Feed aggregator

Tratamentos e Objetivos no Cuidado do Lipedema

vascular.pro - Fri, 05/10/2019 - 20:06

REDUZIR A INFLAMAÇÃO

GESTÃO DA DOR/SINTOMAS INFLAMATÓRIOS

  • Considerar suplementos e medicamentos com médico especialista em lipedema
  • Exercício
    • Exercício aquático
    • Caminhada
    • Ioga linfática
    • Trampolim
    • Ciclismo
    • Pilates

Marcar consulta com especialista em Lipedema: Dr Alexandre Amato
MELHORAR O FLUXO LINFÁTICO

AJUDE SEU CORPO

  • Construir força muscular (especialmente quadríceps)
  • Reduzir a gordura corporal não lipedêmica através de dieta e exercício, mesmo apesar da dificuldade
  • Considerar lipoaspiração

OBTENHA SUPORTE EMOCIONAL

  • Junte-se a grupos de pacientes
  • Faça amizade com pacientes
  • Considere o aconselhamento profissional

 
Nota: Comece devagar, não precisa fazer tudo de uma vez.

Tags: lipedematratamento Select ratingGive Tratamentos e Objetivos no Cuidado do Lipedema 1/5Give Tratamentos e Objetivos no Cuidado do Lipedema 2/5Give Tratamentos e Objetivos no Cuidado do Lipedema 3/5Give Tratamentos e Objetivos no Cuidado do Lipedema 4/5Give Tratamentos e Objetivos no Cuidado do Lipedema 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medicina

A Contracepção com Base na Percepção da Fertilidade é a Ideal para Você?

Percepção da Fertilidade

Contracepção e Fertilidade

Se você enviou uma mensagem de texto, uma mensagem direta ou pronunciou em voz alta as palavras "controle de natalidade", ou "evitar gravidez" para seus amigos em algum momento nos últimos anos, provavelmente já viu anúncios proclamando que há um aplicativo para isso. Várias empresas prometem acompanhar seu ciclo menstrual com seu aplicativo e seu algoritmo que pode ajudar a evitar a gravidez - sem necessidade de hormônios, implantes ou inserções de DIU.

Todos os aplicativos de controle de natalidade dependem de uma técnica contraceptiva que existirá para sempre, chamada Percepção da Fertilidade (Tabelinha): Basicamente, você registra certas condições físicas todos os dias para rastrear seu ciclo menstrual até que você possa prever a ovulação como um relógio. Evite sexo desprotegido nos dias durante e ao redor da ovulação, e será improvável que você engravide. Quando feito corretamente, este método é relativamente efetivo - mas precisamente quão eficaz é, é uma questão que gera algum debate. Agora, se fiz o contrário, fazer sexo desprotegido nos dias durante e ao redor da ovulação pode aumentar a probabilidade de gestação. Para isso temos nossa calculadora de fertilidade online.

Esta é a raiz das recentes controvérsias em torno de aplicativos de controle de natalidade como Daysy e Natural Cycles. Como acontece com qualquer método de controle de natalidade, a eficácia da Percepção da Fertilidade depende de quão correta e consistentemente você está usando. Mas, ao contrário dos preservativos ou da pílula, não temos uma imagem clara do uso da percepção “média” da fertilidade - e há pouco consenso científico sobre a qualidade dos estudos por trás daqueles “93% de eficácia!”, afirma. Aprovado pela FDA, o aplicativo Natural Cycles teve suas alegações de eficácia investigadas e autorizadas pelas autoridades médicas suecas, mas o Reino Unido as considerou enganosas e baniu alguns dos seus anúncios. Apesar das alegações sérias de coleta e análise imprópria de dados, a Daysy ainda está no mercado hoje. Tudo isso torna complicado para as usuárias em potencial enxergarem além do hype e tomarem uma decisão contraceptiva informada.

Além disso, há muita desinformação por aí sobre contracepção com base na percepção da fertilidade em geral. Os maiores defensores frequentemente exageram sobre sua eficácia, enquanto os céticos são muito rápidos em descartá-la - fazendo algumas suposições bastante grosseiras ao longo do caminho sobre as pessoas que usam. Se você está intrigada com a ideia de um aplicativo para controle de natalidade, ou se você quer apenas saber mais sobre a Percepção da Fertilidade, aqui está (quase) tudo o que você precisa saber para decidir se é ideal para você.

O que é contracepção baseada na percepção da fertilidade?

Os métodos baseados na percepção de fertilidade, ou FABMs, visam evitar a gravidez, dividindo o ciclo menstrual em dias “férteis” e “não-férteis”. Em dias férteis, a probabilidade de engravidar por sexo desprotegido é mais alta; em dias não férteis, é mais baixa. Descobrir quais são os dias é feito por um rastreio cuidadoso dos biomarcadores ou indicadores físicos de há quanto tempo você está em seu ciclo.

Existem alguns biomarcadores relevantes que você pode acompanhar, o que significa que há vários FABMs para escolher. Estes são os tipos mais comuns:

Métodos de calendário, como o tradicional “método da tabelinha”, acompanha a fertilidade nos dias do calendário em um ciclo menstrual. Uma vez que você esteja familiarizada com a duração e a regularidade de seus ciclos, você pode usar o cronograma padrão do ciclo menstrual para identificar seus dias mais e menos férteis. No método de Dias Padrão, por exemplo, os dias do ciclo 8-19 são considerados férteis.

Métodos de muco cervical (ou ovulação) rastreie a ovulação observando as alterações no muco cervical, que é exatamente o que parece: muco que sai do colo do útero. Sua consistência e aparência mudam em resposta às flutuações hormonais do ciclo menstrual, tornando-se caracteristicamente elástico e escorregadio logo antes da ovulação. O método mais simples de muco é o método dos dois dias: qualquer dia que você observe, esse muco conta como fértil, como no dia anterior.

Métodos de temperatura corporal basal (BBT) também rastreia a ovulação, o que causa um ligeiro mas mensurável aumento na temperatura corporal. Todas as manhãs, antes de sair da cama, você mede a temperatura e grava a leitura em um aplicativo ou manualmente em papel milimetrado. No entanto, você registra as leituras e o objetivo é o mesmo: identificar os picos de temperatura que acompanham a ovulação. O popular e um pouco controverso aplicativo Natural Cycles é um exemplo de um método somente de BBT.

Métodos baseados em hormônios urinários usam um dispositivo chamado monitor de contracepção para testar os níveis de estrogênio e outros hormônios na sua urina. Essas medidas são inseridas em um algoritmo que calcula o período fértil.

Qualquer um desses métodos de biomarcador único pode prevenir a gravidez quando usado adequadamente, mas você também pode combiná-los para obter informações extras. Usar o método BBT em conjunto com métodos de calendário e/ou muco é um método sintotérmico; trocar BBT por hormônio urinário torna-se um método sintomatológico.

Isso parece muito com o Planejamento Familiar Natural (NFP). São a mesma coisa?

Sim e não. Cientificamente, não há diferença real - os NFP e os FABM usam as mesmas técnicas - mas muitas vezes há uma diferença significativa em suas estruturas sociais e morais. Como a Associação de Profissionais de Sensibilização em Fertilidade (AFAP) explica, O NFP é tradicionalmente ensinado em um contexto católico:

“A maioria dos métodos NFP defende abstinência pura (abstendo-se de toda atividade sexual) durante a fase fértil do ciclo, se um casal deseja evitar a gravidez. O NFP não tolera atividade sexual fora do casamento e frequentemente restringe a instrução a casais heterossexuais, noivos ou casados​​”.

Por outro lado, a Percepção da Fertilidade é deliberadamente inclusiva. A AFAP dá as boas-vindas a todas as pessoas, independentemente de sexo, orientação sexual, religião ou estado civil, e apoia explicitamente “toda a gama de opções reprodutivas” - incluindo preservativos, tratamentos de fertilidade e aborto.

Quais são os profissionais?

A coisa mais importante a lembrar sobre os FABMs é que eles são nada mais e nada menos que outra opção de controle de natalidade. Assim como qualquer outro método, você tem que pesar os prós e contras.

Nada de hormônio significa nada de efeitos colaterais

O controle de natalidade hormonal vem com efeitos colaterais; não há como evitar isso. Embora alguns possam ser positivos - fluxos mais leves, menos acne, TPM mais leve - encontrar o coquetel certo de hormônios pode literalmente levar anos de tentativa e erro. Por essa e outras razões, métodos não-hormonais como os FABMs têm suas vantagens: como o DIU de cobre e os preservativos, um FABM não causa efeitos colaterais hormonais desagradáveis. Mas, ao contrário dos DIUs, os FABMs não requerem nenhum processo doloroso de inserção e não alteram seus ciclos - e, diferentemente da maioria dos preservativos, a alergia ao látex não é um problema.

Muitos métodos são gratuitos ou de baixo custo

Acessibilidade física e financeira é outra vantagem para os FABMs. Depois de saber o que você está fazendo, o único equipamento que você precisa para verificar o seu muco cervical é o seu colo do útero, um dedo e um calendário ou gráfico. Você faz as medições sozinha, na sua própria programação, na privacidade da sua própria casa.

