vascular.pro

Subscribe to vascular.pro feed
Clinica de cirurgia vascular, angiorradiologia, endovascular, ecodoppler vascular, angiologia e radiologia intervencionista. Tratamento de varizes com laser.
Updated: 1 min ago

O pé diabético tem cura?

Tue, 04/02/2019 - 11:44

O pé diabético não tem cura, mas na realidade é possivel controlar o problema na maioria das vezes, desde que haja muita dedicação do paciente. Somente as orientações médicas e remédios não são suficientes, é preciso comprometimento do paciente com o tratamento. Cuidados com os pés diabéticos.

pé diabético
Categories: Medicina

Como é feito o tratamento do pé diabético?

Tue, 04/02/2019 - 11:42

É imprevisível a evolução das lesões nos diabéticos, particularmente quando se associam à polineuropatia, à vasculopatia e às infecções.
É necessário o controle rigoroso da glicemia através da dieta e de insulina ou hipoglicemiantes orais, bem como da limpeza diária e tratamento precoce das lesões - o mais imediato possível.
A cirurgia arterial direta, a simpatectomia e o desbridamento das lesões são possibilidades que podem ser indicadas pelo médico. Muitas vezes é necessário a associação de vários tratamentos.
Veja os cuidados necessários com o pé diabético.

pé diabético
Categories: Medicina

Como é feito o diagnóstico do pé diabético?

Mon, 04/01/2019 - 20:04

O diagnóstico é feito pela história clínica (anamnese) e pelo exame físico da lesão por um médico competente. A lesão, quando avançada, geralmente é indolor porém extensa e de odor extremamente desagradável devido à necrose úmida que provoca.
Casos mais avançados, como o pé de Charcot, ocorre fraturas e deslocamentos dos ossos dos pés e/ou tornozelo que ocorrem como resultado de pequenos traumatismos também chamado de "articulação de Charcot".

pé diabético
Categories: Medicina

Quais são os sintomas do pé diabético?

Mon, 04/01/2019 - 20:01
  • Desaparecimento ou diminuição dos reflexos do tendão, das rótulas e do calcanhar são freqüentes,
  • Diminuição na sensibilidade de temperatura e dor e áreas de anestesia explicam as lesões,
  • Mau cheiro exalado pela gangrena diabética e infecção.
pé diabético
Categories: Medicina

O controle da diabetes é importante?

Mon, 04/01/2019 - 20:00

Sim, ficou comprovado que ocorre queda nas taxas de hemoglobina glicosilada, e esta é utilizada exatamente para medir o controle da diabetes no paciente.

pé diabético
Categories: Medicina

Varizes é somente um problema estético?

Mon, 04/01/2019 - 19:06

Varizes é uma doença, que tem um componente estético. Além de incomodar na aparência, também pode levar a sérias complicações.
A partir do momento em que passa a causar sintomas, como inchaço, dor nas pernas, cãibras, sensação de peso, cansaço vespertino em membros inferiores, hiperpigmentação (manchas), dermatite ou eczema (coceira e descamação) deixa de ser um problema somente estético. Tanto a doença como o problema estético podem ser tratados.

varizes
Categories: Medicina

As varizes podem voltar mesmo após a cirurgia?

Fri, 03/29/2019 - 01:17

As mesmas veias, se foram efetivamente tratadas, ou seja, se a cirurgia for bem feita, não voltam, entretanto, outras veias doentes podem aparecer com o tempo. Isso é normal, pois tratamos a conseqüência e não a causa primária.

A causa é genética, e, para isso, ainda não há cura definitiva. Pode ser necessário uma "manutenção" periódica do tratamento das varizes, para evitar acumular muito e necessitar outro grande tratamento.

varizes
Categories: Medicina

Gravidez causa varizes?

