência de estrogênio. "Adicionar terapia de reposição" é um termo que se refere a esta forma moderna de administrar agonistas de GnRH juntamente com progesterona, de forma a garantir a conformidade, eliminando a maioria dos indesejados efeitos colaterais da terapia de GnRH.

Pílulas contraceptivas

Pílulas contraceptivas orais (combinação de estrogênio e progesterona) são também por vezes utilizadas para tratar a endometriose. A combinação mais comum usada é em forma de pílula contraceptiva oral (PCO). Às vezes as mulheres que têm dor menstrual severa são convidadas a tomar a PCO continuamente, significando ignorar o placebo (hormonalmente inerte) como parte do ciclo. O uso contínuo, dessa maneira, geralmente irá parar a menstruação por completo. Ocasionalmente, ganho de peso, mastalgia, náusea, e sangramento irregular podem ocorrer. Pílulas contraceptivas orais são geralmente bem toleradas em mulheres com endometriose.

Progesterona

Progesterona [por exemplo, acetato de medroxiprogesterona (Provera, Cycrin, Amen), acetato de noretisterona, acetato de norgestrel (Ovrette)] são mais potentes do que os anticoncepcionais e foram recomendadas para mulheres que não obtêm alívio da dor ou não podem tomar uma pílula anticoncepcional. Elas podem ser úteis para as mulheres que não respondem a, ou não podem tomar (por razões médicas) contraceptivos orais.

Efeitos colaterais são mais comuns e incluem:

  • mastalgia
  • distenção abdominal
  • ganho de peso
  • sangramento uterino irregular, e
  • depressão.

Como a ausência de menstruação (amenorreia) induzida pelas altas doses de progesterona podem durar muitos meses após o término da terapia, estas drogas não são recomendadas para mulheres que estão planejando uma gravidez imediatamente após o término da terapia.

Outras drogas usadas para tratar a endometriose Danazol (Danocrine)

Danazol (derivado da etisterona, esteróide sintético) é uma droga sintética que cria um alto andrógeno (hormônio do sexo masculino) e baixo nível hormonal de estrogênio por interferir na ovulação e na produção ovariana de estrogênio. Oitenta por cento das mulheres que tomam esta droga têm alívio da dor e encolhimento dos implantes de endometriose, mas até 75% das mulheres desenvolvem efeitos colaterais da droga significativos. Estes incluem:

  • ganho de peso
  • edema (inchaço)
  • encolhimento da mama
  • acne
  • pele oleosa
  • Hirsutismo (crescimento de cabelo de padrão masculino)
  • intensificação da voz
  • dor de cabeça
  • ondas de calor
  • alterações da libido, e
  • alterações de humor.

Exceto para as alterações de voz, todos esses efeitos colaterais são reversíveis. Em alguns casos, a resolução dos efeitos colaterais pode levar muitos meses. Danazol não deve ser tomado por mulheres com certos tipos de doenças no fígado, rim ou doenças do coração. Este produto é raramente usado.

Inibidores da aromatase

Uma abordagem mais atual para o tratamento da endometriose envolve a administração de medicamentos conhecidos como inibidores da aromatase (por exemplo, anastrozole [Arimidex] e letrozole [Femara]). Estas drogas atuam interrompendo a formação do estrogênio local dentro dos implantes de endometriose. Elas também inibem a produção de estrogênio dentro do ovário e do tecido adiposo. Pesquisas estão em andamento para avaliar a eficácia dos inibidores de aromatase no tratamento da endometriose. Inibidores da aromatase podem causar perda óssea significativa com o uso prolongado. Devem também ser empregados em combinação com outras drogas em mulheres pré-menopáusicas devido aos seus efeitos sobre os ovários.

Cirurgia para endometriose?

Tratamento cirúrgico para endometriose pode ser útil quando os sintomas são graves ou quando há uma resposta inadequada à terapia médica. A cirurgia é o tratamento preferido quando há distorção anatômica dos órgãos pélvicos ou obstrução do intestino ou do trato urinário. Ela pode ser classificada como conservadora, em que o útero e tecido ovariano são preservados, ou definitiva, que envolve histerectomia (remoção do útero), com ou sem remoção dos ovários. Obviamente implicando na fertilidade da mulher.

A cirurgia conservadora é normalmente realizada por laparoscopia. Implantes endometriais podem ser extirpados ou destruídos por diferentes fontes de energia (por exemplo, laser, corrente elétrica). Se a doença for extensa e de anatomia distorcida, a laparotomia pode ser necessária.

Enquanto os tratamentos cirúrgicos podem ser muito eficazes na redução da dor, estima-se que a taxa de recorrência da endometriose após tratamento cirúrgico conservador é tão elevada quanto 40%. Muitos médicos recomendam realizar terapia médica após a cirurgia na tentativa de evitar a recorrência da doença sintomática.

