vascular.pro

Subscribe to vascular.pro feed
Clinica de cirurgia vascular, angiorradiologia, endovascular, ecodoppler vascular, angiologia e radiologia intervencionista. Tratamento de varizes com laser.
Updated: 47 min 9 sec ago

Veias Varicosas e Varizes

Wed, 04/25/2018 - 19:56

Veias varicosas afetam a vida de milhões de pessoas. E por causa dessa frequência e divulgação, a maioria das pessoas reconhece facilmente as veias varicosas como veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nu e que saltam por sobre a pele. O diagnóstico muitas vezes é feito pelo próprio paciente.
Mas você sabia que você pode ter veias varicosas não tão aparentes e nem ficar sabendo?
Muitas dessas veias estão abaixo da superfície da pele e não são visíveis. As teleangectasias visíveis e as veias varicosas às vezes são apenas a ponta do iceberg. Embora a maioria dos pacientes procure ajuda médica porque esta descontente com a parte estética das teleangectasias e das veias varicosas, isso pode esconder, de fato, um problema venoso muito maior.
As teleangectasias e veias varicosas podem ser um sinal externo, ou um aviso, de que há um problema interno que é conhecido como insuficiência venosa. Pacientes que têm dor crônica, desconforto, sensação de peso ou câimbras, são pacientes que têm mais chance de possuir insuficiência venosa.
As veias varicosas normalmente aparecem em adultos e podem ser causadas por uma variedade de fatores genéticos, ambientais e ocupacionais. O histórico familiar de veias varicosas, múltiplas gravidezes, exposição ao hormônio estrogênio com medicamentos, um estilo de vida sedentário, trauma de tecidos moles e algumas profissões que requerem muito tempo sentado ou de pé. Histórico de trombose e idade avançada, podem todos contribuir para o desenvolvimento da doença venosa, como veias varicosas e insuficiência venosa.
As pessoas frequentemente pensam “O que causa a veia varicosa?”
Enquanto veias normais do nosso corpo trazem o sangue de volta para cima, trazem o sangue das pernas de volta para o coração, as veias varicosas permitem o fluxo sanguíneo nas duas direções, tanto para cima, para o coração, quanto para baixo, para os pés. Isso porque as veias perderam sua habilidade de vencer a gravidade, que está constantemente fazendo força para trazer o sangue para baixo.
Se a gravidade vencesse e todo o nosso sangue parasse em nossos pés, nós iríamos desmaiar. Para evitar que isso aconteça, nós temos válvulas na maior parte de nossas veias, que somente permitem o fluxo em um sentido.
Mas enquanto as veias começam o processo de se tornar varicosas, as paredes vão ficando mais fracas e dilatando. Enquanto elas dilatam, as paredes das veias ficam mais distantes, afastando as válvulas e permitindo que a gravidade vença, empurrando um pouquinho de sangue em direção aos nossos pés, que seria o refluxo.

O que são varizes?
Veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nú. Essa é a definição mais imples e prática que existe.