Fri, 03/29/2019 - 01:12

Não, somente mulheres com refluxo venoso (ex: dano valvular) ou genética para a doença antes da gravidez apresentam varizes depois do parto ou durante a gestação. Então não é a causa das varizes, mas sim da piora se já houver um problema valvar prévio. 
Durante a gravidez ocorre um aumento de 40% do volume sangüíneo, aumentam também os hormônios que mudam os tecidos dos vasos sangüíneos, esticando-os e os vasos que ali estavam podem ficar mais aparentes. Mas apareceriam de qualquer forma, cedo ou tarde, independente da gestação. Porém algumas mulheres podem ter varizes por causa da gravidez, mas é um grupo menor que possui síndrome da congestão pélvica e passam por um parto normal. Podendo ter também varizes vulvares ou de coxa proximal.
Portanto a cirurgia de varizes com sintomas no intervalo de duas gestações não só é possível, como recomendável. Agora, com o advento da cirurgia de varizes com laser, um procedimento que pode ser feito com anestesia local com alta precoce, ficou mais evidente ainda o benefício do tratamento também precoce e minimamente invasivo.
Se você tem varizes e está pensando em engravidar, não precisa parar o tratamento das varizes enquanto não engravidar. 
Se você tem varizes e descobriu que está gravida, o melhor é passar para o tratamento clínico de varizes enquanto durar a gestação.
Cordts, P R, and T S Gawley. "Anatomic and Physiologic Changes in Lower Extremity Venous Hemodynamics Associated with Pregnancy." Journal of vascular surgery : official publication, the Society for Vascular Surgery [and] Internationa Society for Cardiovascular Surgery, North American Chapter 24, no. 5 (1996): 763-7.
Sparey, C, G Sissons, N Haddad, S Rosser, and L de Cossart. "Serial Colour Flow Duplex Scanning of the Veins of the Lower Limb Throughout Pregnancy." British journal of obstetrics and gynaecology 106, no. 6 (1999): 557-62.
Sparey, C, N Haddad, G Sissons, S Rosser, and L de Cossart. "The Effect of Pregnancy on the Lower-Limb Venous System of Women with Varicose Veins." European journal of vascular and endovascular surgery : the official journal of the European Society for Vascular Surgery 18, no. 4 (1999): doi:10.1053/ejvs.1999.0870.

varizes
Categories: Medicina

Para que operar varizes se elas vão voltar ?

Wed, 03/27/2019 - 00:22

Inicialmente, devemos focar na bomba periférica, responsável pelo retorno venoso, e não somente nas veias varicosas. O ecodoppler é o melhor exame para avaliar a função da musculatura.
Operar sem o mapeamento venoso é possível, porém não é recomendável, pois a cirurgia se baseará somente no aspecto estético, e portanto, com um maior risco de recidiva.
Poucos cirurgiões se mantém atualizados nas últimas técnicas desenvolvidas e muitas vezes a cirurgia é realizada por residentes levando a índices de recidiva de 23% em 1 ano e 76% em 5 anos.
Utilizando as técnicas modernas a recidiva também ocorre, mas não em veias pré existentes, mas sim, em novas veias varicosas (3-4%)

varizes
Categories: Medicina

Ficar em pé muito tempo causa varizes?

Wed, 03/27/2019 - 00:18

Enquanto o coração leva o sangue para os órgãos pelas artérias, as veias são responsáveis pelo retorno desse sangue, mas o coração sozinho não tem força suficiente para esse retorno. A musculatura da batata da perna é responsável pelo retorno do sangue pelas veias para o coração, e é chamada de bomba periférica ou coração periférico.
A falha da bomba periférica é causada usualmente por deficiências das válvulas venosas. Essas válvulas podem falhar, mas causar sintomas somente mais tarde, quando já ocorreu dano na pele e tecido subcutaneo. Nao existe, no momento, maneira efetiva e definitiva de fazer as válvulas voltarem a funcionar corretamente. O uso da meia elástica (prescrita pelo médico) pode auxiliar o funcionamento dessas válvulas pois diminuem o diâmetro venoso enquanto estão sendo usadas, efeito que desaparece logo após sua retirada.
O fato de ficar muito tempo em pé não causa varizes, mas em pacientes com válvulas danificadas, elas aparecerão mais rapidamente, ficando piores e mais graves. Sendo então um fator de piora, mas não desencadeante de varizes.