Naturalmente, algumas empresas estão ansiosas para monetizar a conscientização sobre a fertilidade, particularmente no campo da instrução. Em si, isso não é necessariamente uma coisa ruim: o uso adequado requer um nível de especialização. As aulas ou consultas individuais com profissionais licenciados não são gratuitas, mas muitas são de baixo custo ou levadas em uma escala móvel. E embora nenhuma delas seja estritamente necessária, um termômetro sofisticado e uma assinatura em um aplicativo ainda podem custar menos do que um compromisso com obstetra/ginecologista e uma receita mensal, dependendo do seu convênio.

Todo o poder está nas suas mãos (e do seu parceiro)

Rastrear e registrar biomarcadores todos os dias durante anos lhe dá uma visão mais completa da sua saúde reprodutiva do que tomar uma pílula ou, ocasionalmente, lembrar que seu DIU existe. Dependendo de quanto você gosta de acompanhar as métricas de saúde e suas experiências no sistema de assistência médica, isso pode ser extremamente estimulante.

Usar um FABM também requer uma forte comunicação com o seu parceiro(s) e médicos. Para as pessoas em relacionamentos saudáveis ​​e de apoio mútuo, o trabalho em equipe pode ser recompensador; do ponto de vista do clínico, tratar um paciente com um interesse informado e investido em sua saúde é um prazer. 

Quais são os contras?

Dependendo da sua perspectiva, a maior vantagem dos FABMs também pode ser sua maior desvantagem. Esses métodos são o oposto de “definir e esquecer” - eles exigem uma participação ativa diária de pelo menos duas pessoas, tornando-as especialmente suscetíveis a erros humanos. Mas, além disso, um dos obstáculos mais frustrantes ao aprender sobre os FABMs é quão pouco sabemos com certeza sobre seu uso e eficácia.

Não é imediatamente eficaz

Mudar para um FABM não é rápido e nem fácil. Há um período de adequação envolvido, durante o qual você rastreia seu(s) biomarcador(es) de escolha todos os dias, idealmente sem ter sexo algum. Mesmo que seus ciclos sejam como um relógio, esse período introdutório pode durar de um a três ciclos: você precisa saber o que é “normal”, mas também precisa de tempo para se acostumar com as técnicas.

Períodos irregulares complicam o processo de integração. Se você estiver saindo da pílula, recentemente após o parto e/ou amamentando, na perimenopausa ou tiver uma condição médica que cause períodos irregulares, pode levar mais tempo - até seis meses - para estabelecer essa linha de base. Até que você tenha realmente aprendido a seguir o rastreamento dos biomarcadores e feito por tempo suficiente para prever com precisão os dias férteis, você não pode confiar em um FABM sozinho para evitar a gravidez.

Não há proteção contra IST ou DST

Como acontece com qualquer contraceptivo sem barreira, os FABMs não protegem contra infecções ou doenças sexualmente transmissíveis. Se a sua vida sexual envolve algum risco de infecção e você confia em um FABM para prevenir a gravidez, certifique-se de usar um método de barreira, como preservativos.

Os FABMs realmente funcionam?

Quase todos os outros métodos contraceptivos foram estudados até a morte. Sabemos com um alto grau de certeza quantas pessoas usam a pílula, com que segurança elas a usam e com que frequência a pílula falha com o uso típico ou perfeito.

Praticamente nada disso vale para os FABMs, que raramente são o foco de testes clínicos. Como eles não são amplamente usados, isso faz algum sentido; o grupo potencial de participantes do estudo começa pequeno e continua encolhendo à medida que critérios de exclusão são aplicados. Os dados por trás dos aplicativos de fertilidade geralmente vêm de laboratórios financiados pelo setor privado, então são de propriedade exclusiva - você não pode simplesmente pesquisar os resultados do Google. Mesmo os artigos revisados ​​por pares sobre FABMs nem sempre são confiáveis: eles podem ser estatisticamente insuficientes, dependem de dados auto relatados ou escolhidos a dedo, exibem projetos experimentais seriamente falhos, ou todos os três. Alguns estudos até mesmo colocam todos os FABMs em um método, o que oculta a ampla variação em suas taxas de eficácia:

Infelizmente, tudo isso significa que há uma séria falta de dados revisados ​​por especialistas para os FABMs - e quando se trata de tomar decisões informadas, esse é o maior obstáculo para provedores e pacientes.

A eficácia do uso perfeito e típico não está bem definida

Dos aproximadamente zilhões de critérios a considerar ao escolher um contraceptivo, a maioria das pessoas se concentra em dois números: sua eficácia com uso perfeito, e sua eficácia com uso típico. Saber o que diferencia os dois - e sua tolerância a essa diferença - é crucialmente importante.

O uso perfeito é mais ou menos o que parece: usar o método contraceptivo exatamente como instruído a cada vez. Uso do método de forma correta e consistente. Obviamente, é quando a contracepção é mais eficaz; O uso perfeito resulta em alta eficácia ou baixas taxas de falha, dependendo da sua perspectiva.

O uso típico, é menos direto, mais próximo do real e factível. O uso típico é a eficácia que você pode esperar de uma pessoa comum... Inclui alguma margem de manobra para não seguir perfeitamente as instruções do método toda vez que você usá-lo. Isso significa que as taxas de eficácia de uso típico são menores (e as taxas de falha são mais altas) do que as que você obteria com o uso perfeito.

As definições de uso típico e perfeito não mudam de método para método, mas o que eles realmente parecem faz. No uso perfeito do FABM é necessário rastrear perfeitamente todos os biomarcadores envolvidos no uso desse método, interpretá-los perfeitamente e, então, evitar perfeitamente o sexo desprotegido em cada dia que é calculado como sendo fértil.

Se vocês puderem verificar consistentemente essas coisas, os FABMs são eficazes, mas dados confiáveis ​​de uso perfeito podem ser difíceis de obter.  Um estudo mostrou que o método de Ovulação Billings apenas do muco pode resultar em apenas uma gravidez não planejada a cada 100 pessoas-ano quando usado de forma absolutamente perfeita. Em outras palavras, se 100 pessoas usassem o método de Ovulação Billings perfeitamente durante um ano, esperamos ver uma gravidez não planejada. Para o método de calendário de Dias Padrão, esse número é 5; para o método de apenas dois dias de muco, é 3,5.

Dados típicos de uso para FABMs são um pouco mais fáceis de encontrar - por alguns métodos, é tudo o que temos -, mas os números são inconsistentes, mesmo dentro dos métodos. Com o uso típico, o método Billings pode resultar em apenas 10 ou até 33 gestações não planejadas por 100 pessoas-ano, dependendo do estudo. Para dias normais, são de 11 a 14 gestações; 14 para dois dias. Mesmo que você saiba que o uso típico reduz a eficácia e é realista em relação aos seus comportamentos, há uma grande diferença entre 10 e 33 gestações não planejadas.

Em grande parte, é por isso que o discurso em torno dos FABMs é tão maduro com desinformação. Sem dados de eficácia reprodutíveis e rigorosamente testados em estudos independentes, é difícil saber exatamente para o que você está se inscrevendo - especialmente quando o jargão de marketing se envolve. O Natural Cycles e o DaysyView, que usam o método BBT, recentemente enfrentaram reações adversas sobre suas taxas de eficácia de uso típicas anunciadas. Mas investigar o mérito dessas acusações e, em seguida, agir se elas são legítimas, pode ser um processo dolorosamente árduo. Uma crítica do estudo usado no marketing do DaysyView em Reproductive Health (que também publicou o estudo original), citando graves falhas analíticas e metodológicas. 

Como escolher um método que funcione para você

Se os prós e contras dos FABMs se alinharem com seu estilo de vida, e você gostaria de começar, você terá que fazer algumas pesquisas primeiro. Mas a pesquisa médica na Internet é complicada, confusa e potencialmente perigosa. Como você pode filtrar o trigo do joio?

Procure fontes de alta qualidade

A melhor coisa que você pode fazer é evitar o hype  e modinhas. Há muitas pessoas que gostariam de lucrar com sua decisão de usar um FABM, seja com um aplicativo elegante, um programa de treinamento caro ou até mesmo um livro. Tente evitar procurar por influenciadores de mídia social para ajudá-lo a tomar suas decisões contraceptivas. Com isso dito, é possível obter informações de qualidade de fontes com fins lucrativos contanto que você saiba o que procurar, que é uma explicação clara e detalhada de todos os riscos e benefícios.

Se você está apenas começando e não sabe para onde ir, temos muitos artigos sobre o assunto. 

Se você puder, encontre um profissional qualificado

Certos FABMs (especialmente o Método Billings, Marquette e Sensiplan) realmente exigem instrução de um profissional certificado para ensinar o método em particular. Não há um conselho de credenciamento federal; certificados variam por método. Se você está interessado em qualquer FABM, particularmente um que requeira instrução, converse com seu ginecologista.

Vale a pena notar que, embora um médico confiável possa ser um guia fantástico, seu obstetra/ginecologista pode não ser capaz de ajudar; os FABMs não fazem parte da educação formal de obstetrícia/ginecologia. A vantagem disso é que os médicos que o Fazem e oferecem aconselhamento sobre FABM geralmente fazem isso com uma paixão genuína pelo trabalho - então, se você puder encontrar um, eles provavelmente ficarão empolgados para trabalhar com você.