O que causa esse enfraquecimento das paredes venosas?
Pesquisas recentes mostram que esse é um processo complicado que envolve a inflamação do corpo, que resulta no dano da parede da veia. Até o momento, não se sabe definitivamente o que desencadeia essa inflamação ou o que pode preveni-la, mas temos alguns indícios.
Os flebologistas têm a esperança de que um dia haverá uma maneira de impedir essa inflamação ou impedir o dano na parede venosa e prevenir a formação das veias varicosas completamente, mas até o momento ainda não há.
Além dos problemas estéticos que as veias dilatadas criam, elas também apresentam uma variedade de outros problemas para as pessoas que as possuem. Sempre que algo em nosso corpo começa a se esticar, ele começa a doer. Essa é a razão pela qual as pessoas que têm veias varicosas frequentemente experimentam sintomas desagradáveis nas pernas, incluindo dor, latejamento, queimação, peso ou fadiga nas pernas, além de uma coceira intensa sobre as veias dilatadas.
Algumas pessoas acordam com dor nas pernas, tipo câimbra, em decorrência das veias varicosas. Esses sintomas normalmente aparecem quando a pessoa tem que ficar muito tempo de pé ou sentada. Por esta razão as pessoas com profissões que não permitem uma movimentação frequente, notam que suas pernas podem ficar desconfortáveis durante, ou no final, do dia de trabalho e é por isso que deitar e elevar as pernas pode fazer se sentir melhor.
Algumas vezes em alguma área da perna que tenha veia varicosa e que sofre um pequeno trauma, como uma batida, ou após um longo período parado no carro ou no avião ou um período prolongado de descanso, um trombo pode se formar dentro de uma veia varicosa. Isto é chamado de trombose, e, se ocorre em uma veia da superfície, tromboflebite superficial
A veia se torna dura, vermelha e dolorosa. Nesses casos o cirurgião vascular ou flebologista pode indicar o uso de meia elástica de compressão, associado ao uso de medicamentos anti-inflamatórios, anti-coagulantes e movimentação frequente. Raramente pode ser necessário cirurgia.
Outras vezes, a formação de um trombo em uma veia do sistema venoso profundo também pode estar presente. Essa é uma situação muito mais séria e que tem um potencial risco de morte, pois a trombose venosa profunda pode desencadear a fatal embolia pulmonar.
Sempre que ocorrer a situação de suas veias ficarem vermelhas, quentes doloridas ou inchaço nas pernas, você deve procurar atendimento médico.
Em algumas pessoas as veias varicosas podem levar ao dano à pele na área do tornozelo. Devido ao refluxo e ao aumento de pressão nas veias da perna, a pressão no tornozelo, venosa, fica maior ainda. Após muito tempo dessa situação isso desencadeia uma reação em cadeia de eventos que podem resultar em uma mancha na pele, chamada dermatite ocre ou mesmo uma úlcera na parte interna ou externa do tornozelo. Essa inflamação duradoura pode também com o tempo endurecer a pele, causando a chamada dermatofibrose.
Tratando as veias varicosas e prevenindo o fluxo do sangue para baixo, esse processo pode ser interrompido e a úlcera pode ser prevenida, razão pela qual o tratamento cirúrgico da insuficiência venosa previne as complicações futuras. Muitas vezes o aparecimento da macha dermatite ocre é o primeiro sintoma, e o dermatologista vai encaminhar para o cirurgião vascular, pois, para ter êxito no tratamento da mancha é necessário primeiro o tratamento da sua causa, a insuficiência venosa.
 
Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato
* Imagens do banco de imagens: © roblan | Dreamstime.com - Varicose veins

Tags: varizesvenosoveias Select ratingGive Veias Varicosas e Varizes 1/5Give Veias Varicosas e Varizes 2/5Give Veias Varicosas e Varizes 3/5Give Veias Varicosas e Varizes 4/5Give Veias Varicosas e Varizes 5/5 Average: 4 (1 vote)
Categories: Medicina

Aplicação e Escleroterapia

Wed, 04/25/2018 - 19:54
Escleroterapia para deixar as pernas bonitas

O que é escleroterapia ?

A escleroterapia, também chamada de "aplicação" ou até mesmo de  "queimar vasinhos" é um procedimento médico realizado para o tratamento de vasos sanguineos dilatados ou mal formações, ou seja varizes nos mais diversos tamanhos. Na maior parte dos casos tem o objetivo estético, porém também é utilizado como tratamento da doença.
Um liquido, espuma, laser ou termocoagulador é utilizado como esclerosante, injetado ou aplicado sobre a veia, causando uma alteração nas células do vaso fechando-o. Quando o liquido ou espuma continua na circulação e atinge vasos maiores é diluido pelo sangue e perde seu efeito. O laser funciona apenas em um comprimento de onda, ou seja, ele possui um alvo, no caso a hemoglobina das células vermelhas. Ao atingir a hemoglogina, aumenta a temperatura local, a ponto de ebulição, fechando o vaso por causa do calor.

Como é feita a escleroterapia ?

É um tratamento sem necessidade de cirurgia, e, portanto, feito em consultório. Os "vasinhos" são tratados com a aplicação de medicamentos esclerosantes nas veias alteradas, obstruindo o fluxo sanguineo. Essas veias doentes não são necessárias para a circulação, o sangue busca veias mais saudáveis para percorrer. Ao obstruir os vasinhos vermelhos, o aspecto estético das pernas melhora.
A escleroterapia será eficaz e não deve ser feita quando os vasinhos estão conectados as veias varicosas, suas nutridoras. Nesses casos, a microcirurgia deve ser indicada. O especialista capaz de identificar o problema e indicar o melhor tratamento é o cirurgião vascular.
 