Quem desenvolve endometriose?

Endometriose afeta as mulheres durante seus anos reprodutivos. A prevalência exata da endometriose não é conhecida, uma vez que muitas mulheres que são identificadas mais tarde como tendo a condição são assintomáticas. Estima-se que a endometriose afeta mais de 1 milhão de mulheres (as estimativas variam de 3% a 18% das mulheres) nos Estados Unidos. É uma das principais causas de dor pélvica e é a responsável por muitas das laparoscopias e histerectomias realizadas por ginecologistas. As estimativas sugerem que 20% a 50% das mulheres em tratamento para infertilidade têm endometriose, e que até 80% das mulheres com dor pélvica crônica podem estar afetadas.

Enquanto a maioria dos casos de endometriose é diagnosticada em mulheres com idade entre 25 a 35 anos, a endometriose tem sido relatada em meninas a partir dos 11 anos de idade. Endometriose é rara em mulheres pós-menopáusicas. Estudos ainda sugerem que a endometriose é mais comum em mulheres mais altas, finas, com uma baixa massa corporal (IMC). Atrasar a gravidez até uma idade avançada, nunca dar à luz, ou início precoce da menstruação e menopausa tardia foram apontados como fatores de risco para endometriose. Também é provável que existam fatores genéticos que predispõem a mulher a desenvolver endometriose, uma vez que ter um parente de primeiro grau com a condição aumenta a chance de que uma mulher vá desenvolver a condição.

Endometriose pode ser prevenida?

Como a causa da endometriose é mal compreendida, não existem formas conhecidas efetivas para impedir o seu desenvolvimento.

Qual é o prognóstico para uma mulher com endometriose?

A endometriose é comumente uma doença dos anos reprodutivos, e os sintomas geralmente desaparecem depois que a mulher atinge a menopausa. Para as mulheres que experimentam sintomas, algumas terapias estão disponíveis para socorro. Tratamentos para a infertilidade associada com endometriose também estão disponíveis para ajudar a aumentar as chances de uma mulher engravidar

 

----------------------

Endometriose e infertilidade

A infertilidade pode ser o primeiro sinal de endometriose em muitas mulheres. Cerca de 30% a 40% das mulheres com endometriose têm alguns problemas para engravidar. A razão para isso não é bem compreendida, e cicatrizes do trato reprodutivo podem desempenhar um papel importante. Fatores hormonais também podem estar envolvidos. Felizmente, tratamentos para tratar a infertilidade são eficazes para muitas mulheres.

 

 

endometrioseinfertilidadedoença
Categories: Medicina

Perguntas para serem feitas

Thu, 03/02/2017 - 17:26
Quais perguntas devo

fazer para o especialista em infertilidade?

Estas perguntas podem ajudá-la a discutir sua condição ou os tratamentos que foram oferecidos junto com seu médico especializado em reprodução humana. Abaixo algumas idéias de perguntas que podem surgir para serem feitas no momento da consulta inicial. A maior parte das perguntas já foram respondidas aqui no site, e algumas delas são bem personalizadas e só podem ser respondidas em consulta, mas é sempre bom ouvir o especialista.

Problemas de Fertilidade

Exames de Fertilidade

Tratamentos

Geral

  • Pode me dizer por que você decidiu me oferecer esse tipo específico de tratamento?
  • Quais são os prós e contras deste tratamento?
  • O que isso irá envolver?
  • Existe algum risco associado a este tratamento?
  • Quais são minhas opções para fazer tratamentos diferentes daqueles que me ofereceram?
  • Há mais algumas outras informações (como um folheto, DVD ou um site que eu possa acessar) sobre o tratamento que eu posso fazer?

Tratando as causas de problemas de fertilidade

  • Eu sou incapaz de ejacular: pode explicar as opções de tratamento disponíveis para me ajudar?
  • Eu tenho um distúrbio de ovulação: você pode explicar que tipo de tratamento de indução de ovulação seria mais adequado para mim?
  • Quais são minhas chances de ter uma gravidez múltipla com este tratamento?
  • Você pode explicar mais sobre a perfuração ovariana laparoscópica e se isso pode me ajudar?
  • Se eu tenho endometriose posso ainda engravidar naturalmente? Quais são as opções de tratamento para me ajudar?
  • Existe algum tratamento para infertilidade inexplicável que podemos tentar?

Inseminação intra-uterina

  • Se a contagem de espermatozoides do homem é baixa a IIU nos ajudaria a engravidar?
  • Você pode explicar mais sobre os procedimentos envolvidos na utilização de espermatozoides de um doador para IIU?

Tratamento de FIV

Congelamento de sêmen, óvulos e embriões

perguntasfaq
Categories: Medicina

Pages