Seja honesto consigo mesma e com o seu médico

Ao aconselhar um paciente interessado nos FABMs, é entender seus planejamentos reprodutivos. Isso envolve muitas perguntas, todas as quais precisam ser respondidas de forma honesta e completa para que ela faça uma recomendação: “Você quer ter filhos? Você quer ter mais filhos? Quando você quer ter essas crianças? Como é seu relacionamento? … Quanto trabalho você quer fazer para garantir que seu método seja eficaz? Quais métodos de controle de natalidade você usou no passado, e como isso tem sido para você?” Ela também mencionou especificamente que a triagem de pacientes por violência causada pelo parceiro íntimo é uma parte crucial desta avaliação: FABMs requerem o tipo de confiança mútua, respeito, e honestidade que não existe em um relacionamento fisicamente ou emocionalmente abusivo.

Se isso parece muito para fazer, é. A escolha de um método contraceptivo é uma decisão maciça e potencialmente transformadora de vida - e você merece saber em que está se metendo. Conheça a si mesma, conheça suas opções e aproveite todo o tempo necessário para tomar a melhor decisão possível.

contracepçãoprevençãométodo anticoncepcionalO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categories: Medicina

Tratamento de varizes com espuma

vascular.pro - Fri, 05/03/2019 - 14:06

Últimamente tem-se falado muito da espuma como tratamento das varizes e vasinhos. É uma técnica que merece ser discutida com seu cirurgião vascular.

A espuma de oxypolyethoxydodecane foi, no início estudada como anestésico, porém demonstrou-se mais eficaz em fechar veias do que para anestesiar. O oxypolyethoxydodecane tem outro nome, mais comum, mas por incrível que pareça o Google penaliza a página quando escrevo esse nome... Sério. Então vou usar o nome científico, e o mais comum você pode ouvir no video aí em cima. Mas esse efeito anestésico fraco traz o benefício de ser uma substância praticamente indolor ao ser injetada. O oxypolyethoxydodecane é um detergente que quando agitado forma espuma, e, ao utilizar a técnica de Tessari para formar espuma, essa espuma torna-se densa (método da espuma densa), de modo que ocupa todo o espaço do vaso. Ao preencher o vaso, a espuma de oxypolyethoxydodecane causa destruição do endotélio levando a trombose quimica localizada. Essa trombose quimica pode evoluir com a recanalização ou com a fibrose do vaso, que é o resultado desejado. Ao fechar o vaso, fecha-se as varizes.

Apesar de ter resultados animadores, a técnica possui características e desvantagens que devem ser consideradas, como o alto índice de manchas (entre 20 a 30% dos casos), a possibilidade de reações alérgicas e o risco de trombose, até mesmo óbito. Um caso foi recentemente publicado de óbito por embolia pulmonar

Um outro artigo que comparou o laser, a radiofrequência, cirurgia e a espuma mostrou claramente que as medidas de melhora na qualidade de vida é similar nas técnicas, porém o laser e radiofrequencia tiveram menos complicações, porém a espuma demonstrou uma melhora na qualidade de vida menor que nas outras técnicas, além de uma taxa de fechamento da veia menor, que significa que é necessário repetir o tratamento (e os riscos) para atingir o resultado desejado2. Esse trabalho foi publicado numa das revistas mais respeitadas da área médica a NEJM.

Resumindo, para quem já tem manchas, está nas fases mais avançadas da doença, deseja evitar outros tipos de procedimento, ou possui riscos cirúrgicos elevados, a técnica da espuma densa para tratamento de varizes deve ser cogitada e discutida com seu cirurgião vascular.

Porém, seguindo as melhores práticas e diretrizes internacionais3,4,5, para aqueles que buscam resultado estético além do tratamento da doença, e querem minimizar os riscos de recanalização, devem optar por técnicas mais definitivas, como o laser, radiofrequencia e mesmo a cirurgia tradicional. 

Todas as técnicas tem seu espaço no tratamento das varizes, simplesmente porque nenhuma delas atingiu excelência em todos os quesitos: preço, eficácia, eficiência, segurança, velocidade, invasividade, recorrência, riscos, etc. Existem técnicas excelentes para tratamento de varizes hoje em dia, técnicas muito melhores do que as disponíveis há 2 décadas, sendo uma área intensamente estudada e onde muitas novidades estão para aparecer, tanto com novas técnicas quanto a associação de técnicas já existentes.

O grande segredo está em identificar qual a melhor técnica para cada paciente em seu contexto pessoal, e essa escolha deve ser feita em conjunto com o cirurgião vascular.

 

 

Leia os seguintes artigos:

 

Marque consulta com especialista em tratamento de varizes

Fonte: 

  1. Bruijninckx, Cornelis Ma. "Fatal Pulmonary Embolism Following Ultrasound-guided Foam Sclerotherapy Combined with Multiple Microphlebectomies." Phlebology / Venous Forum of the Royal Society of Medicine 31, no. 7 (2016) 
  2. Brittenden, Julie, Seonaidh C Cotton, Andrew Elders, Craig R Ramsay, John Norrie, Jennifer Burr, Bruce Campbell, and others. "A Randomized Trial Comparing Treatments for Varicose Veins." The New England journal of medicine 371, no. 13 (2014)
  3. "MANAGEMENT OF CHRONIC VENOUS DISORDERS OF THE LOWER LIMBS GUIDELINES ACCORDING TO SCIENTIFIC EVIDENCE." (2014).
  4. De Maeseneer, M G R, and S K van der Velden. "Managing Chronic Venous Disease: An Ongoing Challenge." European journal of vascular and endovascular surgery : the official journal of the European Society for Vascular Surgery 49, no. 6 (2015)
  5. Gloviczki, P, and M L Gloviczki. "Guidelines for the Management of Varicose Veins." Phlebology / Venous Forum of the Royal Society of Medicine 27 Suppl 1 (2012)

 

Tags: venosovarizestratamentofantástico Select ratingGive Tratamento de varizes com espuma 1/5Give Tratamento de varizes com espuma 2/5Give Tratamento de varizes com espuma 3/5Give Tratamento de varizes com espuma 4/5Give Tratamento de varizes com espuma 5/5 Average: 2.9 (12 votes)
Categories: Medicina

Linfedema

vascular.pro - Tue, 04/30/2019 - 22:08
Linfedema

Inchaço nas pernas ou nos braços? Pode ser linfedema! Agora se quiser ler sobre outra causa de inchaço, o lipedema, o artigo é outro.

A você paciente, nossos cumprimentos. Se está lendo este texto, isto significa que está interessado na sua saúde. Para se aprofundar no assunto ou avaliar a sua situação, passe em consulta com um cirurgião vascular.

O linfedema é definido como um acúmulo de líquido e proteínas, que pode ocorrer em diversas regiões do corpo, mas com particular importância nas extremidades como braços e pernas. Várias doenças estão relacionadas ao comprometimento do sistema linfático, seja pelo seu bloqueio ou pela sua lesão direta. Como destaques para as situações mais frequentes podemos citar:

Linfedema nos membros superiores: ligado ao câncer de mama, geralmente pós-cirúrgico ou pós-radioterapia

Linfedema nos membros inferiores: ligado às infecções (erisipelas) de repetição

O sistema linfático é pouco conhecido, mas desempenha um importante papel  em nosso organismo. Geralmente localiza-se paralelo ao sistema de transporte de sangue:

Sistema arterial: vasos sanguíneos responsáveis pela distribuição de sangue oxigenado e rico em nutrientes a todos órgãos e tecidos

Sistema venoso: vasos sanguíneos responsáveis pelo retorno deste sangue, agora com mais gás carbônico e sobras do metabolismo ao coração

Entre as artérias e as veias existe diferença de pressão de permite o fluxo de uma para a outra, mas desse diferencial de pressão decorre acúmulo de liquido e sobras metabólicas nos tecidos.

Como se inicia o problema?

O sistema linfático é responsável pela coleta do excesso de líquidos, proteínas e metabólitos que “sobram” em nosso corpo, pelo direcionamento destes de volta à circulação e pela defesa do organismo contra infecções. Mesmo com o sistema linfático funcionando normalmente, uma produção exagerada de líquidos e metabolitos pode levar ao seu acúmulo, nesse caso, caracterizando o edema simples ou inchaço naquela determinada região. Algumas situações comuns de inchaço sem comprometimento do sistema linfático são: insuficiência cardíaca, problema nos rins, alterações do fígado, varizes dos membros inferiores, hipotireoidismo crônico (mixedema) e o uso de medicações como corticoides, alguns anti-hipertensivos e até mesmo determinados diuréticos, que podem gerar desbalanço e ser a origem do problema.

Como posso fazer o diagnóstico?

A correta identificação da causa desse edema é importantíssima, visto que os tratamentos serão fundamentalmente diferentes. Na maioria das vezes, um minucioso exame médico é suficiente para fazer essa diferenciação. Eventualmente, exames complementares como dosagens sanguíneas (função renal, hepática, proteínas, etc), ultrassom venoso e testes cardíacos são úteis para afastar as outras causas. A linfocintilografia é o exame mais indicado para a visualização direta do sistema linfático, mas suas indicações são restritas.

Há tratamento?

Sim. Muito embora com a tecnologia e os recursos que dispomos atualmente o Linfedema não tem cura, é possível e importantíssimo fazer o tratamento adequado a fim de bloquear a evolução da doença e diminuir suas graves consequências. Tal tratamento é baseado em quatro pontos fundamentais, conhecido como terapia descongestiva complexa. Os componentes desse tratamento consistem na drenagem linfática manual, exercícios que estimulem a drenagem linfática (miolinfocinéticos), terapia de compressão (com meias/luvas elásticas ou bandagens compressivas) e os cuidados com a pele como hidratação e prevenção de infecções fúngicas ou simplesmente micoses. A associação de linfedema de membros inferiores e doença venosa (varizes ou insuficiência venosa crônica) é bastante frequente. Nestes casos o tratamento concomitante pode trazer benefícios e uso de medicações flebotômicas e/ou meias de compressão podem ajudar a minimizar os sintomas.