Varizes nas pernas

O tratamento é doloroso?

Geralmente a dor é pequena ou ausente, com boa tolerância dos pacientes e minimizada com uso da termoanestesia, ou seja, diminuição da temperatura da pele. O frio diminui a sensibilidade à dor, e é aplicado com um jato de ar gelado.
 

 

Qual técnica de escleroterapia devo escolher?

A escleroterapia pode ser realizada com injeções, termocoagulação e laser. A escleroterapia quimica, conhecida como "aplicação" utiliza um líquido concentrado, o esclerosante que é injetado por microagulhas dentro dos vasinhos. O líquido mais utilizado é a glicose por sua segurança e eficácia. A glicose é aplicada congelada, próximo de 30 graus negativos. Nessa temperatura sua viscosidade aumenta, a dor diminui e a eficácia aumenta, essa técnica é chamada de crioescleroterapia. Na escleroterapia com espuma injeta-se, o polidocanol, substância esclerosante que já foi estudada como anestésico, em forma de espuma. A espuma apresenta densidade menor, mantém contato com a parede do vaso por mais tempo, empurrando o sangue, sendo mais eficaz em vasos maiores. A escleroterapia com laser elimina os vasinhos pela ação física da luz e calor
nas teleangiectasias. Cada técnica tem sua indicação e o cirurgião vascular é o especialista recomendado para escolher o melhor tratamento. As vantagens e desvantagens de cada técnica devem sempre ser consideradas, sabendo que não existe técnica perfeita, e sim, a melhor técnica para cada diferente vaso.

Qual o tempo de recuperação e os cuidados?

Após as sessões de escleroterapia pode-se ter vida normal, podendo voltar ao trabalho na mesma hora.
É muito importante que o paciente siga as orientações de pós escleroterapia do especialista, que podem variar de acordo com a técnica utilizada e calibre de veia tratada. O cirurgião vascular irá lhe dizer quando você pode retornar as atividades físicas, período sem tomar sol, uso de meias elásticas, cremes ou remédios necessários.

Vasinhos voltam?

A recidiva pode ocorrer, pois tratamos a consequencia, e não a causa da doença. Quando completa e corretamente tratada é normal a recidiva parcial em 1-3 anos, variando com o paciente e sua doença. A parte genética da doença ainda não tem cura, mas quando a insuficiência venosa é tratada, a velocidade de aparecimento de novos vasinhos e varizes diminui muito.

E os vasinhos do rosto e de outras partes?

As causas podem ser outras, porém o tratamento é semelhante. No rosto, o tratamento com laser ou termocoagulação é o mais eficaz.

Quantas sessões são necessárias?

O número varia muito entre os pacientes. Impossível precisar, dependendo da quantidade de vasos, expectativa de melhora, resposta ao tratamento, tolerância à dor, assiduidade e adesão às orientações pós escleroterapia. Alguns vasos desaparecem, outros diminuem e outros não respondem. Por isso é necessário novas sessões. Os intervalos entre as sessões devem ser em média de 15 dias.     

Efeitos colaterais esperados:
Ardência, coceira leve no local durando 12-24hs, pequenos hematomas por 3-15 dias
Efeitos colaterais indesejáveis:
Alergias, coágulos nos pequenos vasos (que devem ser puncionados), hiperpigmentação local (rara), ulceração (rara)

CUIDADOS GERAIS
Não queimar-se ao sol até o desaparecimento completo dos sinais (15-45 dias) e utilizar protetor solar;
Depilação, Massagem, Atividade Física são permitidos após 12-24 hs;
Faixas elásticas e meias elásticas - em caso de veias maiores podem ser necessárias e devem ser aplicadas pelo médico ao término da sessão e utilizadas por 1-6hs, não sendo necessário dormir com elas.