varizes
Categories: Medicina

Retirada de cateter de quimioterapia

Wed, 03/27/2019 - 00:12
Retirada de Cateter de Quimioterapia

Se tem um procedimento simples dentro da cirurgia vascular que é agradável de realizar é a retirada de um cateter de quimioterapia após o tratamento do câncer com êxito.
A passagem do cateter de quimioterapia é um momento crítico, pois frequentemente vem acompanhado do diagnóstico do câncer, toda angústia e dúvida se aflora nesse procedimento, que é apenas um dos primeiros passos de uma grande batalha. O cirurgião vascular é um mero coadjuvante no tratamento dessa doença, e quanto menos for necessário, melhor. Somos expectadores, participantes ocasionais, onde o maestro é o oncologista. Quer dizer que o cateter funcionando, não precisa de manutenção, além da irrigação periódica, mas não precisa do vascular. Mas, após vencida essa batalha, vem o momento da retirada do cateter, um momento único, e final da batalha. Tem um significado psicológico muito grande para o paciente, e é sempre bom participar desse momento: a guerra vencida. É um procedimento que o paciente realiza com prazer, pois sabe que não será necessário outro. É muito bom participar desse momento.

catetervascularretiradaendovascular Select ratingGive Retirada de cateter de quimioterapia 1/5Give Retirada de cateter de quimioterapia 2/5Give Retirada de cateter de quimioterapia 3/5Give Retirada de cateter de quimioterapia 4/5Give Retirada de cateter de quimioterapia 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Trombose Venosa Profunda (TVP): coágulo dentro da veia

Tue, 03/19/2019 - 10:17

A você paciente, nossos cumprimentos. Se está lendo este pequeno texto, isto significa que está interessado na sua saúde. Para se aprofundar no assunto ou avaliar a sua situação, passe em consulta com um cirurgião vascular.

A palavra trombose, que tanto nos assusta, significa a coagulação, uma espécie de solidificação do sangue dentro dos vasos sanguíneos que impede o fluxo sanguíneo. Ocorre a formação de coágulos de forma indiscriminada dentro dos vasos. O sistema de coagulação na sua função normal serve para evitar que, num trauma, a perda de sangue seja exagerada. Então, a trombose é a oclusão de uma artéria ou veia por causa de um coágulo que não deveria ter ocorrido e acaba impedindo a corrente sanguinea. Muitas pessoas confundem a trombose venosa com a arterial, ou seja, aquela que ocorre nos vasos responsáveis pela condução do sangue para nutrir as extremidades. Não é. A trombose venosa ocorre nos vasos sanguíneos responsáveis pelo retorno do sangue ao coração e pulmões, depois de passar pelos tecidos de nosso corpo. Ao contrario da trombose nas artérias, a trombose venosa raramente é causa de amputação, ainda assim, está longe de ser doença benigna.

Complicações ligadas à trombose venosa:

Existem pelo menos duas complicações importantes, uma de curto prazo e outra de longo prazo ligadas a TVP. Na fase aguda (que dura alguns dias), pode ocorrer o deslocamento do trombo ou a formação de novo trombo a partir do local de formação (90% se inicia nas pernas) e este material viaja através do sistema venoso até causar a oclusão de um vaso no pulmão. Isto é chamado embolia pulmonar. Se a oclusão for múltipla ou em vasos pulmonares maiores, há risco de falência cardíaca, infarto pulmonar e até morte. Passada a fase aguda, o trombo na veia costuma se estabilizar e a chance de embolia pulmonar diminui drasticamente. Entretanto, se a trombose na perna não for tratada adequadamente, a dificuldade do retorno do sangue ao longo dos anos pode causar o represamento do sangue nessa perna e isso é a causa da segunda complicação, a chamada síndrome pós trombótica. Esta é caracterizada pelo inchaço crônico, sensação de peso ou dor de forma geral, escurecimento das pernas e, nos estágios mais graves, a abertura de feridas geralmente próximas aos tornozelos. Podendo demorar meses ou até mesmo anos para cicatrizar, essa síndrome é fonte considerável de sofrimento ao portador.

Qual a origem da TVP?