 

Dica: Se você apresenta inchaço nas pernas ou nos braços e pensa que pode ser linfedema, converse com seu cirurgião vascular. Ele é o especialista que conhece as melhores técnicas de investigação e pode, em conjunto com o paciente, definir a forma mais adequada de prevenir e tratar esse problema.

Veja mais:

Anatomia: 

Sistema linfático

Causa: 

Adquirida (câncer de mama, erisipela, traumas) ou Congênita

Diagnóstico Diferencial: 

Lipedema

Fatores de Risco: 
  • tratamento de câncer de mama
  • infecção por nematódeos (filariose)
  • cirurgia perto de linfonodos axilares ou inguinais
  • estádio avançado de tumor, nódulo e metástase (TNM)
Evolução Natural: 

Depende da causa

Prevenção Primária: 

A prevenção rrequer alimentação saudável; em manter o peso atual ou perder peso, se necessário; realizar exercício físico – os movimentos forçam o líquido a ser drenado pela compressão dos músculos.

 

Visitas regulares ao seu médico  onde a área será examinada e medida; drenagem linfática manual, um procedimento que apenas deve ser realizado por um profissional de saúde qualificado; aplicação de meias (ou mangas) de compressão

Sinais ou Sintomas: 
  • Sensação de peso em alguns locais do corpo, como braço, perna, barriga ou genitais;
  • Edema/Inchaço.;
  • Alteração da textura da pele, como enrijecimento e vermelhidão;
  • Dor, formigamento ou outro desconforto na região;
  • Diminuição dos movimentos e da flexibilidade nas articulações próximas, como mãos, pulsos, tornozelos, pálpebras e lábios;
  • Sentir que roupas e sapatos parecem apertados sem qualquer ganho de peso, assim como colares, anéis, relógios ou pulseiras. 
Prognóstico: 

O prognóstico do linfedema é bastante difícil, devido à multiplicidade de causas. Pacientes que apresentam aplasia ou hipoplasia distal na linfocintilografia são considerados de bom diagnóstico, com uma evolução lenta do edema e de complicações. Por outro lado, em pacientes que apresentem hipoplasia proximal, associada ou não à distal, a progressão para edema severo é rápida e com complicações.

Tratamentos Possíveis: 

Quanto mais cedo descobrir o problema, mais fácil o tratamento. Devemos lembrar que o linfedema é uma doença crônica, e o tratamento é paliativo, visando evitar a piora ou evolução do problema.

 

Quando o edema ainda regride, a maioria das vezes resolvemos o problema com atitudes saudáveis como manter o peso equilibrado, atividade física regular, colocar as pernas elevadas sempre que puder, uso de meia elástica medicinal e drenagem linfática.

 

Para casos mais graves, além do que já foi dito, podemos usar a terapia física complexa, que, além da drenagem linfática manual, inclui compressão, exercícios miolinfocinéticos e cuidados com a pele. Também podemos usar medicação linfocinética. Em casos extremos existem opções cirúrgicas para retirar o excesso de tecido formado.

Complicações Possíveis: 

Infecção, como celulite e erisipela são complicaçõe spossíveis. É vital que os pacientes com linfedema estejam cientes dos sintomas da infeção, para que procurem tratamento aos primeiros sinais, uma vez que infeções recorrentes, além de seu perigo inerente, ainda (podem) danificar o sistema linfático e criar um círculo vicioso. A inflamação da pele e de tecidos conjuntivos, inflamação de vasos linfáticos, trombose venosa profunda são complicações do linfedema.

Muito raramente, em alguns casos extremamente graves, no caso do linfedema não ser tratado durante 6 e 10 anos, por exemplo, poderá surgir um tumor conhecido como linfangiossarcoma. O câncer começa como um nódulo avermelhado na pele, alastrando-se rapidamente. É  bastante agressivo, sendo tratado por amputação do membro afetado.

Select ratingGive Linfedema 1/5Give Linfedema 2/5Give Linfedema 3/5Give Linfedema 4/5Give Linfedema 5/5 Average: 5 (1 vote) linfáticalinfáticodoença
Categories: Medicina

Como o estresse afeta o nosso corpo

vascular.pro - Mon, 04/29/2019 - 15:35
A cardiologista Dra. Marisa Amato (CRM 30.400) explica quais são os principais efeitos do estresse no organismo e como ele pode afetar algumas das nossas principais funções. Confira!     Faça seu teste de estresse online   ***** Transcrição: Eu sou Marisa Amato, sou professora livre-docente da Universidade de São Paulo e cardiologista aqui do Instituto Amado. E hoje nós vamos falar sobre um tema que afeta muitas pessoas que é estresse. O nosso corpo ele tá preparado para quando tem um medo, para quando tem um problema, quando precisa sair correndo para fugir ele desencadeia algumas reações para ter energia e força para conseguir vamos assim escapar do perigo, e isso nós chamamos de reação de alerta, ela é no momento do fato, no momento que o homem identifica esse problema ocorrem liberações no cérebro, essas liberações são hormônios que vão agir no organismo inteiro preparando o organismo, por exemplo, para uma fuga essas são as reações de alerta e elas são feitas elas ocorrem para pessoa ter um curto espaço de tempo desempenhar um exercício muito forte. Ela é uma reação normal e natural para durar pouco tempo e essas reações imediatas elas afetam principalmente o aparelho cardiovascular então, a frequência cardíaca aumenta, a pressão arterial aumenta, capacidade respiratória aumenta aumentando o número de vezes que se respira e a profundidade para aproveitar melhor o oxigênio, há uma liberação de glicose do açucar no sangue para dar mais energia e há uma redistribuição do sangue, ou seja, os músculos que vão ser usados para uma luta, para uma corrida, para uma fuga eles recebem mais sangue nesse momento então há um rearranjo, uma redistribuição do sangue no organismo então, as pessoas ficam com as mãos com as  extremidades frias no momento de grande tensão, porque o sangue está indo nos órgãos que vão ser aproveitados de outra maneira. O que acontece nos dias de hoje, o que acontece para se viver numa civilização? Ninguém pode reagir um todo momento ao estresse que vive, e o que acontece? Esse estresse, essa tensão ela fica por muito tempo e esses hormônios que são liberados nesse momento para esse tipo de reação, eles permanecem no organismo, e se não se dá uma solução para o problema, eles continua agindo em nosso organismo. Então, as principais doenças causadas pelo estresse contínuo, constante por essa resistência ao estresse são as doenças do aparelho cardiovascular. Do ponto de vista da parte psicológica o estresse ele afeta muito, ele causa irritabilidade, insônia, diminui a capacidade de trabalho das pessoas, é isso essa angústia e tudo isso acaba levando a obesidade, a pessoa come compulsivamente e uma série de problemas, a obesidade acaba levando a diabetes, e entramos num ciclo vicioso aí as vezes a origem de tudo isso foi é apenas o estresse. Esse período de resistência que o organismo tem ao estresse, ele tem um limite chega um momento em que os órgãos entram em falência e não dão conta mais dessa adaptação e os problemas se tornam muito mais sérios podendo chegar até a morte. Eu digo para as pessoas dê um jeito de controlar o seu estresse, porque vai ter um momento que ele vai controlar você, e existem diversas técnicas para amenizar o que nós vivemos no dia de hoje. Temos uma maneira de avaliar o grau de estresse, quem se interessar pode entrar no site e calcular o grau de estresse. Se você gostou desse vídeo, compartilhe com seus amigos, e se quiser saber outros temas inscreva-se nosso site.Tags: estressecardiologiaprevenção Select ratingGive Como o estresse afeta o nosso corpo 1/5Give Como o estresse afeta o nosso corpo 2/5Give Como o estresse afeta o nosso corpo 3/5Give Como o estresse afeta o nosso corpo 4/5Give Como o estresse afeta o nosso corpo 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal

vascular.pro - Mon, 04/22/2019 - 15:13
Aneurisma de Aorta Abdominal

Quando se investiga uma doença no paciente que não tem sintomas deve-se eticamente considerar que:

  • A doença tenha alta taxa de mortalidade.
  • O exame utilizado para o diagnóstico seja bem aceito pelo paciente, eficaz e de custo razoável.
  • principalmente  que o tratamento da doença diagnosticada na fase pré-sintomática faça diferença real na vida da pessoa. (ou seja, não adianta achar doenças que não necessitem de tratamento, ou que não mudem o prognóstico)

 

As duas principais organizações no mundo que definem as orientações para o rastreamento de doenças no paciente assintomático (check-up) são a U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF) e a Canadian Task Force on Preventive Health Care (CTFPHC). São forças tarefas com diversos especialistas que revisam as melhores evidências científicas e determinam que exames devam ser realizados e em quais indivíduos.

Novamente na última recomendação da USPSTF publicada em 2014 a investigação do aneurisma da aorta abdominal é fortemente recomendada nos homens idosos (de 65 a 75 anos) fumantes.

Outros fatores de risco para essa doenças além do envelhecimento são:  doenças das artérias coronarianas, doença cerebrovascular, colesterol elevado, obesidade, hipertensão arterial e história de outros aneurismas.