 

 

Essa outra entrevista com o Dr Alexandre Amato é quase histórica:

 

 

 

Leia também:

vasinhosvazinhosvarizestermocoagulaçãolaserescleroterapiadr. alexandre amato Select ratingGive Aplicação e Escleroterapia 1/5Give Aplicação e Escleroterapia 2/5Give Aplicação e Escleroterapia 3/5Give Aplicação e Escleroterapia 4/5Give Aplicação e Escleroterapia 5/5 Average: 3.7 (3 votes)
Categories: Medicina

3 dicas para evitar: Aneurisma de aorta abdominal

Sun, 04/15/2018 - 17:24

Aneurisma é basicamente uma distensão, como um balão, de um ponto enfraquecido da parede de qualquer artéria do organismo. Pode ocorrer desde a cabeça até as pernas. Existe um grande desentendimento na população em geral sobre aneurismas, mas isso ocorre devido aos seus diversos seus tipos e tratamentos: podem ser fusiforme, sacular ou dissecante. Ainda podem ser classificados como congênito, inflamatório, degenerativo ou traumático. O motivo de todas essas classificações? Determinar o melhor tratamento. Um bom tratamento para uma determinada causa ou local pode não ser adequada para outra. Portanto o especialista indicado para a avaliação e tratamento de aneurismas em qualquer lugar do organismo, que não no cérebro, é o cirurgião vascular.
O aneurisma mais frequente ocorre na aorta, a maior artéria do corpo, também chamado de aneurisma de aorta abdominal. Como está muito relacionado ao fumo e à idade, no momento em que for diagnosticado o aneurisma, parar de fumar passa a ser uma prioridade. Embora os aneurismas possam produzir sintomas pressionando órgãos vizinhos, o perigo maior é a sua ruptura, que causa hemorragia gravíssima.
Desejamos sempre que possível tratar os pacientes antes deles apresentarem sintomas, e, portanto, antes das suas complicações. Assim o tratamento tem maior probabilidade de êxito. Mas como descobrir um aneurisma se ele não apresenta sintomas? Bom, frequentemente são diagnosticados ao fazer exames de imagem por qualquer outro motivo, como pedras nos rins, vesícula ou outros. São outros médicos e especialistas que descobrem os aneurismas e encaminham para o vascular. Mas existem fatores que indicam quem deve ser submetido a um ultrassom abdominal de rastreamento, para avaliar se você preenche esses critérios é necessário conversar com seu clínico geral. Estão mais suscetíveis homens com mais de 65 anos, aqueles que possuem algum familiar direto com história de aneurismas e fumantes.
Porque eu falo em probabilidade de êxito? O aneurisma pode romper, mas o risco de ruptura aumenta gradativamente de acordo com o seu tamanho. Como a cirurgia também tem riscos, somente devemos oferecer a cirurgia como possibilidade de tratamento caso o risco seja menor do que o risco do tratamento clínico. Temos que “colocar na balança” os prós e contras e somente então decidir o melhor tratamento.
Então quer dizer que mesmo tendo um aneurisma, e este podendo romper, pode não ser necessário cirurgia?
Sim, o cirurgião vascular utiliza diversos critérios para definir qual a probabilidade de ruptura e risco cirúrgico. Caso o risco cirúrgico seja maior que o risco de ruptura espontânea, a cirurgia não vale a pena. Alguns aneurismas, apesar de terem um risco, possuem um crescimento tão lento que a probabilidade de ruptura é muito baixa e pode ser realizado tratamento clínico.
Atualmente, com as novas técnicas de cirurgia endovascular, procedimentos minimamente invasivos onde não é necessário grandes cortes, conseguimos oferecer tratamento para alguns pacientes que antes a cirurgia era considerada proibitiva. A decisão sobre a melhor técnica, aberta ou endovascular não deve ser baseada na estética da cicatriz, mas sim no benefício e risco do paciente. Deve ser feita por cirurgião vascular e endovascular, versado em todas as técnicas de tratamento, levando em consideração a opinião do paciente.
Dicas:

  1. Parar de fumar imediatamente
  2. Controlar a Pressão Arterial
  3. Faça o Check-up Vascular

 

Tags: aneurismaarterialdicas Select ratingGive 3 dicas para evitar: Aneurisma de aorta abdominal 1/5Give 3 dicas para evitar: Aneurisma de aorta abdominal 2/5Give 3 dicas para evitar: Aneurisma de aorta abdominal 3/5Give 3 dicas para evitar: Aneurisma de aorta abdominal 4/5Give 3 dicas para evitar: Aneurisma de aorta abdominal 5/5 No votes yet
Categories: Medicina

Há tratamentos para varizes?