A TVP pode ocorrer sem um motivo aparente, mas a maioria (7 em cada 10) pode ser relacionada a algum fator de risco como:

  • Cirurgia recente, em especial as prolongadas, ortopédicas, por câncer e em pacientes acima de 40 anos
  • Traumatismos, principalmente associado a fratura
  • Outro fator de risco é o Câncer em atividade
  • É importante também a Imobilização prolongada (ficar muito tempo sentada, no leito)
  • Insuficiência cardíaca
  • Trombose venosa prévia
  • Gestação no último trimestre, e logo após o parto
  • Uso de anticoncepcionais e hormônios
  • Familiares (pais e irmãos) com TVP sem causa identificada
  • E a hospitalização. A TVP é uma das principais causas de mortalidade – não ligada à doença primária da internação durante a hospitalização – que é passível de prevenção

Alguns fatores são mais importantes do que outros, como as trombofilias, por exemplo.

Um fator de risco para trombose quando associado a outro, aumenta significativamente o risco de TVP.

Quais são os sintomas da TVP?

Um aspecto difícil com relação a esta doença é o fato de metade dos casos não apresentarem sintomas. Por outro lado, quando estes existem, em especial na presença de fatores de risco, devem ser valorizados. Dor em peso ou aperto associado ao inchaço em apenas uma das extremidades – que pode ser superior (braços), mas 90% dos casos envolvem os inferiores (pernas) – devem chamar a atenção para a possibilidade de TVP. Inchaços em ambos os lados sugerem outras causas, frequentemente sistêmicas como insuficiência cardíaca, renal, hepática, alterações da tireóide e outras.

Como se trata a TVP?

A TVP, quando diagnosticada e tratada precocemente, geralmente evolui bem, bastando o uso de medicamentos anticoagulantes, que atualmente podem ser administrados por via injetável e/ou por via oral. O uso destes anticoagulantes diminui a chance das complicações como embolia pulmonar e síndrome pós trombótica, ou ao menos minimiza seu impacto. O tempo de tratamento pode variar de poucas semanas até indefinidamente dependendo de sua origem, e pode envolver mais do que um tipo de medicação ao longe desse tempo.

Com relação a viagens, a chance exata de desenvolver trombose não está bem estabelecida. Sabemos que não é muito frequente, mas os portadores dos fatores de risco e, particularmente, em viagens aéreas de longa duração devem receber atenção especial. Beber agua em abundância, movimentar-se de hora em hora e, eventualmente, utilizar meias de compressão são medidas interessantes e suficientes para a maioria dos viajantes.

O uso de meias elásticas saiu recentemente das diretrizes com relação à prevenção da síndrome pós trombótica, mas continua sendo muito importante no alívio dos sintomas.

O exercício físico e a movimentação deve ser liberada pelo seu cirurgião vascular, mas, exceto poucos casos bem específicos, provavelmente será autorizado.

Dica:

Se você tem dúvidas sobre a prevenção, diagnóstico ou tratamento de trombose, converse com seu cirurgião vascular. Ele é o especialista que tem conhecimento sobre as melhores técnicas de investigação, prevenção e tratamento podendo, em conjunto com o paciente, definir a melhor forma de controlar esse problema.

Veja no vídeo o coágulo se formando. Veja os sintomas da trombose venosa.

A trombose venosa profunda é assunto recorrente aqui simplesmente pela sua importância e gravidade. 1 em cada 10 mortes em hospital ocorrem decorrentes da embolia pulmonar, sua principal complicação. Leia nossos outros artigos também:

$(window).on('message', function(e) { var tmp = (eval('(' +e.originalEvent.data+')')); window.hasOwnProperty = window.hasOwnProperty || Object.prototype.hasOwnProperty; if(tmp.hasOwnProperty('nhs_redirect')){ window.location.href = tmp.nhs_redirect; } });

 

 

Fonte: SBACV, Trombose Venosa Profunda. 2015

Tags: vascularvenosotrombose Select ratingGive Trombose Venosa Profunda (TVP): coágulo dentro da veia 1/5Give Trombose Venosa Profunda (TVP): coágulo dentro da veia 2/5Give Trombose Venosa Profunda (TVP): coágulo dentro da veia 3/5Give Trombose Venosa Profunda (TVP): coágulo dentro da veia 4/5Give Trombose Venosa Profunda (TVP): coágulo dentro da veia 5/5 Average: 3.7 (6 votes)
Categories: Medicina

Pages