O exame para a detecção é a ultrassonografia com doppler, que é fácil de ser realizado, não traz desconforto para o paciente e apresenta alta sensibilidade (94% a 100%) e especificidade (98 a 100%), ou seja,  detecta com segurança esse problema.

A grande vantagem do diagnóstico precoce do aneurisma da aorta abdominal é que a taxa de mortalidade na cirurgia eletiva é ao redor de 5% e na cirurgia de urgência de 21 a 76%. Ou seja, descobrindo cedo, tratando cedo com o cirurgião vascular, melhores prognósticos.

Fizemos um projeto no passado com um modelo de Check-up Virtual online, que chegou a ganhar prêmio Dr Cidadão.

 

Referências:

 

Moraes, IN Tratado de Clínica Cirúrgica

Amato, MCM, Manual do Médico Generalista na Era do Conhecimento

Internet Citation: Clinical Summary: Abdominal Aortic Aneurysm: Screening. U.S. Preventive Services Task Force. October 2014.

uspreventiveservicestaskforce

Um artigo do nosso colega e geriatra Dr Marcos Galan Morillo.Anatomia: 

Artérias

Causa: 

Aterosclerose, degenerativo, infeccioso, congênito

Diagnóstico Diferencial: 

Doença arterial oclusiva

Fatores de Risco: 

Tabagismo
Hipertensão

Evolução Natural: 

A tendência dos aneurismas é crescer até, em algum momento, romper. Mas a velocidade de crescimento é muito importante, pois se crescerem lentamente e sendo pequenos, podem ser apenas acompanhados com observação e tratamento clínico.

Prevenção Primária: 

Não fumar, tratar hipertensão, tratar outras comorbidades

Sinais ou Sintomas: 

A maioria não tem sintomas, mas quando rompem podem causar choque e óbito

Tratamentos Possíveis: 

Cirurgia aberta de aneurismectomia
Cirurgia Endovascular de exclusão de aneurisma
Tratamento clínico

Complicações Possíveis: 

Ruptura, oclusão, embolização distal

Código: I71 Select ratingGive O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 1/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 2/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 3/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 4/5Give O Check-up no idoso e o aneurisma da aorta abdominal 5/5 Sem avaliações vascularaneurismageriatriaprevenção
Categories: Medicina

Perda da visão

vascular.pro - Mon, 04/15/2019 - 15:31

Causas vasculares de perda da visão
 

Tags: sintomas Select ratingGive Perda da visão 1/5Give Perda da visão 2/5Give Perda da visão 3/5Give Perda da visão 4/5Give Perda da visão 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Dor de cabeça

vascular.pro - Mon, 04/15/2019 - 15:27

Existem mais de 200 tipos de dor de cabeça. Seus sintomas de dor de cabeça podem ajudar o médico a determinar a causa e o tratamento adequado. A maioria das dores de cabeça não é resultado de uma doença grave, mas algumas podem resultar de uma condição com risco de vida que requer cuidados de emergência. Causas de dor de cabeça são muitas, entre elas:

  • Estresse
  • Calor
  • Dormir mal
  • Alguns Alimentos
  • Postura incorreta
  • Cheiros fortes
  • Esforço exagerado
  • Dor de cabeça tensional
  • Enxaqueca
  • Sinusite
  • Cefaléia em Salvas
  • Cefaléia Tensional
  • Cefaléia pós coito
  • Hemicranias paroxísticas
  • Sinusite aguda
  • Coágulo de sangue (trombose venosa) dentro do cérebro
  • Aneurisma cerebral
  • Cérebro com malformação arteriovenosa ou uma formação anormal de vasos sanguíneos do cérebro
  • Tumor cerebral
  • Intoxicação por monóxido de carbono
  • Síndrome de Arnold-Chiari (malformação rara e congênita do sistema nervoso central)
  • Concussão
  • Desidratação
  • Problemas dentários
  • Otite
  • Encefalite
  • Arterite (inflamação do revestimento das artérias)

  • Glaucoma
  • Ressaca
  • Gripe
  • Rupturas de vasos sanguíneos no cérebro
  • Medicamentos para o tratamento de outras doenças
  • Meningite
  • Uso excessivo de medicação para a dor
  • Ataques de pânico
  • Síndrome pós-concussão
  • Pressão na cabeça por conta de chapéus apertados, capacetes ou óculos de proteção
  • Aumento da pressão no interior do crânio
  • Toxoplasmose
  • Neuralgia do trigêmeo.
Tags: sintomasclínica Select ratingGive Dor de cabeça 1/5Give Dor de cabeça 2/5Give Dor de cabeça 3/5Give Dor de cabeça 4/5Give Dor de cabeça 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Arterite temporal

vascular.pro - Mon, 04/15/2019 - 15:13
Arterite temporal

A arterite temporal (AT) é uma vasculite considerada emergência médica, pois se não for tratada pronta e corretamente pode causar cegueira permanente em até 20% dos pacientes.

O que é a arterite temporal?

Também chamada de arterite de células gigantes ou vasculite necrotizante é uma inflamação das artérias do sistema carotídeo, particularmente as artérias cranianas.

Qual a população mais suscetível?

A arterite temporal ocorre principalmente em idosos com mais de 70 anos e é um pouco mais comum nos indivíduos de pele branca e do sexo feminino.

Quais os sintomas da arterite temporal?

Em 70 a 90% dos pacientes o sintoma inicial é uma dor de cabeça latejante e continua na região temporal (parte lateral anterior do crânio ou “têmporas”).

Ocorre também diminuição, turvação e/ou perda fugaz da visão.

É comum esse quadro ser precedido de dor muscular e fraqueza na região dos ombros e membros superiores (polimialgia reumática).  Febre baixa e inapetência também podem estar presentes.

Como é feito o diagnóstico?

Após a suspeita clinica deve-se palpar a artéria temporal (foto) que pode estar mais grossa, dolorosa e com a pulsação ausente ou diminuída. Às vezes a dor piora com movimentação da mandíbula.  O exame que define do diagnóstico é a biópsia da artéria temporal que deve ser feita por um cirurgião vascular nas primeiras 48horas e analisada por um patologista.

O exame de hemossedimentação (VHS) é muito elevado (>100) e reforça o diagnóstico.

Qual o tratamento?

Para prevenir a cegueira o tratamento com corticosteroides deve ser iniciado assim que houver a suspeita clinica e em doses efetivas. Se não for possível realizar a biópsia prontamente o tratamento não deve ser adiado, mas a biópsia da artéria é o exame padrão ouro para confirmar o diagnóstico e determinar o tempo de tratamento.

 

 

Um artigo do nosso colega e geriatra Dr Marcos Galan Moriilo.

 

Bibliografia: Palheta Neto, F. X., Carneiro, K. L., Rodrigues Junior, O. M., Rodrigues Junior, A. G., Jacob, C. C. D. S., & Palheta, A. C. P. (2008). Aspectos clínicos da arterite temporal. Arq. Int. Otorrinolaringol. (Impr.), 12, 546–551. Retrieved from http://www.arquivosdeorl.org.br/conteudo/acervo_port.asp?id=570

Anatomia: 

Artéria temporal

Causa: 

Autoimune ou desconhecido

Diagnóstico Diferencial: 

problemas odontológicos, neuralgia do trigêmeo, sinusites, otites, alterações nos vasos sangüíneos ou músculos dos oculares, entre outras várias causas de cefaléia 

Epidemiologia: 

A Doença de Horton é a vasculite mais prevalente em adultos acima de 50 anos, com pico de incidência entre os 70 e os 80 anos, sendo esta de cerca de 200 casos por 100.000 habitantes, especialmente em idosos, e a média de idade de 72 anos, com grande variação de país a país. As mulheres têm de 2 a 6 vezes mais chances de serem acometidas do que os homens, provavelmente devido a fatores hormonais, contudo observou-se que o predomínio do sexo feminino está associado à polimialgia reumática e não na sua forma pura. O percentual também é maior em pessoas com histórico de tabagismo. A doença não tem alta preferência por tipo racial, porém é ligeiramente superior em caucasianos, especialmente entre os descendentes escandinavos, o que provavelmente, está relacionado com a distribuição do antígeno HLA-DR4 entre as raças 

Sinais ou Sintomas: 

Sintomas sistêmicos incluem febre, adinamia, inapetência, perda de peso e mialgias inespecíficas, principalmente pela manhã, com rigidez do pescoço e da musculatura da cintura escapular e pélvica, além de sudorese noturna e anorexia.
A claudicação da mandíbula é um sintoma clássico da doença. O paciente tem dor quando mastiga ou conversa mais prolongadamente, melhorando com o repouso, ocorrendo nos casos em que há comprometimento da artéria facial. A claudicação dos músculos da língua e da deglutição e espasmos dos músculos da mastigação, denominado de trismo também pode ocorrer.
As manifestações oftalmológicas são diversas, dentre as quais destaca-se a neuropatia óptica isquêmica anterior (NOIA), constituindo uma das mais graves e mais comuns seqüelas da doença, tendo sido relatada entre 7% e 60% dos pacientes.
Defeitos campimétricos e cegueira cortical.
Dentre as manifestações neurológicas, a principal queixa é a cefaléia, sendo a manifestação cardinal da ACG e a queixa que mais freqüentemente leva o paciente ao médico: Dor intensa, persistente, unilateral ou bilateral, na região temporal e até mesmo occipital, lancinante ou pulsátil, com períodos de exacerbação, apresentando tumefação, amolecimento e hipersensibilidade na região temporal, em cerca de 25% dos casos. Alguns relatam dor em qualquer parte da cabeça ou difusamente, como na cefaléia por contração muscular.
Depressão, confusão mental, demência, psicose; infarto ou hemorragia cerebral, episódios isquêmicos transitórios; ataxia, tremor, surdez, tinitus, vertigem (manifestações relacionadas à artéria facial); paralisia facial; síncope, convulsões, meningismo, diabetes insípido; mielopatia transversa e neuropatias periféricas.
As principais manifestações otorrinolaringológicas são tosse seca persistente, odinofagia, disfonia, parestesias e claudicação linguais, zumbidos, glossite, isquemia e necrose linguais, e disacusia neussensorial, que pode variar da forma leve até a surdez, caso o tratamento não seja efetuado devidamente 