Thu, 04/12/2018 - 16:41
Varizes

   Varizes são veias superficiais dilatadas e tortuosas que resultam de múltiplas causas: podem ser decorrentes de defeitos da estrutura em função das valvas das veias safena, de uma fragilidade da parede venosa, da pressão dentro dos vasos aumentados ou até de comunicações entre artérias e veias. São mais frequentes em mulheres e a grande maioria das vezes o tratamento não é cirúrgico.

 

    Elas podem ser percebidas visualmente, incomodando pela aparência pouco estética em coxas e pernas, bem como dor incômoda ou sensação de pressão ou peso nos membros inferiores após muito tempo em pé, sendo aliviada pela elevação das pernas que parecem pesadas, e, em alguns casos, com inchaço discreto nos tornozelos. Em pessoas com varizes avançadas, pode haver aparecimento de úlceras na pele que demoram a cicatrizar, bem como ocorrer trombose superficial e, mais raramente, ruptura dos vasos com sangramento.       A prevenção se dá pela prática de atividades físicas regulares, uma alimentação saudável, redução de peso e alternância da posição em pé. Para quem já apresenta sintomas discretos, o uso de meias elásticas (prescritas pelo seu médico) pode prevenir aumento das varizes. A lógica dessa meia elástica, um dos principais tratamentos conservadores, é oferecer uma resistência contrária ao conteúdo dos vasos, garantindo que o sangue corra preferencialmente dentro dos vasos mais profundos, evitando o fluxo maior e consequente dilatação das veias mais superficiais que dão origem às varizes.       Os tratamentos cirúrgicos e também o uso de laser são indicados para as pessoas que apresentam insuficiência venosa, úlceras de pele, dor significativa que não melhora com as outras medidas. A estética, que é relevante individualmente, também pode ser uma indicação para o tratamento.       Os processos de ablação, como a escleroterapia, radiofrequência endovenosa ou ablação a laser, consistem em obstruir o vaso, através de diferentes métodos físicos ou químicos. A introdução de materiais como polidacanol/espuma, glicose, entre outros, são indicados para diferentes tipos e tamanhos de veias. Podem ser indicados para casos de insuficiencia venosa, refluxo venoso, úlceras recorrentes, além de motivos estéticos. No tratamento cirúrgico, é realizada a retirada definitiva dos vasinhos indesejados. A escolha da técnica mais adequada para cada caso e a execução do procedimento deve ser feita somente após a avaliação criteriosa de um médico especialista (Cirurgião Vascular).     *Imagens pela Dreamstime Stock Photos varizesinsuficiência venosa Select ratingGive Há tratamentos para varizes? 1/5Give Há tratamentos para varizes? 2/5Give Há tratamentos para varizes? 3/5Give Há tratamentos para varizes? 4/5Give Há tratamentos para varizes? 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

Bioimpedância

Fri, 03/16/2018 - 13:23

O método da bioimpedância elétrica (BIA) é baseado na condução de uma corrente elétrica de baixa intensidade (indolor), aplicada ao organismo por meio de cabos conectados a eletrodos ou superfícies condutoras, que são colocados em contato com a pele (mãos e pés, em geral). Apesar de sua facilidade técnica e alta reprodutibilidade, situações em que o balanço hidroeletrolítico está alterado (ingestão de álcool, atividade física intensa realizada antes do teste, presença de edema ou retenção hídrica em certos períodos do ciclo menstrual, por exemplo) podem tornar as estimativas menos precisas, assim como a ingestão recente de alimentos e obesidade. Os aparelhos disponíveis para este tipo de avaliação fornecem os valores de gordura, por meio de equações preditivas ajustadas para sexo, idade, peso, altura e nível de atividade física.
 
Por que fazer a bioimpedancia ?
Existem diversas maneiras de avaliar a gordura corporal, desde imersão em tanques de água, tomografias, até outras estimativas mais usuais como as abaixo relacionadas.
A gordura em excesso está diretamente relacionada com o risco cardiometabólico, ou seja com a incidência de diabetes, hipertensão, infarto do miocárdio, insuficiência renal, aneurisma, acidentes vasculares cerebrais ou periféricos, entre outras doenças.

Tags: pesoexameprocedimento Select ratingGive Bioimpedância 1/5Give Bioimpedância 2/5Give Bioimpedância 3/5Give Bioimpedância 4/5Give Bioimpedância 5/5 No votes yet
Categories: Medicina