Prognóstico: 

O prognóstico da doença, quando bem tratada, é bom. A sobrevida dos pacientes não é diferente da população em geral com a mesma faixa etária. Com tratamento, a maioria dos indivíduos atinge a remissão completa; contudo, a perda da visão pode ser irreversível. Se a artéria aorta ou alguma de suas tributárias estão envolvidas, o prognóstico pode ser pior, pois esses vasos podem se alargar e até mesmo romper. Porém, a maior parte das complicações relacionadas à arterite de células gigantes é causada mais pela terapia com hormônios esteróides do que pela doença propriamente dita 

Tratamentos Possíveis: 

O tratamento de pacientes com arterite temporal é fundamental para evitar a perda da visão e a terapia deveria ser iniciada baseada na suspeita clínica, não nos resultados da biópsia. Utiliza-se um tipo de corticosteróide para o tratamento clínico. O principal objetivo da corticoterapia é a prevenção da cegueira, principalmente quando um dos olhos já foi atingido, ou de outras graves complicações da doença. 

Complicações Possíveis: 

Cegueira

Código: M31.5 Select ratingGive Arterite temporal 1/5Give Arterite temporal 2/5Give Arterite temporal 3/5Give Arterite temporal 4/5Give Arterite temporal 5/5 Average: 3 (1 vote) geriatriavasculararteritereumatologia
Categories: Medicina

Varizes passa de pais para filhos?

vascular.pro - Wed, 04/10/2019 - 11:26

Isso é a mais pura verdade, na maioria dos casos varizes são hereditárias, são as chamadas varizes primárias. É claro que nem todos desenvolverão a os problemas da falha da bomba periférica, como dor nas pernas, inchaço/edema, coceira, eczema de estase, dermatite ocre (deposição de hemossiderina), lipodermatoesclerose (endurecimento da pele e subcutâneo), varicorragia (sangramento pelas varizes), úlceras venosas e varizes.
O fato de ter parentes com varizes ou problemas venosos aumenta a probabilidade de ter também, porém não significa que terá. Também o fato de ter varizes não significa que seus filhos terão, embora eles tenham uma probabilidade maior do que a população em geral.
O defeito genético não está completamente elucidado ainda, sendo multifatorial e com herança indefinida, um estudo mostra que é passado aos filhos em 90% dos casos se pai e mãe tiverem a doença; caso somente um dos dois possua a doença, há um risco de 62% em mulheres e 25% em homens; caso nenhum dos dois genitores possua a doença, ainda há um risco de 20%.

Fonte: https://www.veins.co.uk/
Berard A, Abenhaim I, Platt R, et al. (2002) Risk factors for the first time development of venous ulcers of the lower limb: The influence of heredity and physical activity. Angiology 53:647-657
David L. Rimoin, MD, PhD, J. Michael Connor, Reed E. Pyeritz, MD, PhD and Bruce R. Korf, MD, PhD Emery and Rimoin's Principles and Practice of Medical Genetics e-dition, 5th Edition, Churchill Livingstone, 2007

varizes
Categories: Medicina

Coceira nas pernas

vascular.pro - Wed, 04/10/2019 - 11:24

Suas pernas estão coçando? Quer saber quais são as possíveis causas de coceira nas pernas? Pernas que coçam podem ter várias causas:

  • Doenças
    • Insuficiência Venosa Crônica
      • Eczema
    • Lipedema
    • Alergia
    • Dermatite
      • Dermatite de contato
      • Dermatite atópica
    • Urticária
    • "Pele seca" / "Pele ressecada" / Xerose
    • Escabiose (sarna)
    • Doenças do fígado
      • tumores
      • cirrose biliar primária
    • Picada de inseto
      • estrófulo
    • Neuropatia diabética
    • Líquen plano
    • Falta de higiene
    • Fungos
      • tinea cruris
Tags: sintomasvascularcoceira Select ratingGive Coceira nas pernas 1/5Give Coceira nas pernas 2/5Give Coceira nas pernas 3/5Give Coceira nas pernas 4/5Give Coceira nas pernas 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Doença inflamatória pélvica

DIP

Doença inflamatória pélvica

A doença inflamatória pélvica (DIP) é uma infecção dos órgãos reprodutivos femininos. Geralmente ocorre quando as bactérias sexualmente transmissíveis se espalham da vagina para o útero, trompas de falópio ou ovários.

A doença inflamatória pélvica geralmente não causa sintomas ou dá sinais. Como resultado, você pode não perceber que tem a condição e não obter o tratamento necessário. A condição pode ser detectada mais tarde se você tiver problemas para engravidar ou se desenvolver dor pélvica crônica.

Sintomas

Sinais e sintomas da doença inflamatória pélvica podem incluir:

  • Dor no baixo ventre e na pelve
  • Corrimento vaginal pesado com odor desagradável
  • Sangramento uterino anormal, especialmente durante ou após a relação sexual, ou entre ciclos menstruais
  • Dor ou sangramento durante a relação sexual (dispareunia)
  • Febre, às vezes com calafrios (tremedeiras? temperatura acima de 38˚C?)
  • Micção dolorosa ou difícil (dói para fazer xixi?)

DIP pode causar apenas sinais e sintomas leves ou nenhum. Quando grave, a DIP pode causar febre, calafrios, dor abdominal ou dor pélvica grave - especialmente durante o exame pélvico - e desconforto intestinal.

Quando ver um médico

Consulte o seu médico ou procure assistência médica urgente se sentir:

  • Dor grave na parte baixa em seu abdome
  • Náuseas e vômitos, com uma incapacidade de manter qualquer coisa ingerida
  • Febre, com temperatura superior a 38,3°C 
  • Corrimento vaginal

Se os seus sinais e sintomas persistirem, mas não forem graves, consulte o seu médico assim que possível. Corrimento vaginal com odor, micção dolorosa ou sangramento entre os ciclos menstruais pode estar associado a uma infecção sexualmente transmissível (DSTs). Se estes sinais e sintomas ocorrerem, pare de fazer sexo e consulte o seu médico o mais breve possível. O tratamento imediato de uma DST pode ajudar a prevenir a DIP.

Marque agora consulta com ginecologista

 

Causas

Muitos tipos de bactérias podem causar DIP, mas as infecções por gonorreia ou clamídia são as mais comuns. Essas bactérias geralmente são adquiridas durante o sexo desprotegido.

Menos comumente, as bactérias podem entrar no trato reprodutivo sempre que a barreira normal criada pelo colo do útero sofrer irritação. Isso pode acontecer após o parto, aborto ou aborto espontâneo.

Fatores de risco

Vários fatores podem aumentar o risco de doença inflamatória pélvica, incluindo:

  • Ser uma mulher sexualmente ativa com menos de 25 anos de idade
  • Ter múltiplos parceiros sexuais
  • Estar em um relacionamento sexual com uma pessoa que tenha mais de um parceiro sexual
  • Fazer sexo sem camisinha
  • Fazer ducha regularmente, o que perturba o equilíbrio das bactérias boas contra bactérias nocivas na vagina e pode mascarar os sintomas
  • Ter um histórico de doença inflamatória pélvica ou uma infecção sexualmente transmissível

A maioria dos especialistas agora concorda que ter um dispositivo intrauterino (DIU) inserido não aumenta o risco de doença inflamatória pélvica. Qualquer risco potencial ocorre geralmente dentro das primeiras três semanas após a inserção.

Complicações

Doença inflamatória pélvica não tratada pode causar cicatrizes. Você também pode desenvolver coleções de líquidos infectados (abscessos) nas trompas de Falópio, que podem danificar os órgãos reprodutivos.

Outras complicações podem incluir:

  • Gravidez ectópica.   DIP é uma das principais causas de gravidez tubária (ectópica). Em uma gravidez ectópica, o tecido cicatricial da DIP impede que o óvulo fertilizado atravesse a trompa de falópio para implante no útero. As gravidezes ectópicas podem causar hemorragias graves e potencialmente fatais e requerem atenção médica de emergência.
  • Infertilidade.   DIP pode danificar seus órgãos reprodutivos e causar infertilidade - a incapacidade de engravidar. Quanto mais vezes você tiver DIP, maior o risco de infertilidade. Atrasar o tratamento para a DIP também aumenta drasticamente o risco de infertilidade.
  • Dor pélvica crônica.   A doença inflamatória pélvica pode causar dor pélvica que pode durar meses ou anos. Cicatrizes nas trompas de falópio e outros órgãos pélvicos podem causar dor durante a relação sexual e a ovulação.
  • Abscesso tubo-ovariano.   DIP pode causar um abscesso - uma coleção de pus – que pode se formar em seu tubo uterino e ovários. Se não for tratada, você pode desenvolver uma infecção com risco de vida.

 

Prevenção

Para reduzir o risco de doença inflamatória pélvica:

  • Pratique sexo seguro.   Use preservativos sempre que fizer sexo, limite o número de parceiros e pergunte sobre o histórico sexual de um possível parceiro.
  • Converse com seu médico sobre contracepção.   Muitas formas de contracepção não protegem contra o desenvolvimento de DIP. Usar métodos de barreira, como preservativo, pode ajudar a reduzir seu risco. Mesmo se você tomar pílulas anticoncepcionais, ainda é importante usar preservativo toda vez que fizer sexo para se proteger contra DSTs.
  • Faça o exame.   Se você estiver em risco de contrair uma DST, como clamídia, marque uma consulta com seu médico para fazer o exame. Configure um cronograma de exames regulares com seu médico, se necessário. O tratamento precoce de um DST oferece a melhor chance de evitar a DIP.
  • Solicite que seu parceiro faça o exame.   Se você tiver doença inflamatória pélvica ou DST, aconselhe seu parceiro a fazer o exame e, se necessário, o tratamento. Isso pode impedir a propagação de DSTs e a possível recorrência da DIP.
  • Não faça ducha.   Fazer ducha perturba o equilíbrio de bactérias em sua vagina.
pelveginecologiadipinfertilidadeO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categories: Medicina

6 DSTs que podem afetar a fertilidade

DSTs

Doenças Sexualmente Transmissíveis

1. Clamídia

A clamídia é uma infecção bacteriana extremamente comum; há uma estimativa de três milhões de casos todos os anos nos Estados Unidos. Ela afeta desproporcionalmente jovens humanos com vaginas , como aquelas entre 15 e 24 anos, representando 68% de todos os casos relatados em 2013.

A clamídia pode resultar em doença inflamatória pélvica (DIP), que é quando os órgãos reprodutivos ficam inflamados porque são incomodados por bactérias indesejadas. Se você tem clamídia e órgãos reprodutivos femininos, você tem de 10 a 15% de chance de desenvolvimento de DIP. A DIP pode causar cicatrizes em seus órgãos pélvicos, o que pode causar uma barreira contra os espermatozoides, para que eles não consigam alcançar o seu óvulo. A DIP também pode causar gravidez tubária ou ectópica, uma situação extremamente perigosa na qual o óvulo e o espermatozoide se implantam na trompa de Falópio em vez do útero. Este é um grande problema, porque esses tubos não têm espaço suficiente para abrigar um feto em crescimento, para não mencionar toda a nutrição necessária para alimentá-lo; gravidez ectópica deve ser interrompida através da medicamentos ou cirurgia.

Além disso, a clamídia pode infectar as trompas de falópio, o que também pode resultar em infertilidade. Uma nova pesquisa também descobriu que se a pessoa com órgãos reprodutivos masculinos tiver clamídia, o casal tem cerca de um terço menos probabilidade de engravidar.

A clamídia, se não for tratada, também pode ser perigosa para os recém-nascidos. As mães podem passar as bactérias para os seus fetos, resultando em conjuntivite de inclusão, que você pode conhecer como olho cor-de-rosa. Cerca de 50% dos bebês nascidos de mães com clamídia não tratada adquirem essa doença ocular, o que faz com que seus pequenos olhos inchem e fiquem com pus. É importante ser curado; embora a clamídia provavelmente desapareça sozinha dentro de um ano, pode causar cicatrizes em seus pequeninos olhos.

Aqui está o problema: tudo isso pode acontecer sem você saber que tem clamídia, já que a maioria das pessoas não apresenta sintomas de infecção por clamídia. É importante fazer o exame rotineiramente para que você possa descobrir cedo, antes que cause estragos em seu bebê. Felizmente, a clamídia é curada com um ciclo de antibióticos, por isso, se você tiver um exame positivo para isso, o seu médico irá trata-la corretamente.

2. Gonorreia

Como a clamídia, a gonorreia é uma infecção bacteriana. Pode resultar em DIP, que sabemos agora não ser bom para o funcionamento interno do sistema reprodutivo feminino. Ela também pode mexer com a fertilidade em sistemas reprodutivos masculinos, especificamente, resultando em epididimite, que é quando o epidídimo (um tubo pelo qual o espermatozoide viaja antes de, você sabe, disparar em todos os lugares) fica inflamado. Se a epididimite não for tratada, pode levar a infertilidade.

Também como a clamídia, a bactéria que causa a gonorreia pode causar olho cor-de-rosa em recém-nascidos; quando isso resulta de gonorreia, é chamado de conjuntivite gonocócica. Se não for tratada, essa forma de conjuntivite pode causar cegueira - na verdade, costumava ser a principal culpada pela cegueira nos Estados Unidos.

Finalmente, como a clamídia, você também pode ser assintomático para a gonorreia. Há 820.000 casos anuais de gonorreia a cada ano nos Estados Unidos, então esta é outra que deve ser observada no exame regular de DSTs. Felizmente, como acontece com a clamídia, a gonorreia pode ser tratada com antibióticos. Infelizmente, algumas cepas de gonorreia estão se tornando resistentes aos tratamentos existentes, tornando-a menos facilmente tratável.

3. Papilomavírus Humano

Papilomavírus Humano, ou HPV para ser breve, é extremamente comum. Aproximadamente 79 milhões de pessoas nos Estados Unidos tem agora, e cerca de 14 milhões de pessoas são infectadas a cada ano. Essa DST é tão comum que, se você é sexualmente ativo, é basicamente inevitável que você tenha pelo menos uma estirpe dela em algum momento de sua vida.

Na verdade, existem mais de 100 cepas diferentes de HPV, e apenas cerca de 40 são sexualmente transmissíveis (as outras vivem em outro lugar da pele e causam verrugas). Destas 40, apenas algumas causam verrugas genitais, e apenas algumas causam câncer. O HPV atualmente não tem cura médica, mas, felizmente, na maioria dos casos, seu corpo limpa a própria infecção por HPV. Isso acontece muito rapidamente — a vida média de uma infecção pelo HPV é entre quatro e 20 meses, e a maioria dos corpos se livra dela dentro de dois anos.

Apenas ser positivo para o HPV não afeta suas habilidades para engravidar. Mas se você tem uma cepa cancerosa, você pode acabar com as células pré-cancerosas no colo do útero, e isso pode impactar a capacidade de fazer bebês no futuro. Especificamente, as técnicas médicas que removem essas células pré-cancerígenas podem mexer com o muco cervical, que ajuda os espermatozoides a alcançarem o óvulo. Se o procedimento remover uma quantidade significativa de tecido cervical, o colo do útero pode ficar enfraquecido. Isso aumenta o risco de aborto espontâneo, já que o colo do útero pode se abrir antes que o feto esteja pronto para sair.

O seu ginecologista verifica se você tem HPV toda vez que ela lhe faz um papanicolau, por isso é fácil saber o seu estado. Só porque você está infectada com uma cepa relacionada ao câncer, isso não significa que você terá células pré-cancerígenas e que terá que se submeter a qualquer tratamento que resulte em mais dificuldades para engravidar.

4. Sífilis

Um problema enorme antigamente, a sífilis é agora tratável com penicilina se pega em seus estágios iniciais. No entanto, está fazendo um tipo de retorno - em 2010, houve quase 46.000 casos de sífilis relatado nos Estados Unidos. Novos casos são principalmente atribuíveis a homens que fazem sexo com homens, mas a doença também está tendo um retorno problemático em humanos com vaginas.

Este ressurgimento é super importante para a fertilidade. Se engravidar enquanto estiver com sífilis não tratada, você tem 50% de aborto espontâneo ou natimorto. Se o seu bebê for infectado durante o parto, há 10% de chance de morte, muitas vezes apenas alguns dias depois de nascer. E se você contrair sífilis em algum momento nos quatro anos antes de engravidar, as chances de seu feto ser infectado é de 80%.

A sífilis também pode causar epididimite em pessoas com órgãos reprodutivos masculinos, que já sabemos que podem causar infertilidade. A sífilis também pode mexer com os testículos, o que pode afetar negativamente a fertilidade. Finalmente, se você deixar sua sífilis ficar sem tratamento por tempo suficiente, você pode desenvolver tabes dorsalis, que é quando a doença começa a degenerar seus nervos. Uma das consequências desta sífilis tardia é a disfunção erétil.

5. Herpes Genital

Herpes genital é causada pelo vírus de herpes simples (HSV). Humanos com vaginas são muito mais prováveis de obter esta infecção, que infelizmente é incurável (mesmo agora). Estima-se que um em cada quatro humanos com sistemas reprodutivos femininos têm herpes genital, comparado a quase um em oito com sistemas reprodutivos masculinos.

O herpes genital não atrapalha sua capacidade de engravidar, mas pode ser perigoso para o feto. Se você está grávida e tem um surto de herpes durante o terceiro trimestre, você pode passar o vírus ativado, que pode ser mortal para o seu recém-nascido. Felizmente, você pode impedir seu bebê de obter herpes através de medicação e por parto através de uma cesariana.

Estudos mostram a possíbilidade de influência em infertilidade, mas ainda é muito cedo para dizer.

6. HIV

Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) interfere em seu sistema imunológico, enfraquecendo-o para que ele não possa combater doenças. AIDS é a condição criada pelo HIV em que seu sistema imunológico está danificado e não pode lutar contra outras infecções, então você fica doente muito facilmente.

Como herpes, o HIV não impede sua capacidade de engravidar. No entanto, você pode transmitir HIV para um feto, dando-lhe uma doença que atualmente é vitalícia e incurável. Felizmente, se você souber o seu estado de HIV quando engravidar, você pode trabalhar com seu médico para obter medicação que irá garantir que seu bebê nasça HIV negativo. Você também pode fazer uma cesariana em vez de um parto vaginal para proteger ainda mais seu bebê. Seu novo ser humano será colocado sob medicação para o HIV nas primeiras seis semanas de sua vida para garantir que qualquer HIV que tenha chegado a esse minúsculo novo corpo seja erradicado. Finalmente, será solicitado que você não amamente, já que os bebês podem pegar o HIV através do leite materno.

Conclusão

Não compartilhamos essa informação para te assustar, mas a realidade é que se você pegar uma dessas DSTs e não a tratar (aquelas que são tratáveis) ou controlar ou mesmo tomar medidas preventivas, pode ser mais difícil para você ter um bebê saudável no futuro. É por isso que é super importante proteger-se (ou seja, usar preservativos com seus parceiros sexuais, a menos que você tenha certeza de que eles não têm uma DST) e fazer o exame regularmente - muitas dessas doenças não apresentam sintomas por um tempo, se alguma vez apresentam, você pode nem saber que você as tem, a menos que você as veja no resultado do exame.

Lembre-se de que nenhum sexo é 100% seguro; Estamos sempre assumindo um pouco de risco quando compartilhamos nosso corpo com outra pessoa. Mas é tão importante lembrar todas as coisas boas sobre sexo (seja o que for para você) e lembrar que as DSTs são um fato da vida. Faça o seu melhor para se proteger e para proteger a sua fertilidade, mas também não deixe o medo te paralisar.

dstO que você achou deste conteúdo?:  0 Sem avaliações
Categories: Medicina

ClaCs

vascular.pro - Sun, 04/07/2019 - 00:56

Na última década diversas tecnologias amadureceram e passaram a integrar o arsenal terapêutico venoso.

Há muito se sabe que nenhuma técnica única é perfeita para o tratamento de todas as teleangiectasias, reticulares e varizes.

Não existe pílula milagrosa, ou pomada mágica.

Cada técnica é mais adequada para determinado tipo de vaso, e, por isso o planejamento terapêutico é essencial, e não pode ser escolhido como se escolhe diferentes marcas de shampoo.

O grande segredo está em identificar a melhor técnica para determinado tipo de lesão e paciente, o que deve ser realizado pelo cirurgião vascular.

Por exemplo, um paciente pode ter alguma contra indicação ou aversão a certo tratamento, que para outro pode ser o ideal.

Portanto, não existe a “receita de bolo”, um padrão que funciona para todo mundo, e deve ser personalizado pelo cirurgião vascular seguindo as características e necessidades de cada paciente.

Os aparelhos, tecnologias e métodos existentes são nada mais do que ferramentas na mão de um artista, que deve escolher a mais adequada para o objetivo do tratamento.

Imagine um pincel na mão de Leonardo da Vinci e o mesmo pincel na mão de outro mortal qualquer, o resultado será sempre diferente. Assim como tenho certeza que Leonardo talvez não conseguisse fazer sua melhor obra de arte usando um computador.

O uso que se faz das ferramentas é mais importante do que a ferramenta em si para o resultado final.

Porém, novas ferramentas, após adequada avaliação podem apresentar resultados mais consistentes, reprodutíveis e com menos riscos, e devemos sempre que possível acrescentá-los à pratica.

A associação de métodos no tratamento dos vasinhos há muito tempo é vista como uma alternativa mais eficaz para o tratamento, utilizando diferentes técnicas para diferentes vasos.

Ao associar métodos, aumenta-se a eficácia, sem atingir limites perigosos.

O CLaCs é acrônimo para CrioLaser e CrioEsclero, duas técnicas que quando associadas se potencializam.

O Criolaser consiste na aplicação de anestesia pelo frio e laser, ou seja a diminuição da temperatura local para atingir estado de ausência ou minimização de dor, a crioanestesia, além da proteção do calor gerado pelo laser.

No momento em que a anestesia pelo frio é atingida, é feito o disparo do laser que causa lesão térmica no vaso.

Após isso é realizado a crioesclero, que consiste na injeção de glicose, substância tradicional para a escleroterapia, mas nesse momento congelada a quase -30˚C.

A glicose congelada, causa dano térmico ao vaso, agora não pelo calor, mas pelo frio, e também dano osmolar pela sua alta concentração. Potencializando assim o efeito do laser inicial e trazendo resultados mais rápidos.

A glicose sozinha é muito segura, mas com potencial baixo de esclerosar os vasos. Sozinha, requer dezenas de sessões para funcionar.

Todo o procedimento é guiado por técnica de realidade aumentada, ou seja, a projeção na própria pele do paciente de suas veias, agora captadas por aparelho dedicado de infravermelho, o flebovisualizador.

Com o procedimento guiado pelo infravermelho e utilizando criolaser associado à crioesclerose, aumenta-se a gama dos vasos passíveis de serem tratados sem cirurgia, com menos dor e menos picadas.

A técnica não elimina a necessidade de cirurgia em alguns casos, mas aumenta a quantidade de vasos que podem ser tratados e com menos sessões.

A flebosuite consiste no local onde o procedimento é realizado, deve ser local de alta luminosidade, com os equipamentos necessários para congelar o ar e a glicose, e equipamento de laser e realidade aumentada para visualização de vasos difíceis.

Outros equipamentos que podem fazer parte da sala de procedimentos é a radiofrequência, termocoagulação, flebovisualizadores, lupas e outros.

Tags: clacsvenosotratamentolaser Select ratingGive ClaCs 1/5Give ClaCs 2/5Give ClaCs 3/5Give ClaCs 4/5Give ClaCs 5/5 Sem avaliações
Categories: Medicina

Cruzar as pernas quando sentado causa varizes?

vascular.pro - Sun, 04/07/2019 - 00:44

Cruzar as pernas aumenta momentaneamente a pressão nas veias superficiais, mas isso não parece ser um fator importante no desenvolvimento dos vasinhos na maioria das pessoas.

 

varizes
Categories: Medicina

Vasinhos ocorrem apenas em mulheres?

vascular.pro - Sun, 04/07/2019 - 00:44

Homens não são imunes, mas as mulheres procuram mais o tratamento por causa estética. Teleangiectasias em homens são mais visíveis, maiores e mais escuras, e, quando procuram conselho médico freqüentemente é por sintoma como dor ou desconforto.
Na prática o que acontece é que os homens procuram o tratamento tardiamente, frequentemente em fase mais avançada da doença.

 

varizes
Categories: Medicina

Dieta e Exercício previnem vasinhos?

vascular.pro - Sun, 04/07/2019 - 00:41

A principal causa de teleangiectasias e veias reticulares, os chamados vazinhos é a genética, como já elucidado previamente, sendo a gravidez e periodos prolongados de pé fatores agravantes.
Manter o peso ideal ajuda a prevenir uma pressão desnecessária em membros quando de pé, mas dieta e exercício não são fatores diretos.
Portanto, dieta e exercício físico ajudam a prevenir a obesidade, essa sim fator de risco de varizes e vasinhos.

varizes
Categories: Medicina

Sem tratar, vasinhos se tornam varizes grandes ?

vascular.pro - Tue, 04/02/2019 - 11:52

Os vasinhos em si não se transformam em grandes varizes, porém, como já dito anteriormente, podem alertar para um problema maior, como uma insuficiência venosa e, nesse caso, se não tratar, as veias podem se tornar varicosas. Por isso a importância de tratar os vasinhos com o cirurgião vascular, que se preocupa com o paciente por inteiro e não apenas com o aspecto estético. Sendo uma doença que apresenta um aspecto estético, é necessário tratar a doença e, assim, ter a possibilidade de resolução estética.

varizes
Categories: Medicina

O pé diabético tem cura?

vascular.pro - Tue, 04/02/2019 - 11:44

O pé diabético não tem cura, mas na realidade é possivel controlar o problema na maioria das vezes, desde que haja muita dedicação do paciente. Somente as orientações médicas e remédios não são suficientes, é preciso comprometimento do paciente com o tratamento. Cuidados com os pés diabéticos.

pé diabético
Categories: Medicina

Como é feito o tratamento do pé diabético?

vascular.pro - Tue, 04/02/2019 - 11:42

É imprevisível a evolução das lesões nos diabéticos, particularmente quando se associam à polineuropatia, à vasculopatia e às infecções.
É necessário o controle rigoroso da glicemia através da dieta e de insulina ou hipoglicemiantes orais, bem como da limpeza diária e tratamento precoce das lesões - o mais imediato possível.
A cirurgia arterial direta, a simpatectomia e o desbridamento das lesões são possibilidades que podem ser indicadas pelo médico. Muitas vezes é necessário a associação de vários tratamentos.
Veja os cuidados necessários com o pé diabético.

pé diabético
Categories: Medicina

Pages

Subscribe to Orientação Médica - Perder Peso aggregator